Tribuna Expresso

Perfil

Rogério Casanova

Imaginem uma mosca a desenhar as suas parábolas contra uma parede branca. E, agora, imaginem Schelotto (por Rogério Casanova)

O autor deste espaço quasi semanal continua a sua cruzada de amor-ódio com os laterais do Sporting. À espera de próximos episódios

Rogério Casanova

MIGUEL RIOPA

Partilhar

Rui Patrício
Imbatível, mais uma vez, a efectuar os gestos necessários para recuperar a bola do fundo das redes e devolvê-la ao centro do terreno. Insuperável, como sempre, no esporádico resgate aéreo de bolas inofensivas. Inactivo, como é habitual, durante grande parte do jogo. Isento, para não variar, de quaisquer culpas em ambos os golos sofridos. Imutável - demonstravelmente imutável - este estado de coisas (e de parágrafos), pelo menos a curto prazo.

Schelotto
É um cenário muito comum na época estival. Imaginem uma mosca a desenhar as suas parábolas contra uma parede branca. Procuramos acertar-lhe furtivamente com um exemplar enrolado da Dica da Semana; falhamos; voltamos a tentar; a mosca elude quatro ou cinco ataques; a nossa exasperação aumenta - e a violência das tentativas também, até ao ponto em que a Dica da Semana já retém poucas das propriedades essenciais de um objecto sólido, ao contrário da mosca, cujos ziguezagues erráticos são agora ainda mais enérgicos. À medida que este ciclo progride, a mosca terá consciência de participar num "ciclo"? Será capaz de monitorizar o comportamento repetitivo do agressor? De sentir a ameaça de uma conspiração organizada contra os seus melhores interesses? De formular e/ou assimilar conceitos como "potência hostil" ou "ataque concertado"? Mudando de assunto: Schelotto fez a assistência para o golo da vitória.

Coates
Os centrais, como os agentes da autoridade em filmes policiais, avaliam-se enquanto duplas e não isoladamente. Coates é claramente um protagonista, e o ideal seria ter um sidekick fiável e discreto, que se contentasse em ter as provas já todas recolhidas num saquinho de plástico quando ele chega à cena do crime, ainda despenteado e com o hálito a cheirar a whisky - razão pela qual sentimos intuitivamente que Paulo Oliveira é um melhor parceiro do que esse Mel Gibson em Arma Mortífera chamado Ruben Semedo. Hoje, no entanto, Coates foi forçado a cumprir várias tarefas administrativas sozinho, quase sempre bem, mas by the book - e sem tempo livre para avarias extra-curriculares.

Paulo Oliveira
A característica mais notável nos cortes ou desarmes de Coates é que os adversários parecem ir direitos a ele. O mesmo nunca acontece com Paulo Oliveira: cada desarme é uma transpiradíssimia espargata em carrinho, a decepar folhas de relva à sua frente, até a bomba ser desactivada no último segundo. É um jogador cuja competência floresce em esforço. E é também um jogador demonstravelmente sem sorte nenhuma. Não é o único, e até é possível fazer boas carreiras internacionais com este problema. Jamie Carragher, por exemplo, era um jogador com pouca sorte, e teve uma carreira digna. Foi-se safando, Jamie Carragher. Pode ser que Paulo Oliveira tenha a mesma sorte, dentro do azar que o acompanhará para sempre.

Zeegelaar
É forte, é ágil, tem poder atlético, é veloz, joga razoavelmente com os dois pés. Esteve geralmente bem a controlar a profundidade na defesa. Fez pelo menos dois cortes importantes. No lance do golo, ganhou a bola sozinho, na persistência, a dois adversários, progrediu uns metros e fez um cruzamento tecnicamente perfeito para Dost. Deve, em suma, ser dispensado o mais depressa possível, de preferência ainda esta semana.

William Carvalho
Fernando Pessoa (bom começo de texto, muito promissor; vamos ver o que nos guarda o resto do parágrafo), Fernando Pessoa, dizia, definiu a sátira como a capacidade para traduzir um objecto, sem erro de tradução, para algo que, mantendo as propriedades intactas, é inferior a si próprio. O audacioso projecto estético de William Carvalho na primeira parte do jogo de hoje foi isto: mimetizar acrobaticamente a incompetência em tarefas especializadas - como Chaplin (bom parêntesis, este, muito pertinente) - apresentando-nos uma versão atenuada de faculdades ainda assim reconhecíveis como as suas. Veja-se por exemplo, a maneira como substituiu os seus rodopios episcopais pelos gestos típicos de quem ficou com a bengala presa entre duas pedras da calçada! Ou a maneira versátil como divulgou passes longos na primeira parte: alguns foram parar a adversários; outros a colegas, mas em posição de fora-de-jogo; outros ainda à linha lateral, ou à bandeirola de canto. Na segunda parte sentiu a exaustão própria dos projectos avant-garde e jogou melhor; mas a obra fica, para sempre.

