Tribuna Expresso

Perfil

Seleção

Bernardo Silva sobre Guardiola, Ederson e a seleção

O novo reforço do Manchester City está concentrado na seleção nacional mas aproveitou para elogiar Pep Guardiola e Ederson

Lusa

Bernardo Silva tem 22 anos e é internacional português

STEPHANE MAHE/GETTY

Partilhar

Bernardo Silva, que protagonizou uma das transferências mais caras de futebolistas portugueses, garantiu estar "muito feliz" com a mudança para o Manchester City, mas assegurou que agora está focado na seleção nacional.

"Estou muito feliz [com a transferência], foi um grande passo na minha carreira. Esta época correu muito bem, fui campeão em França e cheguei às meias-finais da Liga dos Campeões, estou muito contente, mas agora estou com o foco na seleção, também quero ganhar aqui", assegurou.

O internacional português, de 22 anos, admitiu estar muito satisfeito por ir trabalhar com o treinador espanhol Pep Guardiola. "Sempre foi um treinador que me agradou pela forma como as suas equipas jogam e também por isso estou muito feliz por ir para o City", afirmou.

Bernardo Silv assumiu também que ficará "muito contente" se o guarda-redes Ederson, do Benfica, também assinar pelo clube da liga inglesa de futebol. "Se ele vier, fico muito contente, até porque o conheço muito bem. Tive o prazer de partilhar com ele vários momentos na formação do Benfica. É um grande guarda-redes. Se puder jogar com ele na próxima temporada, fico muito contente", admitiu o ex-jogador de Mónaco e Benfica, antes de um treino da seleção portuguesa.

A 26 de maio, Bernardo Silva trocou o Mónaco, ao serviço do qual se sagrou campeão francês, pelo Manchester City, por cerca de 50 milhões de euros, de acordo com a BBC, uma vez que os 'citizens' não revelaram os valores envolvidos na transferência.

Primeiro o Mundial, depois a Taça

Bernardo Silva garantiu que a seleção está focada na qualificação para o Mundial-2018 e que só depois do jogo de apuramento com a Letónia começará a pensar na Taça das Confederações.

"Sabemos que são duas competições diferentes, primeiro vem a qualificação, e é na qualificação para o Mundial que estamos focados, depois logo nos focaremos na Taça das Confederações", disse o internacional português na conferência de imprensa que antecedeu o treino.

"O foco é o jogo com a Letónia", relativo à sexta jornada do grupo B da zona europeia de qualificação para o Mundial-2018, agendado para 9 de junho, em Riga.

Antes desse encontro, Portugal, segundo do grupo, a três pontos da líder Suíça, defronta a seleção de Chipre, num encontro particular agendado para sábado, no Estoril (16h, RTP1).

O internacional português admitiu que depois da derrota com a Suíça (2-0), na primeira jornada do grupo B, a seleção portuguesa ficou "obrigada" a ganhar todos os jogos, para chegar ao encontro com os helvéticos a depender de si própria.

"Depois da derrota com a Suíça ficou claro que temos de ganhar os jogos todos, sabemos que se for assim, chegaremos ao jogo com a Suíça, em casa e com os nossos adeptos, a depender só de nós para ganharmos o grupo", disse.

Bernardo Silva, que falhou o Euro-2016 devido a lesão, garantiu que não sente qualquer pressão adicional pelo facto de a Taça das Confederações, que se disputa de 17 de junho a 2 de julho, ser a sua primeira grande competição ao serviço da seleção principal. "Vai ser a primeira grande competição na qual vou participar, mas não sinto pressão adicional, vou continuar a fazer o que tenho feito desde que cheguei: trabalhar", garantiu.

O extremo admitiu que a seleção campeã europeia não encontrará facilidades na Taça das Confederações: "Não temos um grupo fácil. A Rússia joga em casa, e o México e a Nova Zelândia são fortes, vamos dar o nosso melhor para ganhar".

Partilhar