Tribuna Expresso

Perfil

Rogério Casanova

William deixou o saxofone em casa e Gelson, mais uma vez, carregou a cruz sozinho (Rogério Casanova lamenta estas, e outras coisas)

Entre os lamentos, Rogério Casanova também deseja um whisky bem bebido a quem contratou Elias (da primeira e da segunda vez), depois de ver como o Sporting se portou em casa, contra o Tondela

Rogério Casanova

Comentários

PATRICIA DE MELO MOREIRA

Partilhar

Rui Patrício

Saiu da área ao minuto 13 para aliviar com o pé esquerdo para a bancada. Voltou a sair da área ao minuto 80 para fintar um avançado do Tondela. E sofreu um golo. No intervalo entre estas três empolgantes participações activas no jogo, teve tempo para escrever mais alguns capítulos da autobiografia, certamente intitulada: “Porque é Que As Coisas Más Acontecem Às Boas Pessoas?”

Schelotto

Teve arte suficiente para criar alguns bons momentos ofensivos: um bom toque de calcanhar dentro da área a ganhar um canto logo aos 12 minutos, dois ou três sprints para o espaço certo, dois excelentes cruzamentos. Tudo continua a ser feito em esforço, no limite, à beira do abismo, mas lá vai acontecendo – até à altura em que deixa de acontecer, e as limitações vêm à superfície, e fica ali no campo com aspecto de Coiote, com toda a parafernália da ACME que transportou diligentemente ao colo, enquanto um buraco se abre no chão e o engole.

Coates

Revelou tanta inteligência para perceber os problemas causados pelos outros como as limitações da própria equipa, e cedo começou a tentar fornecer tudo aquilo que faltava. Ninguém faz transporte de bola no meio campo? Eu faço. Ninguém está a tentar dribles perto da linha? Eu tento. Ninguém aparece isolado na zona de finalização? Eu vou lá dar um jeitinho. Não foi suficiente, mas será dos menos culpados.

Rúben Semedo

Ao minuto 23, apesar de estar ao triplo da distância do colega que marcava o adversário, abanou a cabeça resignadamente e veio a correr fazer a dobra à faixa esquerda. Nem tudo lhe correu bem nos momentos defensivos e Moreno deu-lhe mais trabalho do que é habitual no corpo a corpo, mas não será fácil esta vida de Rúben Semedo, o equivalente futebolístico à vida de uma mãe solteira, tentando lavar a loiça e arrumar a sala, ao mesmo tempo que impede a criança de quatro anos de engolir o hamster ou se atirar da varanda. É uma questão de tempo até lhe começarem a aparecer varizes, cabelos brancos – até começar a levar um maço de tabaco para dentro de campo.

Zeegelaar

Há um episódio da oitava temporada de Seinfeld em que Kramer consegue acidentalmente arranjar um emprego num escritório. Ia apenas a passar no corredor, mas é tratado como se já fosse empregado da firma, e portanto decide apresentar-se todos os dias, com fato e pasta, comparecendo em reuniões, etc., até que finalmente lhe é pedido um relatório. O mesmo revela-se tão incompreensível que o patrão acaba por despedi-lo. Apesar dos protestos de Kramer (“Mas eu nem sequer trabalho realmente aqui!”), o patrão é inflexível: “É isso que torna esta situação tão difícil”.

William Carvalho

O jogo mais fraco da época até agora, o que pode indicar cansaço ou apenas uma transição temporária de jazz para blues, em que deixou, uma vez sem exemplo, o chapéu e o saxofone em casa, e adoptou a vida do músico de sessão, com a sua rotina à base de salas cheias de fumo, vozes roucas, repertórios esgotados, e banhos de imersão ao fim do dia numa residencial baratinha.

Gelson Martins

Mais um jogo em que transporta a cruz de ser a única pessoa capaz de produzir momentos de desequilíbrio. Foi pena que a sua fase de eclipse (os primeiros 15/20 minutos da segunda parte) tivessem coincidido com os raros momentos de maior agitação do resto da equipa. Voltou a aparecer no fim do jogo, mas hoje não foi suficiente para disfarçar problemas maiores.

Adrien Silva

Cada lance inconclusivo no meio-campo, cada movimento em câmara lenta nos momentos de pressão alta, é neste momento assombrado por si. Como o fantasma de Banquo em Macbeth, cuja coroa de feridas deixa a masculinidade do protagonista virada do avesso, a sua ausência tem sido o trauma invisível ao redor da qual tudo se vai desenrolando.

Elias

Fez um mau passe no primeiro minuto. Viu um amarelo ao quarto. Fez outra falta aos oito. Estragou uma combinação com Gelson aos vinte. Alguém o contratou. Alguém o contratou duas vezes. Um whisky agora. Um duplo daqui a cinco minutos. Se faz favor. Agradecido. Boa noite.

Bryan Ruiz

Por três vezes tentou o um para um junto da linha, tentando encontrar espaço para o cruzamento; por três vezes a bola acabou a bater nas pernas do defesa à sua frente. No actual momento de forma, a sua relação com o futebol é como a de um deus absconditus: alguém que inventou sozinho a modalidade há milhões de anos, mas que entretanto se ausentou da coisa criada, dormiu uma sesta de milénios, perdeu a memória, e hoje é incapaz de influenciar o destino do firmamento de que foi demiurgo. O seu interesse carinhoso pelas ocorrências do jogo mantém-se inalterado, mas a curiosidade é facilmente frustrada e depressa se transforma em apatia.

André

¯\_(ツ)_/¯

Bas Dost

Teve uma excelente oportunidade aos 20 minutos (a única clara em toda a partida), mas acertou mal na bola e cabeceou muito por cima. Começa a adivinhar-se nele, nos jogos que não lhe correm tão bem, uma fragilidade contra-intuitiva, até ao nível físico, e nada compatível com o seu aspecto. Talvez seja consequência natural de um estilo de jogo pouco intenso por natureza, mas parece assumir uma postura de cepticismo permanente em relação a tudo o que o rodeia, encarando cada tentativa defeituosa de desmarcação como se fosse um sofisma: Isso não foi correcto e nem me vou dar ao trabalho de o refutar.

Bruno César

Teve um livre directo à sua medida minutos depois de entrar, um lance que deixou toda a gente cheia de ilusões, apesar de nesta altura já sabermos que Bruno César é um jogador de superar expectativas improváveis e não de cumprir as possíveis.

Castaignos

¯\_(ツ)_/¯

Joel Campbell

Viu um cartão amarelo depois de despir a camisola para festejar, assume-se, a Paz Mundial e a erradicação permanente da fome infantil no planeta.