Tribuna Expresso

Perfil

Rogério Casanova

Coates olhou diretamente para o sol durante o eclipse de 2.ª feira e Rogério Casanova espera que os efeitos sejam temporários

Rogério Casanova reparou ainda que Piccini foi nomeado responsável pela maxipereiração de lançamentos laterais para dentro da área adversária e viu Rui Patrício reagir como uma personagem de um mau romance ao colapso nervoso em câmara lenta de Coates. Como? A arregalar os olhos de espanto, a franzir uma sobrancelha intrigada, a suspirar resignadamente

Rogério Casanova

ROBERT GHEMENT/EPA

Partilhar

Rui Patrício

Depois de 360 minutos descansadíssimos, o espectáculo insólito de que foi hoje espectador na primeira fila - o colapso nervoso em câmara lenta de Coates - despromoveu-o temporariamente a uma condição fictícia, com todos os ajustamentos e reorganizações que isso implica. Foi possível, por exemplo, vê-lo a fazer o tipo de coisas que só é feito por personagens de maus romances: arregalar os olhos de espanto, franzir uma sobrancelha intrigada, suspirar resignadamente, etc. O facto de ter sofrido um golo no qual não teve quaisquer culpas conseguiu por fim restaurar alguma normalidade, e torná-lo humano outra vez.

Piccini

Nomeado responsável pela maxipereiração de lançamentos laterais para dentro da área adversária, tem-se dedicado com brio à tarefa, colhendo hoje os primeiros frutos no lance do primeiro golo. Acumulou mais uma mão-cheia de iniciativas ofensivas "interessantes" ao seu currículo, correndo um bocadinho mais devagar do que Schelotto, e escolhendo um bocadinho melhor os sítios para onde corre. Interessante é igualmente o seu hábito de fazer um atraso mal medido por jogo. Hoje tem a desculpa de a bola parecer ter prendido num relvado demasiado seco. É possível que não tivesse acontecido caso o relvado fosse regado à mangueirada antes de o jogo começar. E é possível que não volte a acontecer caso a cabeça de Piccini seja regada com os perdigotos de Jesus depois de o jogo terminar.

Coates

Apesar de todos os alertas de segurança difundidos por toda a parte, houve pelo menos uma pessoa no planeta que olhou directamente para o Sol durante o eclipse de segunda-feira, e passou o jogo inteiro ainda a padecer dos efeitos. Será temporário, em princípio.

Mathieu

Tal como Coates, deixou-se antecipar por Alibec um número de vezes suficiente para levar algumas pessoas a acreditar que o que aconteceu se deve aos méritos de Alibec e não, como previamente explicado, ao eclipse do sol. Ao contrário de Coates, começou a assentar ainda na primeira parte, melhorou na saída de bola, e tratou o esporádico chuveirinho romeno na segunda parte com a condescendência devida.

Fábio Coentrão

Os cuidados com a sua condição física fizeram hipocondríacos de todos nós. Ao mínimo piscar de olhos de Coentrão, centenas de adeptos alarmados suspeitam imediatamente o pior: distrofia muscular, febre hemorrágica, hantavirose, raquitismo, rubéola, diplopia, miomas uterinos ou candidíase vaginal. E no entanto foi um jogador romeno que chocou contra ele no seguimento de um canto a precisar de assistência médica imediata, enquanto Coentrão se levantou de pronto, a piscar os olhos (glaucoma? cataratas? o eclipse?). Na verdade, se alguma coisa representa um risco imediato para a sua saúde, é o posicionamento defensivo dos colegas: a repetirem-se erros colectivos ao seu redor como os da primeira parte, é possível que o homem sofra um torcicolo, de tanto abanar a cabeça. Fez um grande jogo.

Battaglia

É um trinco tão à moda antiga que se julgaria quase uma espécie em vias de extinção, e com uma qualquer campanha de recolha de fundos em curso para o salvar. Aquele estilo de escangalhar as linhas de passe da outra equipa aliado a uma miopia parcial (ou mesmo total) às linhas de passe da sua própria equipa sobrevive no futebol de hoje apenas em diluições contemporâneas e doses homeopáticas. Ou então nessa singular catarata do Niagara chamada Battaglia, que, honra lhe seja feita, ainda não tinha jogado tão mal como jogou hoje. Tentou o remate de meia distância ao minuto 46, avançando até ao espaço entre linhas: a bola acabou em Entrecampos. Acabaria por fechar a contagem, com um remate muito mais preciso, efectuado a três centímetros e meio da linha de golo.

Gelson Martins

Na primeira parte destacou-se acima de tudo pelas intervenções defensivas quase sempre perfeitas, pois passou o tempo quase todo lá na frente a percorrer sozinho espaços desabitados, um braço erguido como se segurasse um candelabro, como um fantasma num castelo evacuado, a perguntar onde se enfiou toda a gente. (É possível que nem tenha dado conta dos vários romenos que fintou, tal a insubstancialidade dos mesmos). Depois do intervalo, decidiu matar o jogo, antes que o jogo me matasse a mim.

Adrien

Fez talvez a exibição mais agradável desde o início de época, portanto como é óbvio saiu lesionado depois de levar uma cotovelada nas costelas. A realidade precisa de novos argumentistas.

Acuña

A sua reputação de nunca desistir de um lance precedeu a sua chegada e tem-se confirmado de jogo para jogo. E hoje deu imenso jeito, este hábito de nunca desistir de um lance à primeira - até porque raramente conseguiu ganhar um lance à primeira. Mas foi frequente ganhar um lance à segunda, desarmando ou atrapalhando adversários atordoados com o sucesso de terem ganho o lance à primeira. Não deixa de ser animador que numa exibição com vários erros de decisão e que nunca passou do razoável tenha sido tão decisivo e tenha estado envolvido em tantos golos. Mas naqueles lances em que tem a bola no pé e encara de frente o defesa contrário, a verdade é que continua a ser pouco impressionante.

Bruno Fernandes

Na retina e na memória de todos ficou e ficará a jogada absolutamente ridícula ao minuto 77, quando arruinou um contra-ataque promissor com uma abertura patética de pé esquerdo, demasiado curta, e portanto fácil e triunfantemente interceptada pelo defesa do Steaua.

Tirando isso não esteve mal.

Doumbia

A surpresa no onze inicial, relegando Dost para o banco e estreando-se assim a titular em Bucareste, cidade que se notabilizou na história recente pela maneira como trata líderes que acumulam más decisões: não com um despedimento por justa causa, mas colocando-os perante um pelotão de fuzilamento e enfiando-lhes 120 balas no corpo. Felizmente para todos marcou um golo à primeira oportunidade, só não marcou outro porque um toque demasiado pesado impediu que se isolasse, e esteve geralmente bem.

Bas Dost

Destacou-se por ser suplente, destacou-se ao entrar na segunda parte, destacou-se na recuperação de bolas no flanco direito, destacou-se em enfiar mais uma batata lá dentro, destacou-se nos afectos, nos abraços, no pegar crianças ao colo. Acabou por ser uma noite normal.

Petrovic

Entrou antes de Bruno César, tem motivos para se sentir optimista em relação ao futuro.

Bruno César

De todas as pessoas chamadas César que continuam a ocupar os cargos que ocupam perante uma reacção quase consensual de incompreensão, Bruno César é talvez o que menos laços de parentesco tem com Carlos César.