Tribuna Expresso

Perfil

Sporting

Nicolau Santos

Nicolau Santos

Diretor-Adjunto

As quatro mensagens presidenciais: Bruno de Carvalho esteve bem, bem, bem e bem

Nicolau Santos analisa o momento leonino e deixa um elogio ao presidente do Sporting

Nicolau Santos

Partilhar

Depois da eliminação da Taça de Portugal, o presidente de Sporting Clube de Portugal fez o que tinha a fazer. Com serenidade, com racionalidade. É disso que o clube precisa quando estamos a meio da época e quase tudo já está perdido.

Bruno de Carvalho esteve muito bem.

Em primeiro, o presidente deixou claro que, apesar da eliminação da Champions, da Taça Europa, da Taça CTT e da Taça de Portugal, ainda há objectivos para conquistar. E o mais evidente é, pelo menos, chegar ao segundo lugar na Liga, que dá acesso directo à Champions. Os jogadores e a equipa técnica têm de se concentrar nessa meta e meter na cabeça que, embora o primeiro e o segundo lugar já não dependam só de nós, ainda há muitos pontos para disputar, uma segunda volta para jogar e é provável que ainda todas as equipas percam pontos. Por isso, há que acreditar, há que ir à luta, há que perceber que, do ponto de vista estratégico, entrar diretamente à Champions é fundamental, pela importância dessas receitas para o equilíbrio financeiro do clube mas também como montra para os jogadores de leão ao peito.

Se não der para chegar ao segundo lugar, que seja o terceiro. Menos que isso é inadmissível.

Depois, o presidente deixou claro que o plantel vai ter de emagrecer ainda durante este mês. Faz todo o sentido. Este plantel foi construído para estar presente em várias frentes.

Agora existe apenas uma e há claramente jogadores a mais para essa empreitada. Mais: como é luminosamente evidente, tirando Bas Dost, de forma indiscutível, e Campbell e Alan Ruiz, a espaços, todos os outros jogadores estrangeiros contratados para a época 2016/17 não vingaram, ou pelo modelo de jogo ou porque foram mesmo más escolhas. Pouco importa. Não é isso que agora está em causa.

O que é importante é reequilibrar rapidamente as finanças, cortar custos e ajustá-los ao que o clube ainda pretende conquistar esta época.

A terceira mensagem do presidente é que vai manter Jorge Jesus como treinador. Faz todo o sentido e não só por razões financeiras (a indemnização a pagar, se o Sporting o despedisse, seria pesadíssima para os cofres do clube). Jorge Jesus é um excelente treinador e não deixou de o ser por causa desta época. Precisa de refrear mais os seus ânimos quando está no banco e não ser tantas vezes expulso. Precisa de não ser tão egocêntrico e distribuir mais os louros das vitórias por outras pessoas, nomeadamente os jogadores, e não atribuí-los apenas a si próprio. Precisa de aprender com o banho de humildade que esta época lhe está a dar. E precisa de rentabilizar os talentos que a formação do Sporting coloca à sua disposição, em vez de apostar quase exclusivamente em jogadores estrangeiros.

E essa foi a quarta mensagem de Bruno de Carvalho. O Sporting vai fazer a segunda volta da Liga recorrendo mais aos seus próprios jogadores, saídos da Academia e emprestados a outros clubes, e que estão a dar excelente conta de si. Jorge Jesus é homem para rentabilizar esses jovens, misturando-os com alguns nomes de peso, nacionais e estrangeiros, que se manterão na equipa. Espera-se, aliás, que Jesus não só faça isso com a sageza e a qualidade que se lhe reconhece, como se deixe de embirrações com alguns jogadores que já deram bastas provas como Paulo Oliveira ou Jefferson, por exemplo – e que reconheça que Bruno César tem de jogar mais à frente para termos um segundo homem com pé quente e que pode marcar golos, não deixando essa tarefa apenas para Bas Dost.

Em resumo, Bruno de Carvalho actuou como um verdadeiro líder neste momento muito difícil que o cluibe atravessa e passou as mensagens correctas para os jogadores, a equipa técnica e os adeptos. Agora, o que há a fazer, é unir esforços, continuar a apoiar a equipa sem reservas e acreditar que ainda é possível chegar ao segundo lugar.