Tribuna Expresso

Perfil

Seleção

Um homem de fé: Fernando Santos vai rezar o terço com os jovens do Patriarcado de Lisboa

O resultado frente à Suécia não afetou a fé de Fernando Santos, que no Domingo vai a Odivelas rezar em conjunto com os jovens do Patriarcado de Lisboa

Sónia Santos Costa

Matthias Hangst

Partilhar

A derrota desta terça-feira na Madeira contra os suecos não abalou a crença de Fernando Santos, o treinador assumidamente crente que conduziu Portugal ao título de campeão europeu. No domingo, leva a sua fé até Odivelas para participar na Jornada Diocesana da Juventude, em ocasião da comemoração do centenário das aparições de Fátima, onde vai rezar o terço com os jovens do Patriarcado de Lisboa. Considera esta oração auxiliadora, “de meditação, interiorização e reflexão sobre a vida, uma das mais belas de fazer”.

De momento a preparar-se para a Taça das Confederações — disputada entre os vencedores dos campeonatos de cada continente –, o selecionador nacional estará presente ao lado dos jovens lisboetas para partilhar o seu testemunho de fé. A sua intervenção está marcada para as 11h30, no Jardim da Música.

O treinador escreveu uma carta a Deus, no Verão passado,onde lhe agradeceu por ter “iluminado e guiado” a equipa das quinas pela sua jornada no Euro 2016. Acredita que uma passagem específica da Bíblia foi muito influente no resultado daquela final sofrida contra a França. “Li o Evangelho desse dia e houve uma parte que me saltou à vista. Pensei logo que era assim que ia ganhar o campeonato da Europa. Usei a frase na palestra. Disse-lhes que neste jogo íamos ter de ser simples como as pombas e prudentes como as serpentes. Aquilo pareceu-me a chave exata para o jogo contra a França”.

Fernando Santos tem uma sua relação muito próxima com a fé e a Igreja Católica. “Não vale a pena projetar, porque só Deus sabe o que vai acontecer na nossa vida”, confessa. O treinador tem procurado transportar essa vivência dos valores cristãos para a sua carreira - mesmo dentro do balneário, antes de cada desafio de futebol. “Antes dos jogos, entrego sempre a minha equipa a Ele, ofereço-a, peço-Lhe que nos dê força, concentração, motivação”

A mão de Deus, o pé do Éder, a borboleta do CR7, uma visita de D.Sebastião… A quem mais dar mérito, não se sabe – a verdade é que, em 2016, a vitória foi portuguesa.

Partilhar