Tribuna Expresso

Perfil

Rogério Casanova

Zeegelaar está para lateral-esquerdo como George Costanza para biólogo marinho (diz-nos Rogério Casanova e o Seinfeld)

Há um pouco da mítica série dos anos 90 no Sporting e Rogério Casanova diz que está à esquerda. Em contra-partida, gostou de Esgaio, que entrou em campo como um funcionário público que acabou de descobrir a sub-alínea do Código Civil mais erótica de todos os tempos. E vá, não é Zeegelaar

Rogério Casanova

PATRICIA DE MELO MOREIRA/Getty

Partilhar

Rui Patrício

Vladimir: O que fazer?

Estragon: Nada a fazer.

Vladimir: Começo a partilhar essa opinião. Durante muito tempo tentei afastar esse pensamento, dizendo a mim mesmo, Vladimir, sê razoável, ainda nem sequer tiveste trabalho nenhum. E continuava a lutar, e a sofrer.

Estragon: No essencial nada muda. É continuar a sofrer.

Rui Patrício: Olá, boa noite a ambos. Deixem-me falar-vos um pouco sobre a minha vida.

Schelotto

Com o alibi de uma competência cujos limites são entusiasticamente proclamados por cada movimento, recusa-se quase sempre a tomar posição sobre qualquer assunto ou problema que pareça extravasar as suas funções. Apesar de tudo (tal como Wolfswinkel num passado recente) é o único jogador da equipa que parece jogar repetidamente acima do que as suas qualidades intrínsecas lhe deviam permitir. Isto é apenas uma opinião e nem sequer sei se é a minha, mas estamos todos na internet e alguém há-de lhe pegar.

Coates

Pela segunda ou terceira vez nas últimas semanas, não foi o habitual monólito de solidez defensiva; e nunca conseguiu, tal como, de resto, o Partido Comunista Português, lidar bem com a presença de Soares. No lado oposto do campo, fez os possíveis e impossíveis para ajudar os dois clubes nacionais que mais gostam de si, mas sem sucesso. Ganhou o primeiro lance aéreo na área contrária ao minuto 64, mas cabeceou por cima; ganhou o segundo ao minuto 81, para grande defesa de Casillas; ganhou o terceiro já nos descontos, mas a bola não entrou por motivos ainda por esclarecer, pois até ao fecho desta edição não foi possível contactar as Leis de Newton. Amarelado ao minuto 85, depois de confundir justificadamente André André com um pónei.

Semedo

No segundo golo do Porto, participou na recriação colectiva do conceito de “solidariedade”, em que todos os elementos envolvidos sincronizaram estados emocionais e fizeram greve ao mesmo tempo.

Zeegelaar

Para os nossos descendentes culturalmente fluentes, a expressão “o lateral-esquerdo Marvin Zeegelaar” será uma sequência de palavras tão implausível como “o biólogo marinho George Costanza”. Mantém uma tendência tão empedernida para marcar os adversários com manifestações de carinho táctil que custa compreender porque é que ainda não se experimentou obrigá-lo a jogar algemado. Num jogo como o de hoje não surpreenderia ninguém ver os jogadores todos do Porto a formar uma fila ordeira na faixa direita, como à porta do Madame Tussauds, só para o verem de perto. Ou ver Zooey Deschanel entrar em campo, tentando abraçá-lo ao som de uma canção dos Kings of Convenience, antes de Zeegelaar a derrubar em falta.

Palhinha

Fez o que nos anos 90 era obrigatoriamente designado como um “jogo em crescendo”. Acumulou uma boa sucessão de semi-cortes na área ao minuto 18, dobrando um lateral e um central e esteve geralmente bem nos duelos individuais. Ao minuto 53 uma síntese das suas virtudes e defeitos: atento a dobrar Adrien, excelente no desarme, impediu um contra-ataque perigoso e recuperou a posse da bola, mas depois não teve agilidade suficiente para sair a jogar e acabou por cometer falta.

