Tribuna Expresso

Perfil

Rogério Casanova

Rui Patrício é um neurocirurgião ucraniano que transporta baldes em Almada (e este é Rogério Casanova sobre o Sporting-Portimonense)

O Sporting-Portimonense (2-0) foi tão tranquilo que Rogério Casanova lamento o papel de Rui Patrício: "O guarda-redes campeão europeu que passa noventa minutos a trocar passes ocasionais com os colegas e a tentar evitar a hipotermia"

Rogério Casanova

Carlos Rodrigues/Getty

Partilhar

Rui Patrício

Encaixou o primeiro remate – fraco, rasteiro, à figura – pouco antes do intervalo. Foi o único. E foi mais um jogo em que estar Rui Patrício na baliza ou estar lá um cartaz pintado com as palavras “RUI PATRÍCIO” seria igual. É um caso tão exagerado de excesso de qualificações para a função que normalmente desempenha que a sua carreira nacional quase parece a de um daqueles exilados vocacionais, vítimas de forças macroeconómicas: o astrofísico bielorrusso que lava pratos em Oeiras, o neurocirurgião ucraniano que transporta baldes de massa em Almada – ou o guarda-redes campeão europeu que passa noventa minutos a trocar passes ocasionais com os colegas e a tentar evitar a hipotermia.

Piccini

Ao minuto 29 fez um sprint de três milhões de metros para cancelar um contra-ataque de Nagasaki com um corte por trás. Aos 40, furou para zona interior perto da área do Portimonense e rematou, a centímetros do poste, com o pé que aqui há tempos usava quase exclusivamente para fazer alguns atrasos dúbios para Rui Patrício. Esse foi, já agora, apenas um de vários dribles bem sucedidos que acumulou ao longo da partida. Onde antes via a terra incognita da faixa ofensiva com o olho do explorador intrépido, Piccini vê-a agora com a placidez descontraída do turista que avalia criticamente algumas brochuras promocionais. Aquilo qualquer dia é tudo dele. E ele é nosso – por apenas 3 milhões de euros, como nunca será despropositado recordar.

Coates

Deixou Nagasaki desmarcar-se nas suas costas sem conseguir fechar o ângulo de passe e com isso permitiu ao Portimonense a sua única oportunidade clara de golo. Tirando isso, teve pouco trabalho, pois as circunstâncias do jogo tornaram supérflua a sua magistratura de influência, e Coates hoje preferiu nem sequer procurar em episódicas manifestações de virilidade as compensações dessa despromoção. Por duas ocasiões, adversários procuraram o contacto físico consigo, tentando sacar faltas. Coates limitou-se a abanar a cabeça, com um sorriso bem disposto; mas era visível uma expressão magoada, traída, no seu olhar: “Eu não vos esmigalhei os crânios com as minhas mãos nuas, e é assim que me pagam?”

Mathieu

Logo aos seis minutos levou um duplo baile de Paulinho dentro da área, ficando estatelado no meio do chão, sem que a sua dignidade saísse minimamente beliscada do lance – pois a dignidade, mais do que uma condição, é um processo. Ninguém pode ficar à espera de ter dignidade; é preciso trabalhar, e por vezes agir como se a dispersão da mesma fosse um jogo de soma zero (o que talvez explique o episódio ao minuto 73 quando, com várias outras opções disponíveis, Mathieu decidiu ganhar um lançamento lateral atirando a bola meticulosamente contra o nariz de um adversário). Quanto ao resto: é uma apólice de seguro com pernas, e uma das pechinchas da época.

Fábio Coentrão

Aos 41 minutos recuperou uma bola no choque usando toda a sua clinicamente comprovada saúde, saiu a jogar, combinou com não sei quem, e foi concluir o lance à grande área, onde tentou marcar um golo de cabeça: aos dezassete dias do mês de dezembro de 2017, é este o estado de coisas no que diz respeito a Fábio Coentrão, uma pré-anunciada lesão ambulante que teima em não se materializar.

William Carvalho

Melhor jogo das últimas semanas – o facto de ter ocorrido durante os melhores primeiros 45 minutos da equipa em casa esta época não será mera coincidência – e algumas entradas promissoras para a sua futura colecção de gifs. Ao minuto 25, por exemplo, sem uma linha recta acessível para executar o passe que idealizara, teve de improvisar um balão para isolar Podence na linha. Ou o do minuto 47, em que um jogador do Portimonense tentou ingenuamente fintá-lo e pareceu chocar contra um bisonte em contramão. Ou o do minuto 87, em que fez uma vénia para abrir espaço à passagem da bola por trás do seu pescoço de forma a ir imobilizá-la com a canela ao outro lado, só porque sim.

