Tribuna Expresso

Perfil

Seleção

“Sabem o vídeo em que os jogadores estão a jogar à bola de cabeça e depois o Cigano mete a bola no balde? É uma família. Indestrutível”

Um ano e um dia depois da conquista do Campeonato da Europa, Fernando Santos falou de Paris, de Marcoussis, do antes, do depois, do que sentiu naquele dia, da família que criou na Seleção Nacional. E chegou a emocionar-se, porque um treinador também é um adepto e a paixão é um direito de todos

Lídia Paralta Gomes

Laurence Griffiths/Getty

Partilhar

Querem saber o que é a Seleção Nacional de Fernando Santos? Ele explica.

“Lembram-se daquela Gala da FPF?”. Sim, lembramo-nos, foi em março, já uns bons meses após a final de Paris. “Quando foi a gala no casino já há muito tempo que não nos víamos. Pensávamos que ia ser uma chatice, os jogadores não querem nada ir a essas coisas, estar ali, naquelas secas. E eu achava, aliás, fiz esse comentário, ‘vamos lá ver se eles aparecem todos’. E uma hora antes da gala começar, eles estavam todos no hotel, todos a abraçarem-se e todos muito contentes de estarem ali”.

Fernando Santos fala dos jogadores como quem fala dos filhos.

Passa exatamente um ano e um dia daquela final em Paris. São 366 dias entre o pontapé de Eder e este momento, em que nos sentamos numa sala da Cidade do Futebol com Fernando Santos para falar do Euro’2016. E daquilo que se seguiu. Alguns dos jornalistas que cá estão, estiveram também em Marcoussis. Outros não. Mas todos sabem que o que se passou ali foi especial. E que todos os jogadores são especiais para o Selecionador Nacional.

“Quero para eles o melhor, como quero para os meus filhos. É exatamente isso, quero para eles o que quero para os meus filhos: o maior sucesso nas suas carreiras e vida pessoal”. Fernando Santos diz-nos isto quando falamos de Eder, o herói de Paris, que passa por momentos de grande indefinição na carreira. “Tendo um jogador na situação do Eder, isso deixa-me triste e espero que rapidamente mude e terei essa conversa com ele. Tenho uma relação muito pessoal com os jogadores, muito próxima como vocês sabem. Quando eles não estão no seu melhor - e não é só o Eder, há outros que estiveram no Campeonato da Europa e a época não lhes correu de feição - obviamente por si só essa parte humana toca-me muito, emocionamente, toca-me”.

Porque uma coisa é ter espírito, outra é ser uma família. E a Seleção de Fernando Santos tornou-se uma família, mesmo antes de Marcoussis, depois de Marcoussis, na Rússia, em qualquer jogo. E é uma família independentemente de quem jogue.

Fernando Santos explica-nos esse conceito de família com outra história. “Sabem aquele vídeo em que os jogadores estão na Rússia a jogar à bola de cabeça e depois o Cigano [Quaresma] mete a bola no balde? Se repararem quem lá está é gente que esteve no Euro e gente que não esteve. Estão lá todos, todos misturados. Esta família mantém-se. Ela é indestrutível”.

Indestrutível é uma palavra forte. É um trabalho de todos, mas Fernando Santos diz que é uma espécie de mentor. “Agora não posso estar aqui a ser tão humilde que parece que não tenho nada a ver com isto. Isso não é verdade”. E ri-se.

Ian Walton/Getty

Volta a Marcoussis, dá-nos mais uma aula de como criar uma família. Regras? Sim, ma non troppo. “Quando chegámos ao estágio marquei logo isso com os jogadores. Independentemente do que acontecesse, havia algo que sempre íamos ter: um momento para a família, para eles próprios. Isso era fundamental para manter aquela equipa coesa e a gostar de estar ali durante 50 dias. Liberdade dentro da responsabilidade. Foi fundamental”, conta-nos.

Liderança bicéfala? Aguentem os cavalos

Um dos jornalistas questiona a liderança na Seleção. Divide-se entre Fernando Santos e Cristiano Ronaldo? Sim, mas alto aí. “Tem duas lideranças, mas há uma hierarquia nas lideranças. É preciso pôr um pontozinho nisso. A liderança sou eu, mas o Cristiano, enquanto capitão de equipa, tem um papel fortíssimo nesta união”.

