Tribuna Expresso

Perfil

Seleção

Eder, aquele golo e os franceses: “É complicado para eles e eu percebo”

Avançado admitiu que sofre pressão maior em França após marcar o golo decisivo da Euro 2016

Evandro Furoni

Michael Regan/Getty

Partilhar

Eder entrou para a história do futebol português ao marcar o golo que deu o título europeu para o país em 2016. Se isso fá-lo ser muito querido em casa, não o ajudou muito no trabalho, já que o avançado joga em França, a vítima daquele remate de fora da área na final da Euro 2016.

Eder admite que o golo, aquele golo, fez a sua situação ficar um pouco mais difícil no Lille.

“Na minha primeira época, foi diferente. Não havia o contexto do Euro e este ano tem sido mais complicado. Tem acontecido muita coisa e tenho de focar-me no que tenho de fazer. Dependo de mim para acabar a época em grande”, disse Eder, durante a conferência de imprensa da seleção portuguesa esta terça-feira.

“É complicado para eles e eu percebo, mas não quero estar a bater na mesma tecla. Sei as razões deles e a mim cabe-me estar feliz pelo que aconteceu, já passou, é uma memória espetacular e pronto”, completou o avançado, a falar sobre os adeptos franceses.

O golo de Eder no tempo extra da final do Europeu calou as mais de 75 mil pessoas no estádio Stade de France, e deu a Portugal o primeiro título na história da competição continental. O avançado já era jogador no Lille naquele momento.

Não que o golo tenha diminuído as chances de Eder na equipa. O ponta de lança foi titular em 28 jogos do Lille esta época e marcou seis golos – no seu primeiro ano em França, foram apenas 14 jogos e os mesmos seis golos.

Mas Eder agora está com a seleção portuguesa, e pede o carinho dos adeptos para a equipa superar a Hungria na partida de qualificação para o Mundial de 2018 (sábado, estádio da Luz).

“Somos campeões europeus e é normal que as equipas tendam a adotar estratégias para conseguirem bons resultados. Mas temos imensa qualidade e com o apoio dos adeptos vamos vencer o jogo”, comentou o avançado.

O jogo do próximo sábado é fundamental para as ambições portuguesas de estar no Mundial da Rússia. A equipa de Fernando Santos está na segunda posição do Grupo B, com nove pontos.