Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Agressores deixaram tochas e barras de ferro para trás. GNR montou cerco na estrada para deter suspeitos

Um dos critérios para a identificação dos suspeitos foi o cheiro a fumo - ou seja, aqueles que estiveram presentes no balneário e foram expostos aos engenhos pirotécnicos lançados lá dentro

Expresso

Partilhar

O porquê da entrada facilitada, na terça-feira, de um grupo com cerca de 50 elementos com as caras tapadas, vestidos à civil, na Academia do Sporting, em Alcochete, ainda não é conhecido. Porém, já se sabe como é que a Guarda Nacional Republicana procedeu para deter os suspeitos, após as agressões ao plantel, equipa técnica e fisioterapeutas.

De acordo com o “Correio da Manhã” esta quarta-feira, depois de terem cumprido o seu “plano”, os agressores fugiram, deixando tochas e as barras de ferro para trás.

Até ao momento, foram detidos 21 adeptos do Sporting. Estes homens foram apanhados depois de a GNR mobilizar patrulhas para as estradas de acesso ao centro de estágio de Alcochete num verdadeiro cerco, que levou ao bloqueio de várias vias, nas quais todos os carros e condutores foram fiscalizados, revela o matutino.

Um dos critérios para a identificação dos suspeitos foi o cheiro a fumo - ou seja, aqueles que estiveram presentes no balneário e foram expostos aos engenhos pirotécnicos lançados lá dentro.

Ao que tudo indica, aponta o “CM”, o grupo responsável pelas agressões de ontem será o mesmo ou estará relacionado com o que no domingo confrontou os jogadores e a equipa técnica, insultando-os, depois da derrota na frente ao Marítimo.