Tribuna Expresso

Perfil

Rogério Casanova

Sequóias, ourives, Steve McQueen e (sim) Abrantes Mendes: a cura de emagrecimento de Rogério Casanova para o Sporting

Bruno de Carvalho falou em cortes no plantel no mercado de inverno, Rogério Casanova mediu as gordurinhas a mais na equipa de Alvalade - e ainda sugeriu substitutos. Veja quem devia sair e quem poderia entrar

Rogério Casanova

PATRICIA DE MELO MOREIRA

Partilhar

Douglas

O primeiro Douglas a jogar no Sporting era internacional brasileiro, marcou um dos melhores golos da sua carreira em Chaves (“marcar grandes golos em Chaves” continua a ser um evento frequente, embora nem sempre na baliza correcta), e destacava-se pelo hábito de jogar sem caneleiras e com as meias amarfanhadas junto aos tornozelos. O Douglas actual já marcou mais golos na carreira ao Sporting do que pelo Sporting, e cada um dos seus pés tem mais ou menos o mesmo tamanho que um par de caneleiras dispostos em sequência. É uma das perguntas perenes do futebol moderno: “precisamos realmente de uma quarta opção para defesa-central com experiência e salário ao nível das primeiras três?” A resposta costuma oscilar entre um indignado “não!” ou um resignado “oh pá, talvez, mas não este”.

Possível substituto: Talvez pudesse fazer-se uma oferta pela sequóia-gigante da Quinta de Santo António, em Penacova. Como alternativa mais barata, a sequóia do Jardim da Parada, em Campo de Ourique.

Ricardo Esgaio

Há uma longa tradição institucional no Sporting de preencher a posição de lateral-direito recorrendo a pessoas com cara de quem trata da contabilidade para uma rede de ourivesarias. Nélson Alves, Abel e agora Esgaio – todos eles com uma sub-especialização em correr com uma expressão determinada, sempre quatro inglórios metros atrás da pessoa que interceptou o seu cruzamento alguns segundos antes. Costumam também encarnar alguns dos valores que, segundo Abrantes Mendes, devem pontificar na prática desportiva: respeito, amizade, decoro, fair play, educação, responsabilidade, perseverança – e a dignidade da mera participação.

Possível substituto: Pegar num dos artigos de opinião de Abrantes Mendes, publicados enquanto Provedor para a Ética no Desporto, e adaptá-lo à posição.

Jefferson

Uma multidão intoxicada percorre aos gritos um trilho relvado até chegar a um planalto secreto onde gestos e actos são desacoplados dos seus significados tradicionais, encena alguns rodopios ritualísticos, e emerge novamente num espaço colectivo, onde um transeunte inocente que nem sequer sabia fazer parte da multidão descobre com espanto que acabou de dar o seu consentimento para ser governado durante um período fixo de tempo por normas que não compreende. É uma descrição do processo democrático, mas também da maneira como Jefferson vive o futebol há pelo menos um ano e meio. É no entanto possível que, algures na Grécia, Turquia ou Qatar, um clube da primeira divisão não tenha esta informação ao seu dispor e pretenda contratá-lo.

Possível substituto: Desnecessário, mas pode aproveitar-se a massa salarial poupada e investir num guarda-costas para Marvin Zeegelaar, cuja única função será impedi-lo de ler jornais e blogues, e de saber o que os adeptos pensam realmente dele.

Petrovic

Foi falado pela primeira vez para reforçar o Sporting em 2010, mas só chegou seis anos depois, tornando-o um dos casos de namoro mais prolongado fora do trovadorismo provençal. O nome “Petrovic” é um excelente ponto de partida: evoca solidez longilínea, bom jogo aéreo, remate forte, e três cartões vermelhos por época. No plano abstracto, era um nome tão promissor para um novo reforço como “Diabaté” (defesa polivalente, rápido e possante) ou “González” (médio-ala irrequieto e de finta curta, embora propenso a lesões). Infelizmente, nunca houve a oportunidade de tirar a limpo se Petrovic existe efectivamente como futebolista, ou se é apenas uma identidade forjada a partir de uma conta do Gmail e alguns recortes de jornais sérvios.

Possível substituto: Já existe.

Markovic

Num dos melhores momentos do filme Os Sete Magníficos, Steve McQueen explica que um dia viu um homem em El Paso despir-se todo e atirar-se de cabeça para cima de um monte de cactos. Ao perguntar-lhe porque o fizera, ouviu a seguinte explicação: “Pareceu-me boa ideia na altura”.

Possível substituto: Tendo em conta as restrições financeiras, o ideal seria apostar num jogador por empréstimo até ao final da época. Talvez um avançado rápido e móvel, capaz de alinhar nas quatro posições mais ofensivas, que tenha mostrado potencial ainda jovem, mas que se encontre de momento tapado no plantel de um grande europeu; e de preferência já com experiência na nossa Liga, para o período de adaptação ser menor. Markovic, por exemplo, seria uma boa opção.

Joel Campbell

O primeiro futebolista gnóstico da história da modalidade, conseguiu fazer parte do plantel sem nunca fazer parte do mundo material. Tem a capacidade, comparável apenas à de alguns santos ou profetas, de sugerir que a realidade física que todos habitamos não foi realmente concebida para estes falíveis invólucros de carne. Campbell não mostra consternação nem indignação; não só porque a sua inocência não lhe possibilita essa saída, mas porque dedica todas as suas energias a não ser destruído por um Universo físico implacável. Mas, ao contrário de Buster Keaton, permite-se o ocasional sorriso, pois em vez de encarar a força da gravidade e as leis da termodinâmica como adversários (ou como um recurso profissional), acham que são suas amigas, mesmo que raramente lhe estendam a mão. É um visitante, e não um nativo, neste planeta finito, e portanto presume-se que o seu contrato de empréstimo não existe sequer em papel: foi registado nas areias efémeras da costa, antes da subida da maré.

Possível substituto: A memória calorosa que deixará nos nossos corações é suficiente. Tal como acontece quando nos morre o primeiro animal de estimação na infância, não devemos ceder à tentação de colmatar a perda no imediato.

Elias

No 18 de Brumário de Elias Bonaparte, Marx emendou um célebre apotegma de Hegel, acrescentando que tudo se repete primeiro como tragédia, e depois como farsa. Ficou por saber o que acontece à terceira, quarta ou quinta. Qual o desgaste formal produzido por cada iteração? O que aconteceria caso Elias se transferisse revolucionariamente para o Sporting, de cinco em cinco anos, até ao fim dos tempos? Seria a próxima passagem um soneto? Uma quadra de António Aleixo? Seria o ponto terminal, um SMS contendo um erro ortográfico?

Possível substituto: Gelson Fernandes; ou, caso possa ser persuadido a regressar ao activo, Pontus Farnerud.

Luc Castaignos

Vejam qualquer teledisco gravado por Bruno Mars ou Justin Timberlake: a única pessoa que nunca dança tem o aspecto de Luc Castaignos. Ouçam qualquer música com acompanhamento orquestral: algures lá no meio há uma pessoa responsável por um instrumento que quase ninguém ouve, mas cujo nome aparece nos créditos como um anagrama de Luc Castaignos. Imaginem um quadro a imitar a capa do Sgt. Pepper’s contendo todos os avançados que passearam o seu semi-anonimato pelo Sporting - Bueno, Nalitzis, Mota, Alecsandro, Kutuzov: o último nome de que se hão-de lembrar será Luc Castaignos.

Possível substituto: Outro fantasma, mas por metade do preço.

Partilhar