Tribuna Expresso

Perfil

Seleções

Houve videoárbitro a estragar a festa, mas a vitória não fugiu ao Chile

Campeões sul-americanos ganharam aos Camarões por 2-0, num jogo onde a nova tecnologia esteve novamente em foco - e decidiu... por milímetros

Tiago Oliveira

Vidal reclama com o árbitro e até parecia ter razão... mas, afinal, era o VAR a estar certo

KIRILL KUDRYAVTSEV/GETTY

Partilhar

Os primeiros passos são sempre inseguros. Aprender o que é equilíbrio na vertical e colocar pé ante pé exige treino. Se é verdade para um bebé, é verdade para qualquer mudança que implique novos processos. Daí que, no teste de maior dimensão que teve até agora, o videoárbitro tenha criado um grande momento de dúvida. Seria porventura de esperar, mas não deixa de provocar impacto.

O momento do jogo que deu a vitória ao Chile por 2-0 sobre os Camarões (e o que seguramente dará mais motivo de conversa) conta-se como um filme de desastre em câmara lenta. Primeiro minuto de descontos da primeira parte e, após uns 45 minutos de pressão intensa, os sul-americanos parecem ter chegado à vantagem: passe de morte de Arturo Vidal e Eduardo Vargas a concluir com classe para o 1-0. Golo validado, tudo legal, entrem as celebrações. E se não tiver sido? Palco agora para os assistentes VAR de Damir Skomina. Sinal, olhar concentrado de quem ouve, jogadores a festejar começam a perceber e... tento anulado por suposto fora de jogo. Tudo incrédulo e não seria a última vez. Mas já lá vamos.

Aparentemente, nas imagens televisivas, o chileno parecia não estar em fora de jogo, mas o VAR mostrou que esta foi uma decisão verdadeiramente milimétrica, com olho de lince - a FIFA divulgou no seu site as imagens que deram origem à decisão e que mostram que há, de facto, fora de jogo.

FIFA

O selecionador Pizzi manteve o Chile na senda do bom futebol deixado por Bielsa e Sampaioli e, mesmo com a vedeta maior Alexis Sanchez no banco por ainda não estar 100% recuperado de uma lesão, era favorito perante uns mais inexperientes Camarões, que se apresentam como a segunda equipa mais jovem em prova.

Não foi surpresa por isso, o arranque fortíssimo do Chile que, logo nos primeiros minutos, resultou numa bola ao poste e em várias situações de perigo iminente. Aí houve sempre uma barreira comum: Ondoa. O guardião de 21 anos mostrou-se muito forte nos duelos individuais e foi mantendo a sua equipa em jogo. O plano passava de resto por aproveitar as transições ofensivas e o bom jogo de pés e força posicional de Aboubakar. E quase que ia resultando, quando o avançado emprestado pelo Futebol Clube do Porto ao Besiktas aproveitou um contra ataque para controlar bem e rematar para defesa segura de Johnny Herrera aos 11 minutos.

O lance deu mais confiança à equipa africana mas a toada não se alterou, até ao caricato lance do golo que afinal não era a encerrar a primeira parte. Os segundos 45 minutos trouxeram uns Camarões mais capazes de ameaçar a baliza contrária mas um Chile que não deixava de desarmar. Aos 58 minutos, o talismã Alexis Sanchéz entrou para ajudar a equipa mas seriam os "leões indomáveis" a ameaçar de livre direto aos 67 minutos, por Moukandjo. A partir daí, voltou a só dar Chile.

Outra vez, vídeo-árbitro?

Após um falhanço clamoroso de Isla com a baliza escancarada e sem guarda-redes, parecia que a sorte não queria nada com os chilenos. Mas eis que aos 81 minutos surge Alexis a cruzar da direita para a grande área, onde Arturo Vidal apareceu a cabecear de forma afirmativa para o 1-0. Direito a repetição de festejos do outro golo e vantagem construída pelas duas grandes estrelas da seleção.

Até final, os Camarões ainda tentaram responder, sem sucesso, e seria mesmo o Chile a ampliar a vantagem. Alexis Sanchez isola-se, trabalho fantástico a tirar um defesa e o guarda-redes e remate para um bloqueio em desespero. A bola sobra para Vargas que domina e coloca no fundo das redes. Eis que os árbitros decidem mais uma vez ser protagonistas com o assistente a anular o golo. Vídeo-árbitro entra de novo em acção, só que desta vez, ao contrário da primeira, decide bem e atribui o tento como legal.

Vitória por 2-0 e início sofrido mas emocionante para o Chile. Já os Camarões terão de demonstrar mais, se ambicionam continuar até às meias finais. A confirmar.

Nota: Texto editado às 23h25 para incluir as imagens divulgadas pela FIFA e corrigir o alegado erro (que afinal não o foi) do videoárbitro ao anular o golo do Chile por fora de jogo.