Tribuna Expresso

Perfil

Seleção

Truz-truz! Quem é? As surpresas de Fernando Santos

Portugal retoma na próxima semana a qualificação para o Mundial-2018 e, esta quinta-feira, esperava-se uma convocatória mais ou menos habitual por parte de Fernando Santos. Mas o engenheiro do Euro decidiu surpreender e apresentar sete novidades em relação à Taça das Confederações

Mariana Cabral

Nélson Oliveira já marcou três golos nos quatro jogos que cumpriu esta época ao serviço do Norwich City, equipa da 2ª divisão inglesa - o que valeu o regresso à seleção, para onde não era convocado desde 2015

Foto Paul Childs/Reuters

Partilhar

Vamos pôr as coisas nestes termos: se temos um avançado que fez três golos em quatro jogos, essa média é positiva, certo? Se temos um extremo desequilibrador que foi contratado pelo 2º classificado da Bundesliga, esse tipo tem de ter qualidade, certo? E se temos um guarda-redes que defende a baliza do campeão português e ainda não sofreu golos, esse miúdo tem valor, certo?

Deverá ter sido mais ou menos isto que Fernando Santos pensou quando anunciou, esta tarde, na Cidade do Futebol, que Nélson Oliveira, Bruma e Bruno Varela, respetivamente, estão entre os 24 convocados para a dupla jornada de qualificação para o Mundial-2018, a disputar na próxima semana, perante as Ilhas Faroé (a 31 de agosto, às 19h45, no Estádio do Bessa, no Porto) e a Hungria (a 3 de setembro, às 19h45, no Groupama Aréna, em Budapeste).

Ou melhor, eles bateram à porta de Fernando Santos... e ele abriu. “Há jogadores que estão a bater à porta e quando se bate à porta um dia acaba por se entrar. O Varela já bateu à porta várias vezes e já entrou, e a porta também já se fechou, porque é uma porta que não tem chave, é de acordo com as nossas opções”, explicou o selecionador, referindo-se também aos jovens Bruno Fernandes (Sporting) e Ricardo Pereira (FC Porto), internacionais sub-21 que atravessam um excelente momento nos clubes que representam, mas não foram chamados.

OS 24 CONVOCADOS

Guarda-redes: Rui Patrício (Sporting), Beto (Göztepe) e Bruno Varela (Benfica);
Defesas: Cédric Soares (Southampton), João Cancelo (Inter de Milão), Pepe (Besiktas), Bruno Alves (Glasgow Rangers), José Fonte (West Ham), Eliseu (Benfica) e Fábio Coentrão (Sporting);
Médios: William Carvalho (Sporting), Danilo Pereira (FC Porto), João Moutinho (AS Monaco), Adrien Silva (Sporting), André Gomes (Barcelona), João Mário (Inter de Milão) e Pizzi (Benfica);
Avançados: Bernardo Silva (Manchester City), Ricardo Quaresma (Besiktas), Gelson Martins (Sporting), Bruma (RB Leipzig), Cristiano Ronaldo (Real Madrid), André Silva (AC Milan) e Nélson Oliveira (Norwich).

Quem também foi chamado - mas aí já sem grande grau de surpresa, ainda que seja um regresso depois de uma longa ausência - foi Fábio Coentrão, que o selecionador entende estar em perfeitas condições, depois de ter passado por alguns problemas físicos que o afastaram da seleção, há quase dois anos (não joga por Portugal desde 8 de outubro de 2015) . “Não percebo qual é a questão. Tem jogado os jogos todos [no Sporting], jogou três jogos seguidos. Acho que isso prova claramente como está. É um jogador experiente que sempre fez parte desta equipa e sabe o que nós queremos em termos de padrão de jogo”, explicou.

É que, apesar das novidades - João Cancelo e João Mário, que não tinham estado na Taça das Confederações, também foram convocados agora -, o engenheiro quis manter a “coesão fortíssima do grupo”, porque não há tempo para grandes invenções, justifica: “Vamos ter um treino, na terça-feira, de resto não temos tempo para treinar porque jogamos quinta e domingo. Quarta viajamos para o norte e depois do jogo de quinta viajamos para a Hungria”.

Ainda assim, alguns do que estiveram na Taça das Confederações agora ficam em casa: José Sá, Luís Neto, Guerreiro (lesionado), Semedo e Nani. “O Nani não treinava e é uma troca direta. O Semedo não está apto para o primeiro jogo por castigo e não fazia muito sentido convocá-lo só para um jogo”, explicou Fernando Santos, que, ainda assim, convocou William Carvalho, que tem estado lesionado e só cumpriu um jogo pelo Sporting. “Acredito que ele está bem, mas é claro que não tenho essa segurança total. Mas é por isso que tenho 24 jogadores”, acrescentou.

Cristiano Ronaldo é o melhor marcador da zona europeia de qualificação, com 11 golos, os mesmos do polaco Robert Lewandowski

Cristiano Ronaldo é o melhor marcador da zona europeia de qualificação, com 11 golos, os mesmos do polaco Robert Lewandowski

Foto Maxim Shemetov/Reuters

Quem não tira o sono ao selecionador é Cristiano Ronaldo, que irá ficar afastado dos próximos jogos do Real Madrid, por castigo (empurrou um árbitro e foi suspenso por cinco jogos), mas Cristiano... é Cristiano. “Nunca me preocupa - só se fosse um problema físico, como teve há um ano. De resto, conhecemos bem o Cristiano e a sua mentalidade. Mesmo não jogando está sempre na sua plenitude porque tem essa ambição”, disse, aproveitando também para defender o capitão. “Foi um castigo muito injusto, porque o que dá origem à situação é um cartão amarelo que não tem nenhum sentido. Houve um erro que fez com que as coisas se projetassem como se projetaram. Ainda ontem, contra a Fiorentina [amigável em que o Real Madrid venceu 2-1, com um grande golo de Ronaldo], provou que está mais do que apto e que vai dar a sua resposta em campo, como sempre”.

É em campo que Portugal vai ter de continuar a perseguir a Suíça, líder do grupo B de qualificação, com 18 pontos em seis jogos - mais três do que a seleção lusa -, quando ainda faltam quatro jornadas por disputar. “Não são só estes dois jogos que são importantes, são quatro jogos muito importantes. São fundamentais para a seleção para estarmos no Mundial através de apuramento direto, que é algo muito vantajoso. Não interessa rigorosamente nada o passado, temos de provar o nosso valor em campo”, explicou.

“As Ilhas Faroé serão sempre um adversário de respeito. Obviamente Portugal é melhor, isso é evidente, mas os favoritismos têm de se mostrar em campo. A Hungria será mais difícil porque jogamos fora, mas o grau de dificuldade somos nós que o criamos a nós próprios”.

Ou seja, podemos ficar descansados, porque o engenheiro do Euro está (outra vez) com fezada. “Não acredito nada que a Suíça vá perder pontos, não tenho dúvidas em relação a isso. Só irá perder pontos contra Portugal, porque Portugal também não irá perder pontos até lá”. Se o engenheiro diz, é melhor acreditarmos.

Partilhar