Tribuna Expresso

Perfil

Rogério Casanova

Rogério Casanova sugere que a cerimónia dos Prémios Stromp inclua anualmente o envio de um bouquet de rosas para a Baixa Saxónia

Depois da vitória do Sporting sobre o Nacional (2-0), Rogério Casanova explica-nos por que razão ama Bas Dost. E William. E Zeeg... não, esse não

Rogério Casanova

O avançado holandês Bas Dost marcou os dois golos do Sporting contra o Nacional e já soma 24 golos na Liga portuguesa

PATRICIA DE MELO MOREIRA/GETTY

Partilhar

Rui Patrício

Os noventa minutos mais insultuosos da sua carreira recente, com os jogadores do Nacional (todos presumivelmente nascidos depois da final do Euro-2016) a passarem o jogo inteiro a ensaiar remates de fora da área, numa demonstração de insolência que não se via desde a quarta-feira passada, quando o Diego Jota tentou fazer um chapéu ao Buffon. Não há respeito, não há valores, não há nada.

Schelotto

Um dilema filosófico: um comboio desgovernado avança em direção a cinco seres humanos indefesos atados aos carris. O leitor está numa ponte sobre a linha férrea e pode parar o comboio atirando um peso para a frente do mesmo. No entanto, ao seu lado encontra-se apenas o Ezequiel Schelotto. Deste modo, a única maneira de interromper a marcha do comboio é empurrar o Ezequiel Schelotto da ponte para a linha, destruindo uma vida para salvar outras cinco. O que fazer?

Coates

Não foi a melhor primeira parte da sua vida, e a mobilidade e agressividade do avançado do Belenenses Avisonatabuleta deu-lhe algum trabalho. Teve uns minutos terríveis perto do intervalo, em que fez um passe errado na saída de bola, foi ultrapassado em velocidade pelo avançado do Belenenses Acontagemdeplaqueta, e cometeu uma falta escusada, provavelmente sobre o avançado do Belenenses Amigodeproxeneta. Acabou por recalibrar o posicionamento e melhorar bastante na segunda parte, onde merece destaque um corte vistoso ao minuto 69, não faço ideia se sobre o avançado do Belenenses Arrozcomcaracoleta ou se sobre outro avançado do Belenenses com outro nome.

Semedo

Apareceu de surpresa no onze e lá se instalou nas traseiras do salão, como o corvo de Edgar Allan Poe, mas menos conversador. Possui uma vantagem clara sobre Paulo Oliveira: as pessoas percebem que ele está em campo, nomeadamente os adeptos. Quando Paulo Oliveira é titular, ninguém dá conta, a não ser os jogadores adversários, permanentemente frustrados por cortes misteriosos vindos de parte alguma, e os adeptos são obrigados a escrever notas a esferográfica nas costas da mão para não se esquecerem da sua exibição (“Lembrete: o Paulo Oliveira jogou! E foi o melhor da defesa!”). Com Semedo estas amnésias parciais nunca acontecem, e haverá nesta altura quinze olheiros internacionais a ir de táxi para o aeroporto pensando com os seus botões, e sem consultar os apontamentos, “que champô usará aquele moço, o Rúben Semedo, que foi hoje titular?”

Zeegelaar

Uma excelente exibição que deve nos deve envergonhar a todos para sempre, e servir de mote para uma reflexão profunda sobre o futebol e a condição humana.

William

Como disse Wittgenstein, “se um leão falasse, não conseguiríamos compreendê-lo”, o que é muito bem observado. Fez alguns passes perfeitos para sítios onde os colegas, se fossem tão inteligentes como William, se teriam dirigido. Tentou fazer algumas interceções, que teriam sido brilhantes caso os adversários fossem tão inteligentes como William e executassem as jogadas que ele previu. O esgar visionário, o maxilar anguloso, silêncio, exílio e astúcia: é essa a estratégia. É o melhor jogador do Sporting, mesmo que nem sempre haja correlação entre esse estatuto e aquilo que nós, com os nossos olhares falivelmente humanos, conseguimos discernir.

Gelson

Está a dois meses de fazer 22 anos, e continua a viver a vida de um caloiro universitário: acorda tarde, tem de ir correr para todo o lado de forma a compensar o atraso, acaba por lá chegar primeiro, e depois descobre que não há aula nenhuma, e que tudo não passou de uma praxe – que consiste em obrigá-lo a fazer combinações com Schelotto.

Bryan Ruiz

Bem na distribuição lenta, tanto a esclarecer barafundas com toques de lucidez como a rasgar linhas pelo meio com passes verticais, a engenhosa alternativa ao transporte de bola que improvisou para não ter de se esfalfar a imitar Adrien com maratonas sucessivas. De certa maneira, é uma pena ter feito dois jogos tão razoáveis nesta posição. Não sei porquê, mas há aqui algo que entristece.

Matheus Pereira

Tem um excelente primeiro toque, que não é só uma função da técnica, mas também do futuro a curto prazo que já visualizou na sua cabeça. Apesar de parecer um jogador de cavalgadas, é mais um jogador de reacções instantâneas, daquelas que decorrem da colisão de um gesto com uma substância material, da perfeição frágil de um esforço retido no seu apogeu, no micro-segundo em que as condições para o sucesso já existem, mas o fracasso ainda é uma hipótese estatística. Ou por outras palavras: bom jogo! (Preciso imenso de descansar.)

Alan Ruiz

Depois da vitória em Austerlitz, Napoleão mandou a artilharia bombardear os rios gelados para que as tropas russas e austríacas se afogassem durante a retirada. Pode discutir-se a pertinência deste facto para a exibição de Alan Ruiz? Pode, com toda a legitimidade. Mas o certo é que Alan Ruiz viu grande parte das suas iniciativas canceladas pelos jovens sociólogos do Funchal, num gravíssimo ataque à liberdade de expressão.

Bas Dost

É nesta altura, de forma tão prosaicamente humilde, mas ao mesmo tempo tão óbvia, o jogador em melhor forma da equipa, que se dá ao luxo de tirar folgas prolongadas da grande área e vir atrás para fazer as melhores receções e passes do jogo inteiro. Nem sempre os seus projetos são bem sucedidos, em parte porque é obrigado muitas vezes a interagir com os colegas através do método socrático: “Não concordas, jovem Teodorus, que devias ter corrido para ali, e não para aqui?” “Decerto tens razão, Dost” (etcetera). Proponho que, daqui em diante, a cerimónia de entrega dos Prémios Stromp inclua anualmente o envio de um bouquet de rosas para a Baixa Saxónia.

Podence, Bruno César e Palhinha

2017 e ainda há estabelecimentos comerciais que vendem Super Bock, mas não Sagres.

#Parágrafo_tragicamente_não_patrocinado