Tribuna Expresso

Perfil

Sporting

O vólei foi bonito, mas no final deu Balada

O Sporting entrou a perder frente ao Praiense, depois dos açorianos marcarem um daqueles golos que vai direitinho para o YouTube. Obrigados a reagir, os leões acabaram a golear (5-1) com naturalidade e estão nos oitavos de final da Taça de Portugal

Lídia Paralta Gomes

Uma mão-cheia de golos para o Sporting, mas o mais bonito até foi marcado pelo Praiense

PATRICIA DE MELO MOREIRA/Getty

Partilhar

Há jogos que começam mornos, táticos, sem ponta de risco, com as equipas a conhecerem-se. E depois há jogos que arrancam com um passe longo do guarda-redes para o ataque e um vólei de primeira que acaba dentro da baliza.

O Praiense não atravessou meio Atlântico para assistir à festa do Sporting e aos 2 minutos já estava na frente. Ainda os membros do Diretivo Ultras XXI desfraldavam faixas de apoio a Bruno de Carvalho onde se podia ler “Força Bruno, esfumaça-os” quando Tiago Maia viu Filipe Andrade descaído na direita do ataque do Sporting. “Vai já daqui” terá pensado o guardião formado no FC Porto, que deixou a bola bem a jeito para o colega, que trocou as voltas só com o olhar a Jefferson e rematou sem preparação para a baliza de Beto e para os mais vistos do YouTube.

O vólei - coisa em que a malta da Praia da Vitória é boa, não fosse a Fonte do Bastardo campeã nacional de voleibol - saiu perfeito e o que se esfumou na altura foi mesmo o entusiasmo de um incrédulo Jorge Jesus.

No final, o 5-1 com que os leões bateram o Praiense é que fica na história, mas, aposto, o jogo não teria sido tão interessante sem aquele momento de inspiração. Surpreendido (e quiçá um pouco Confúcio), o Sporting foi obrigado a correr atrás do resultado e o encontro, que tinha tudo para ser meio chato, tornou-se bem sério e entusiasmante, com Adrien e Bruno César a chamarem a si a responsabilidade de evitar o escândalo e André a bisar no final.

Antes de fazer o empate, aos 21 minutos, o Sporting andou por lá perto um ror de vezes, com Tiago Maia a brilhar, mas agora no local que melhor conhece, a baliza. Aos 7 minutos roubou o golo a Bruno César com um voo que deve ter dado belas fotografias e dois minutos mais tarde saiu com coragem a um remate de Luc Castaignos, defendendo com as pernas.

Depois ainda assistiu a mais um remate perigoso de Alan Ruiz, que bateu no poste antes de sair, para nada conseguir fazer quando Paulo Oliveira respondeu com competência ao canto na esquerda de Jefferson: um cabeceamento como mandam as regras e o empate estava feito.

Mais Sporting só depois do intervalo. A primeira jogada depois do regresso dos balneários deu grande penalidade e Adrien (que jogou no lugar de Willliam Carvalho) não falhou (porque bate bem).

André bisou depois de entrar aos 78 minutos

André bisou depois de entrar aos 78 minutos

PATRICIA DE MELO MOREIRA

Antes do 3-1, numa bela jogada de entendimento entre o capitão e Bruno César, Luc Castaignos ainda teve tempo para o momento cómico da noite: sozinho na direita, tentou um remate de trivela que por pouco não saiu pela linha lateral. Não é Quaresma quem quer.

O holandês, diga-se, passeou-se pelo jogo mais um vez sem impressionar, saíndo aos 78 minutos para dar lugar a André. E o brasileiro, que no seu país é conhecido por Balada - o próprio admitia que não era um capaz caseiro -, marcou na primeira vez que tocou na bola, respondendo na área a um cruzamento na esquerda de Bruno César, fechando as contas com o golo do qual não é preciso falar porque foi igualzinho ao anterior.

Baladeiro ou não, a verdade é que a noite também foi de André, num jogo que ainda deu para Meli fazer uns minutos e Matheus desaproveitar a oportunidade de Jesus, que colocou o jovem brasileiro a titular, mas não terá ficado muito impressionado com o que viu.