Tribuna Expresso

Perfil

Rogério Casanova

Rogério Casanova passou uma noite ordeira e pacata de contemplação deste clube desportivo extremamente normal que é o Sporting

O Sporting venceu o Paços de Ferreira (2-0), numa semana de tensão em Alvalade, mas Rogério Casanova esteve ocupado com outras coisas da vida: "O importante é aproveitar cada momento: admirar o canto das aves, desfrutar a brisa que sacode a folhagem, passar tempo junto das nossas famílias"

Rogério Casanova

MIGUEL A. LOPES

Partilhar

Rui Patrício

Fez hoje o jogo número 459 ao serviço deste clube desportivo extremamente normal que é o Sporting, e correspondeu com uma exibição extremamente normal, com destaque para a normalíssima forma como desviou com os punhos uma bola para canto ao décimo minuto normal de uma noite normal, e para a normalíssima segurança que revelou ao agarrar um remate de livre direto, também ele bastante normal.

Ristovski

Foi vítima de uma entrada faltosa ao minuto 36, cometida pelo seu colega de profissão Luiz Phellype – e haverá melhor maneira que esta de escrever “Luis Filipe”? Com este número absolutamente normal de vogais e consoantes, por sua vez dispostos numa sequência tão harmoniosa? Foi apenas mais um pormenor a contribuir para que a noite procedesse de forma ordeira.

Coates

Assumiu uma postura contemplativa sem deixar de dedicar a atenção necessária – porém serena – às tarefas defensivas. Na segunda parte subiu à área adversária e rematou contra a maçã de Adão de Mário Felgueiras. Não o fez por maldade; não quis magoar ninguém. Mas o momento mostrou quão próximo todos estamos da tragédia e da perdição, que pode surgir a qualquer instante. O importante é aproveitar cada momento: admirar o canto das aves, desfrutar a brisa que sacode a folhagem, passar tempo junto das nossas famílias.

Mathieu

Uma atuação de enorme temperança e tranquilidade, só ao alcance de quem sente o conforto absoluto conferido pelo conhecimento de que nada está a implodir catastroficamente ao seu redor.

Acuña

Ao minuto 59, depois de derrubado por Xavier quando tentava iniciar o seu percurso independente a caminho dos objetivos que havia definido, reagiu com moderação, limitando-se a propor uma franca e aberta troca de opiniões com o seu interlocutor. Cinco minutos mais tarde, provando a máxima universal de que não existe ação sem reacção, foi ele a interromper a caminhada de Xavier, vendo por isso um cartão de cor amarela - como um girassol numa vereda iluminada - ao qual reagiu de forma introspetiva.

Battaglia

Considerem o bambu: é forte, mas flexível; curva, mas não quebra; sente-se confortável na sua solidão vegetal, mas torna-se ainda mais poderoso quando agregado num feixe; está comprometido com o crescimento contínuo; e pode ser usado para bater em pessoas, o que é, saliente-se, negativo, pois aleija. Em suma: esteve bem, Battaglia fez um belo jogo, contribuindo assim para um fim de semana sossegado.

Wendel

Estreia a titular, alguns meses depois de ter chegado, comprovando a velha máxima Zen conhecida por Kounryusui: as nuvens movem-se, a água flui. Pois as nuvens e a água nunca ficam no mesmo lugar: movem-se, mesmo perante obstáculos; assumem qualquer forma necessária e fluem aos ritmos da Natureza. Substituído ao minuto 66, de forma extremamente holística e profunda.

Gelson Martins

Exibição bastante conseguida, com envolvimento direto no segundo golo – é ele quem faz a recuperação ofensiva que inicia a jogada e é ele quem assiste Ruiz – e com mais um punhado de intervenções repletas de serenidade, quietude, concórdia e equilíbrio, todas elas configurando uma situação que, como um prisma catadrióptico, reflecte e refracta em simultâneo a luz da harmonia por todos os patamares da instituição que representa.

Bruno Fernandes

Entre o Yin e o Yang, sentiu algumas dificuldades em calibrar a medida certa dos seus passes, com livres indiretos a pingarem pela linha de fundo e tentativas de soltar os laterais nos corredores a saírem demasiado curtas. Mas quando foi necessário, soube encontrar a paz de espírito necessária para ser decisivo, assistindo Dost para o golo inaugural e soltando para Gelson de calcanhar no lance do 2-0.

Bryan Ruiz

Encontrou Bruno Fernandes no sítio certo na jogada do primeiro golo. E marcou o segundo. No intervalo temporal entre essas duas circunstâncias, desapareceu na imensidão verde do relvado, como um condor desaparece entre o azul do céu. Tornou-se Ninguém, um vazio transbordante no âmago das coisas. Mas é desse vazio que todos nascemos pela primeira vez e por vezes só nele é possível reencontrar o caminho da iluminação, ou até mesmo da puta da baliza.

Bas Dost

Tal como Maneesha, a ave que voa através dos céus, não deixa pegadas. Regressou aos golos, com um cabeceamento muitíssimo normal e sereno, impulsionado pelo ambiente de concórdia e moderação que o rodeava.

Lumor

Entrou, jogou, correu um pouco, mas sempre de forma tranquila, para não destoar. Um jogador de louvável serenidade: pacífico, equilibrado, moderado. Muito bem. Está no clube certo.

Montero

Como disse o sábio Osho, a meditação é a capacidade de olhar para o vazio, dar-lhe as boas vindas, desfrutar dele, tornar-se uno com ele, sem desejo de o preencher, porque não existe vazio, porque o vazio já está repleto, o que é um sentimento extremamente, ou seja, como decerto concordarão.

Palhinha

Já nos descontos, e na sequência de um pontapé de canto, com a bola a sobrevoar a área, teve ali uma fracção de segundos em que considerou seriamente a hipótese de tentar um pontapé de bicicleta. Foi talvez a situação mais interessante ocorrida em Portugal durante o dia de hoje, dia que de resto foi bastante pacato.