Tribuna Expresso

Perfil

Sporting

Jesus afasta demissão: "Nunca quebrei um projeto, nem vou quebrar"

Treinador do Sporting aproveitou a antevisão ao jogo deste sábado (18h15) com o Marítimo para afastar qualquer cenário de demissão. Jesus admite que o clube vive “uma crise de resultados”, mas que a relação com Bruno de Carvalho “não podia ser melhor”

Expresso

Jorge Jesus está satisfeito com o rendimento do Sporting

PATRICIA DE MELO MOREIRA/Getty

Partilhar

Após uma semana difícil, em que deixou escapar mais um dos objetivos da época, a Taça de Portugal, Jorge Jesus assumiu as responsabilidades pelos resultados menos conseguidos do Sporting esta época mas recusa a ideia de que a temporada está irremediavelmente falhada. O cenário de demissão caso o Sporting não vença amanhã o Marítimo foi também afastado.

Jogo com o Marítimo

“Será um jogo difícil por algumas questões. Primeiro porque temos pontos de atraso para o 1.º classificado e, portanto, estamos numa situação em que não podemos perder mais pontos e segundo porque vamos jogar com uma equipa que normalmente na Madeira é forte. Vai ser um jogo muito disputado e o Sporting precisa de vencer”.

Demissão em caso de derrota

“A resposta está dada pelo presidente. Nunca quebrei um projeto, nem vou quebrar”

Época falhada?

“Falhada totalmente não. Eu sou o responsável número 1, dentro dos objetivos que eram importantes para o Sporting, de não os ter conseguido. Mas nunca será uma época para esquecer, será uma época para recordar. Não é a primeira vez que tenho um ciclo menos bom e o importante aqui é quebrar este ciclo, com a confiança de todos. Confio plenamente nos jogadores que temos. A questão emocional é muito importante e também queremos recuperar com a ajuda dos adeptos. Há muita coisa para ganhar e o Sporting ainda está na corrida. Há a possibilidade de uma 2.ª volta forte. Pergunta-me se é difícil. Sim, é difícil, não vou dizer que não”.

Presidente no balneário

“Os presidentes vão ao balneário antes do jogo e depois do jogo. Em Chaves eu não estava, não podia estar. Em todos os jogos, no final, o presidente está comigo, desabafa comigo e como eu não estava desabafou com os dois capitães de equipa. O presidente é a entidade máxima e tem todo o direito de expor as suas ideias. E fê-lo através dos dois jogadores”.

Relação com Bruno de Carvalho

“Podemos falar em crise de resultados, mas em relação à minha relação com o presidente é a melhor e não podia ser melhor. Tudo o que fazemos em conjunto continuamos a fazer. O presidente foi buscar-me para um projeto não a um ano, mas a vários anos”.