Tribuna Expresso

Perfil

Sporting

Não há coincidências: com Adrien o Sporting é outra coisa

No regresso do capitão ao onze, o Sporting voltou também às vitórias no campeonato, ao bater o Arouca de forma clara (3-0) em Alvalade. O holandês Bas Dost, que não marcava há seis jogos, bisou, ajudando os leões a recuperar pontos para Benfica e FC Porto. Uma boa jornada para a equipa de Jorge Jesus

Lídia Paralta Gomes

Estes dois são um perigo: Adrien voltou para brilhar e Bas Dost fez mais dois golos em Alvalade

JOSE MANUEL RIBEIRO/Getty

Partilhar

Nisto do futebol, raramente há coincidências. Como esta do Sporting ter voltado a ganhar no campeonato no jogo em que Adrien Silva voltou ao onze, após lesão. O capitão é assim quase como um bom árbitro: pode não ser notado, mas isso não tem necessariamente de ser mau.

Mas desta vez Adrien até foi um dos protagonistas do jogo: fez uma assistência para golo, para depois falhar espetacularmente uma grande penalidade e logo a seguir abrir o livro para o último tento dos leões. Mas isso pouco interessa. O que verdadeiramente interessa é que é a Adrien que se deve um leão mais agressivo, mais pressionante na hora de recuperar bolas, com mais força a defender e critério a atacar. Um Sporting coeso, quase de granito. Em termos mais simples: um Sporting que ganha.

Desde 27 de setembro, na vitória frente ao Legia na Champions, que Adrien não jogava em Alvalade. Desde essa noite que o Sporting não ganhava em casa. Não há coincidências.

Frente ao Arouca, o Sporting entrou com a pressão de quem já esteve na frente e agora não sabe o que é ganhar no campeonato há três jogos. Não foi preciso esperar muito para afastar os fantasmas. Aos 9 minutos, João Pereira, o nosso Rory Delap, fez um daqueles lançamentos laterais à Premier League que levou a bola ao emaranhado de jogadores que batalhavam na área. Rúben Semedo foi lá com a cabeça, com a bola a bater de forma involuntária na testa de Coates, que assim meio sem querer fez uma assistência primorosa para Bas Dost. O holandês, cheio de vontade de voltar a ouvir aquele cântico roubado aos AC/DC, rematou rasteiro e cruzado, longe do alcance de Rafael Bracalli.

Para quem andava cansado, não foi mau.

Bas Dost voltou a festejar

Bas Dost voltou a festejar

JOSE MANUEL RIBEIRO/Getty

Só voltou a haver jogo depois do intervalo. Culpa de Vítor Costa, defesa do Arouca, que num momento de amnésia impediu João Pereira, o Rory Delap do Campo Grande, de fazer um lançamento de linha lateral. Esqueceu-se com certeza que já tinha um amarelo. Esqueceu-se também que o Arouca ainda estava em jogo. Com a sua expulsão, deixou de estar. Estávamos nos 49 minutos.

A partir daí foi ver o Sporting a atacar em catadupa. Marcou mais dois, mas até podiam ter sido mais. Seis minutos depois do momento esotérico de Vítor Costa, João Pereira cruzou para a área onde Adrien Silva levantou para Joel Campbell. O costa-riquenho, que até aí tinha brincado muito e jogado pouco (bem, como em toda a temporada), ganhou aos centrais e cabeceou para a baliza.

Aos 63’ ainda deu para Adrien falhar uma grande penalidade que o próprio sofreu (o capitão já tem quase tudo afinado, falta só a pontaria), para aos 69’ o médio redimir-se daquele remate que nem no râguebi dava pontos. À entrada da área, Adrien levantou a cabeça e abriu de forma perfeita para direita, onde Joel Campbell fez um cruzamento não menos perfeito para Bas Dost. Este agradeceu tamanha perfeição e bisou com um belo cabeceamento cruzado.

O holandês, diga-se, voltou aos golos após uma seca de seis jogos. Não marcava desde… a vitória frente ao Legia, já lá vai mais de um mês. Não há coincidências.

De regresso aos triunfos, o Sporting dá um pontapé na crise e na ressaca europeia: é a primeira vez esta temporada que os leões ganham depois de um jogo de Champions. Mais: a equipa de Jorge Jesus termina esta jornada roubando pontos a todos os rivais. Ultrapassou o Sp. Braga (que perdeu na Madeira), igualou o FC Porto e está agora a 5 do Benfica.

Bem, mas o mais importante mesmo foi voltar a ganhar Adrien.