Gelson Martins
Criou praticamente todos os desequilíbrios da equipa: ganhou as costas à defesa do Braga inúmeras vezes, sofreu o penalty, obrigou Schelotto a cruzar bem no lance do golo decisivo e mostrou, no geral, uma indisfarçável incapacidade para esgotar a pilha, como uma daquelas sondas da NASA cujo prazo de validade devia expirar a seguir a Júpiter, mas que por motivos misteriosos continuam a funcionar até à Cintura de Kuiper, já depois de o programa ter sido encerrado, transmitindo informação específica sobre a percentagem de metano e amónio nos tornozelos de laterais-esquerdos distantes.

Adrien
A energia e a vontade estão lá (a espaços); o esclarecimento em alta rotação é que só aparece de vez em quando. Por muito que nos custe (e em grande parte pela sucessão de lesões), foi o principal impulsionador do processo de gentrificação ocorrido no meio-campo do Sporting: o bairro tradicional da época anterior é agora uma realidade com dinâmicas sociais tão alteradas que qualquer turista se sente mais confortável que os antigos moradores. De jogos em que Adrien parecia liderar a orquestra na Cavalgada das Valquíria, passámos a vê-lo sozinho em casa a martelar num xilofone. Não é que tenha feito um jogo péssimo (como fez há duas semanas); é só que, para isto funcionar, precisamos dele a um nível sobrenatural.

Bruno César
Foi o marcador de cantos de serviço - o que nos primeiros 45 minutos foi um emprego a tempo inteiro. Conseguiu marcá-los todos bem e ao mesmo tempo não criar qualquer perigo com nenhum, no fundo um bom resumo da sua exibição. Numa época em que a sua versatilidade competente foi testada até aos limites do absurdo, não seria má ideia enviá-lo uns tempos para o Luso.

Alan Ruiz
Não entrou bem; falhou os primeiros passes longos que tentou e perdeu uma bola perigosa no meio-campo aos 12 minutos. Pouco depois, encontrou pela primeira vez o espaço necessário para armar um remate (um processo que lhe exige sempre um colossal esforço administrativo), mas saiu ao lado. Não chegou à meia-hora, e a maneira como se agarrou ao joelho indica que teremos de aguardar várias meias-horas até o voltarmos a ver.

Bas Dost
Cumprida a formalidade de enviar uma remessa de mais dez milhões de euros ao Wolfsburgo (com um pedido de desculpas por termos pago tão pouco no verão passado), creio ser altura de reservar parte do orçamento do próximo defeso para contratar um artista plástico e fazer uma escultura: Bas Dost, sozinho na área, à excepção do ramalhete de jogadores adversários pendurados no seu dorso como decorações natalícias, com um olho a supervisionar a trajectória da bola na direcção da baliza, e o outro já à procura de um colega para abraçar. (Ou, como aconteceu hoje com Schelotto, ignorar - de forma a preservar o bom nome do futebol).

Podence
Entrou aos 27 minutos, e ganhou um penalty aos 29. Com repentismo e vivacidade para corrigir quase sempre os lances que não resultam à primeira, é daqueles jogadores (um pouco como Adrien, curiosamente) cuja lucidez opera melhor quanto maiores forem as contrariedades circunstanciais. Em zonas centrais, ganhou várias vezes o espaço necessário (numa fracção do tempo de Alan Ruiz) para rematar de longe (com uma fracção da potência de Alan Ruiz). Merece a titularidade no resto da época, até para podermos confirmar uma série de coisas.

Bryan Ruiz
De todos os futebolistas na pré-reforma a jogar regularmente numa liga do Médio Oriente, é claramente o que mais minutos continua a acumular nos relvados europeus.

Jefferson
Entrou para impedir que Zeegelaar continuasse a fazer o seu competentíssimo jogo e visse um competentíssimo segundo amarelo.

Partilhar