Bruno Fernandes

Abriu as hostilidades ao segundo minuto com um passe longo para Podence que só pecou por partir tacitamente da premissa que Podence podia convertê-lo em golo. Alguns minutos depois, decidiram inverter os papéis e a coisa correu melhor. Deve, no entanto, ter custado imenso a Bruno Fernandes marcar um golo tão perto da baliza, e passou o resto do jogo a tentar rectificar o que certamente acredita ter sido uma fraqueza moral da sua parte. Tentou marcar quase junto à bandeirola de canto. Tentou um pontapé de bicicleta. Durasse o jogo mais tempo e era capaz de tentar um chapéu com a omoplata atrás da linha de meio-campo.

Gelson Martins

Quando combina com Podence à velocidade média de ambos, há três maneiras de a jogada acabar: um lance de perigo; uma falta sofrida; ou um erro não forçado cometido por um deles no momento de definição. O que não costuma acontecer é alguém tirar-lhes a bola por mérito próprio. Nesse sentido, Gelson cumpriu hoje uma noite de desequilíbrios democráticos, que acabaram por afectar toda a gente por igual: colegas, adversários, público, treinador. Mais rápido que toda a gente, por vezes dá ideia de apanhar de surpresa até a realidade material, que não reage às suas ideias com a celeridade necessária para evitar escorregões e derrapagens. Ao minuto 72, conseguiu meter a bola no único sítio possível para não ser golo, truque que viria a repetir ao minuto 85. Conseguir desequilibrar tantas vezes, mesmo quando poucas coisas lhe correm bem, acaba por ser uma medida da sua qualidade intrínseca – e da justificada paciência que por vezes é preciso ter com aqueles últimos passes.

Acuña

Segundo a teoria de que o nível das suas exibições é inversamente proporcional ao seu nível de cansaço – joga melhor quando está exausto – pode concluir-se que hoje acordou fresquinho e cheio de saúde. O índice da sua desinspiração é o lance ao minuto 33, quando tinha vinte metros de espaço vazio à sua frente para correr e optou por fazer um passe longo para o meio, obrigando Podence a receber a bola de costas e rodeado por um exército de terracota. Na segunda parte ainda ensaiou dois sprints pela faixa, mas acabou por ser substituído quando se tornou óbvio que estava insuficientemente fatigado para as coisas melhorarem.

Podence

Primeira jogada de perigo do encontro e tudo aquilo que se pode esperar de Podence: excelente a imaginar a eficácia da desmarcação, excelente a aplicar a velocidade necessária, excelente no primeiro toque (de peito), excelente no segundo toque (com o pé, a preparar o remate)... e depois o remate, que não sendo propriamente horrível, foi aquilo que todos os remates de Podence costumam ser: inofensivos. No que ele é bom – a receber e virar, a sair do meio para as costas dos laterais, a cruzar, ou a desmarcar colegas na vertical – é realmente bom, e com a vantagem adicional de ser realmente bom a 100 à hora. Desde que nunca mais na vida tente rematar à baliza tem uma grande carreira pela frente. Um reparo para a maneira como usou a sua pouco ética escassez de centímetros para agredir a mão de Hackman com o rosto, um gesto muito feio que escapou à alçada disciplinar do árbitro.

Bas Dost

Depois de um remate à figura, de um cabeceamento ao lado, e da jogada em cima do intervalo em que um defesa lhe evitou um golo em cima da linha, a grande dúvida para a segunda parte era saber que parte do estádio iria Dost pontapear com raiva quando marcasse o inevitável golo. A bandeirola de canto? Um pedaço solto de relva? Um painel publicitário? Um poste da baliza? A solução de compromisso foi uma explosão de vernáculo que cada vez tem mais condições para ser bilingue.

Bruno César

Ganhou uma falta ao minuto 71, através da aplicação das suas reconhecidas habilitações ao nível do drible curto e da mudança de velocidade na óptica do utilizador.

Battaglia

Entrou para precaver a hipótese perturbante de a equipa marcar o 3-0 e ser portanto necessário defender desesperadamente esse perigoso resultado nos últimos minutos, uma situação que os colegas acabaram por evitar sozinhos.

Bryan Ruiz

Um dos poucos jogadores esta noite a não falhar uma oportunidade de golo.

  • O Natal é verde

    Sporting

    O Sporting recebeu e derrotou o Portimonense, por 2-0, e termina 2017, no que diz respeito à Liga NOS, de forma vitoriosa... antes do clássico Benfica-Sporting, marcado para 3 de janeiro de 2018