Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Preparador físico do Sporting anuncia fim de carreira: “O que se passou em Alcochete foi absolutamente traumatizante”

Mário Monteiro, preparador físico dos leões, que há mais de uma década que acompanha Jorge Jesus de clube em clube, revelou, em entrevista ao “Jornal de Notícias” esta quarta-feira, que irá terminar a sua carreira profissional devido aos ataques em Alcochete. “Tenho muita dificuldade em adormecer e, no meio dos pesadelos, acordo como se estivesse na guerra do Iraque”, confessa

Expresso

M\303\201RIO CRUZ

Partilhar

Mário Monteiro, preparador físico do plantel principal do Sporting, revelou, em entrevista ao “Jornal de Notícias” esta quarta-feira, que, devido aos momentos de terror que viveu na semana passada, em Alcochete, pretende deixar o futebol. “O que se passou [em Alcochete] foi absolutamente traumatizante”, disse.

O preparador físico dos leões, que há mais de uma década que acompanha Jorge Jesus de clube em clube, foi claro no porquê de pôr um fim à carreira de 25 anos no futebol profissional - e qual será o seu caminho.

“Tenho muita dificuldade em adormecer e, no meio dos pesadelos, acordo como se estivesse na guerra do Iraque. Vou voltar à escola onde estou colocado como professor de Educação Física, em Vila Nova de Famalicão”, disse ao matutino.

Há três anos ao serviço do clube de Alvalade, Mário Monteiro contou ao “JN” que foi atacado “nos pulsos e no tronco com uma tocha a arder a 240 graus centígrados”. Apesar de assumir que ele próprio pode ter sido um “alvo acidental”, pois o grupo de 50 adeptos que invadiu Alcochete pretendia sim confrontar o plantel do Sporting, Monteiro confessou que ainda tem medo de novos ataques.

“Há 15 indivíduos que não estão identificados, que estão soltos, e podem ser um perigo para a equipa técnica e para o plantel”, afirmou.