Tribuna Expresso

Perfil

Ronaldo

É oficial: o melhor estratega digital do planeta é português

780 nomeados de 50 países, um júri de elite composto por 60 elementos, cinco categorias em competição e um português vencedor: Nuno Moura

Partilhar

O Global Brand Digital Director da Nike, Nuno Moura, conquistou o galardão “Leaders under 40 Awards”, na categoria de Digital & Technology, sagrando-se como o melhor líder mundial na indústria do desporto nesta área.

O prémio, atribuído pela consultora Leaders e pela Aspire Academy, foi conhecido na madrugada de ontem. Nuno Moura tem 34 anos, uma paixão pelo desporto desde que se lembra de ser gente, e uma carreira já extensa dedicada o Digital.

Formou-se em Comunicação, chegou a estagiar na SIC Notícias, mas foi pelo mundo do marketing e das marcas que se encantou. Trabalhou para a MTV, passou por algumas das mais reputadas agências na área do digital e liderou a produção de projetos internacionais para marcas como a Coca-Cola, Fiat, Alfa Romeo, Pantene, Head n’Shoulders, Malibu, e outras. Desde 2011 que a NIKE é a sua casa.

Primeiro no Reino Unido e agora em Portland (EUA) onde lidera a nível global o marketing digital da empresa.

Pelo seu crivo passaram campanhas como a do Euro 2016, Olímpicos 2016, Copa América 2016, Mundial 2014, Europeu 2012 - “My Time is Now” e “Nike Chance”, com as quais a sua equipa foi premiada nos Cannes Lions -, entre muitas outras campanhas com nomes como Ronaldo e Nyemar (que dirigiu no spot de lançamento da chuteira Hypervenom).

O mérito do seu trabalho foi agora distinguido a nível global com o galardão “Leaders under 40 Awards”. Quando subiu ao palco para o receber fez questão de salientar que “este não é um prémio de conquistas individuais”. Para o líder de 34 anos, esta distinção não seria possível sem o empenho e dedicação da sua equipa “brilhante” e sem “o esforço coletivo de uma equipa apaixonada pelo que faz, talentosa que trabalha diariamente para servir os atletas”.

Na rede social LinkedIn fez questão de salientar o orgulho de que o prémio venha para Portugal, a sua casa e país ao qual quer regressar para continuar a desenvolver a sua carreira.

Recorde aqui a entrevista que deu à Tribuna Expresso