Tribuna Expresso

Perfil

Sporting

Jesus e o nome que dá à crise de duas semanas: “Chama-se Jorge Sousa”

O treinador do Sporting voltou a falar de arbitragem, disse que não se esquece do dérbi contra o Benfica e deu um nome à “mini-crise que criaram” à equipa. Jorge Jesus ainda admitiu que é necessário “recuperar” alguns jogadores

Expresso

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Partilhar

A vitória por 1-0

"O objetivo que era ganhar e conseguimos. Mas conseguimos com mérito, qualidade e classe. Fizemos uma primeira parte brilhante. O Belenenses só tem uma jogada ofensiva durante a primeira parte, aos 40 minutos, num canto a nosso favor. Foi a única vez. Não tinha bola até aos 40 minutos."

O que disse aos jogadores no balneário

"Disse aos jogadores para manterem a mesma qualidade e intensidade, que o golo ia aparecer. Na segunda parte dividimos mais o jogo, já houve espaço para o Belenenses poder sair, mas fomos nós a criar mais situações de golo e jogadas de finalização. Acabámos por ser premiados com uma grande jogada, um grande cruzamento do Joel e uma boa finalização do Bas. Fomos premiados."

A crise para a qual Jesus tem um nome

"Criaram-nos uma mini-crise durante uma semana. A nossa crise chama-se Jorge Sousa, não me vou esquecer. Hoje também houve uma grande penalidade. Esta equipa joga com muita qualidade e normalmente é melhor do que os adversários, mas só consegue ser melhor do que uma equipa, do que a outra não."

"Hoje há uma grande penalidade do Gonçalo, mas aceita-se, porque está de costas. O árbitro fez uma boa arbitragem. O Sporting só quer ter um tratamento igual às outras equipas. E quando há grandes penalidades é para se marcarem. Crise? Esta crise tem duas semanas e já disse o nome dela."

O momento que o Sporting atravessa

"Não é só para recuperar pontos, é também para recuperar a equipa. No último mês fizemos dez jogos. Tivemos muitos jogadores em sobrecarga. Hoje mexi na equipa por isso. Senti que havia jogadores que já não são capazes de ter o mesmo andamento. Precisamos de recuperar esta equipa porque teve muitos jogos no último mês, nos quais tivemos algumas possibilidades de jogar com alguma qualidade. Temos alguns jogadores lesionados. É o caso do Semedo, agora do Rui Patrício. Começa a haver uma acumulação muscular e depois pagamos um bocadinho a fatura.»