(Não sei se alguém reparou porque o lance foi pouco comentado, tendo em conta a historicamente reconhecida hiper-tolerância dos adeptos do clube para proteger os seus jovens jogadores, mas cometeu um erro no lance do 1-0).

Gelson

Participou na jogada do 1-0 e esteve melhor na segunda parte, mas as suas habilidades nem sempre foram bem calibradas; mas lá foi insistindo e descascando aquela matrioska de acções individuais, em que cada uma era uma cópia exacta da anterior só que um bocadinho mais pequena.

Adrien

Não conseguiu patrulhar o meio-campo com o habitual zelo de um funcionário da alfândega a confiscar passaportes, e dedicou-se a uma arte mais periférica, em que se limitou a supervisionar os contornos do palco e a patrulhar o seu exterior. Mas tem (com Ruiz) o que por vezes falta a muitos dos colegas: maturidade e personalidade suficientes para se darem ao luxo de ter calma em jogos grandes. Na segunda parte ensaiou dois remates perigosos, um à barra de Casillas, outro ao cúbito de Corona. Como escreveu Barthes sobre o ciclista Jean Bobet: é um homem complexo e por isso mesmo sem sorte.

Matheus Pereira

Fez o primeiro remate da equipa (ao lado), e viu também o primeiro amarelo (em cheio), mas esteve menos em jogo do que esses sinais poderiam indicar. Ao minuto 31 veio à faixa direita participar num momento de pressão e tentou sair a jogar para o centro do terreno, fintando dois adversários. Não resultou, e notou-se bem a diferença de ritmo e intensidade para quase toda a gente à sua volta. Saiu ao intervalo, mas voltará certamente à titularidade no primeiro jogo contra o Porto na época 2017/2018.

Bryan Ruiz

Mostrou mais uma vez que, independentemente de momentos de forma, é mais útil a derivar das linhas para o meio, do que do meio para as linhas. Subiu muito de rendimento depois do intervalo e acabou por fazer uma exibição positiva, mesmo que algumas boas ideias para combinações ao primeiro toque tenham sido estragadas pela execução, e mesmo que continue por vezes a refugiar-se nas certezas confortáveis da sua lucidez.

Bas Dost

Tentou um passe em profundidade a desmarcar Zeegelaar ao minuto 15, antes de perceber que qualquer passe a desmarcar Zeegelaar seria hoje um passe a crédito para desmarcar Corona alguns segundos mais tarde. Não teve oportunidades, mas é dele a assistência para o 2-1. Um dos efeitos secundários do tipo de qualidade que exibe – sempre superior, mas só aparecendo raras vezes em cada jogo – é a normalização de expectativas extraordinárias. Quando jogos como o de hoje chegam ao fim, é fácil pensar que o verdadeiramente esquisito é o homem não ter marcado quinze golos na segunda parte. E agora que penso nisso, é verdadeiramente esquisito o homem não ter marcado quinze golos na segunda parte.

Alan Ruiz

Sempre muito em jogo logo depois de entrar, usando o corpo e a cabeça para manter a posse em zonas avançadas de uma maneira que nesta altura é inexequível sem ele em campo. Tem uma habilidade especial para, nos momentos em que precisa de pensar mais um bocadinho, obrigar o adversário a cometer falta. Marcou um golo com o único tipo de remate que Casillas concordaria em deixar entrar hoje.

Esgaio

Trouxe a sua personalidade típica de terceiro guarda-redes às funções de terceiro lateral-esquerdo e entrou em campo como um funcionário público que acabou de descobrir a sub-alínea do Código Civil mais erótica de todos os tempos. Muito bons 45 minutos, que não se esgotam no simples facto de não ser Zeegelaar (embora isso já fosse mais do que suficiente).

Podence

Algum azar no momento em que entrou, quando o ritmo do jogo baixou um pouco e se tornou menos quebrado, negando-lhe o espaço necessário para embalar em velocidade. Mas não se escondeu do jogo, e ainda ganhou o único lance no 1x1 que conseguiu ensaiar. Por motivos que devem ser óbvios para todos, tem nesta altura muito mais andamento que Matheus.

Partilhar