E então, Fernando Santos fala longamente de Ronaldo. Foi assim, na íntegra:

“A liderança do Ronaldo é, mais do que pelas palavras, pela sua forma de estar, pela sua atitude e por aquilo que tem feito sempre. E tem estado sempre disponível para servir a equipa nacional. Muitos destes miúdos colecionaram cromos do Cristiano Ronaldo, não é? Quando o Cristiano Ronaldo apareceu, em 2003, alguns deles tinham 7 ou 8 anos. Estamos a falar de gente muito nova e que se habituou a ver no Cristiano um ídolo. E que hoje jogam com o Cristiano e que muitas vezes ouvem que o Cristiano é inacessível, que é um craque, que essas coisas todas e depois percebem quando chegam que está ali uma pessoa completamente diferente, um colega, alguém que está sempre disponível para estar com eles, para os apoiar, para entrar nas brincadeiras. E que depois mostrou uma disponibilidade incrível não só no Campeonato da Europa mas também nos outros jogos. Só por isso marcas imediatamente a liderança. É perfeitamente normal que isso aconteça e não colide em nada com aquilo que é a liderança natural do treinador".

O regresso de Paris marcado… em 2014

Há frases que ficarão para sempre no nosso imaginário. Se o cinema nos deu o “We’ll always have Paris” do Casablanca, o futebol ofereceu-nos o “Já disse à minha família: só volto dia 11 para Portugal. Vou lá e vou ser recebido em festa” de Fernando Santos.

Mas Fernando Santos não o disse pela primeira vez em 2016. “Disse-o no primeiro dia que falei com os jogadores, disse-lhes que o objetivo era chegar a Saint Dennis e ganhar e para isso o primeiro objetivo era vencer o grupo. E depois fui dizendo ao longo do tempo. Disse-o em Marcoussis: lembro-me perfeitamente de me perguntarem lá até quando estava marcado o centro de estágio e eu disse que até dia 11. Disse ao Presidente da República que com a França só íamos jogar na final. Limitei-me a dizer aquilo que pensava. Sempre acreditei e não sou nenhum adivinho. Acreditei porque sentia que aquela equipa tinha capacidade para lutar para vencer a prova”.

Um treinador que é adepto e que ainda chora

Perguntamos a Fernando Santos se, no momento em que Eder pegou na bola, disse “chuta” ou “aguenta”. Ou seja, se foi adepto ou selecionador.

“Às vezes no banco nesses momentos dos jogos sou muito mais adepto do que treinador. Aliás, lembro-me de um episódio, sofri até uma série de críticas na altura, acho que foi num Portugal-Alemanha, na Suíça [Euro’2008], nos quartos-de-final, eu estava a fazer os comentários para a televisão e Portugal estava a perder 3-2. Eu nos últimos minutos deixei de comentar. Acho que só dizia “chuta” e “passa” e não sei quê e não sei que mais. E a seguir tive uma série de críticas porque não fiz de comentador. Claro que não fiz de comentador, eu queria era que a bola entrasse, quero lá saber do que estava acontecer!”, recorda.

Foto Carl Recine/Reuters

O treinador também um adepto, claro. “Nós enquanto treinadores temos de estar atentos ao jogo, mas nestes momentos obviamente que a nossa vontade é gritar ‘chuta’. É muito giro. Antes do Eder entrar eu estava a tentar explicar-lhe o que é que ele devia fazer tecnicamente e ele na realidade não me ouvia. Só me dizia ‘Oh mister, esteja descansado que eu vou marcar, esteja descansado que eu vou marcar, esteja descansado que eu vou marcar’. Às páginas tantas eu só lhe disse ‘Epá, então entra e marca lá o golo!’”. E ele obedeceu.

Já no finalzinho, o selecionador nacional fala do tal momento de viragem, aquele em que sabemos que somos apenas terceiros no grupo (pensaram provavelmente os jogadores) mas que, por outro lado, temos o caminho aberto até à final (sabia já Fernando Santos).

“Um momento forte. A seguir ao jogo com a Hungria, quando eu chego ao balneário e vejo um balneário triste e eu não percebi nada, tive de juntar todos os jogadores e perguntar o que se estava a passar porque esse nao podia ser o sentimento. Nós queríamos ter ganho os três primeiros jogos, isso é outra coisa, mas tínhamos o caminho aberto para sermos campeões da Europa. Foi um momento muito marcante e acho que foi também para os jogadores, cada um desses jogos a partir daí sao marcantes, quando ganhas à Croácia, os penáltis e obviamente depois o golo do Eder que nunca mais vamos esquecer”.

Nesse momento, com a taça de campeões da Europa atrás de si, Fernando Santos dirige o olhar para os ecrãs gigantes que passam em loop os momentos da vitória na final de Paris. E a festa. “E também não vou esquecer aquilo que eu estou agora a ver ali, que é nós agarrados à taça e vocês todos a gritar… ainda hoje me dá vontade de chorar”.

E quase que chora, mesmo.

Partilhar