Tribuna Expresso

Perfil

Sporting

Nicolau Santos

Nicolau Santos

Diretor-Adjunto

O talento de Podence e a cultura de derrota de João de Deus

Nicolau Santos

Partilhar

Agora que o Sporting começa a arrumar a casa e a preparar já a próxima época, sem deixar cair a ideia de que ainda há coisas importantes para conquistar nesta, nomeadamente o segundo lugar, eis que vale a pena falar de dois casos de pessoas ligadas ao clube: Podence e João de Deus.

Podence tem-se vindo a distinguir no Moreirense, juntamente com Francisco Geraldes. Foram peças decisivas na surpreendente caminhada que levou o clube de Moreira de Cónegos a conquistar no domingo a Taça da Liga frente ao favorito Sporting de Braga.

Para quem viu o jogo foi notório que Podence é um excelente extremo, que colocou a cabeça em água ao lado esquerdo da defesa do Braga. Na actual equipa titular do Sporting só há alguém melhor do que ele: Gelson Martins. Mesmo Campbell vai ter de se esforçar muito se quiser conservar o lugar quando Podence regressar a Alvalade. Também Francisco Geraldes é um jogador inteligente, personalizado, rápido. Joga, faz jogar, marca e provoca penalidades, como a que deu a vitória ao Moreirense. Também ele é uma excelente solução para o meio-campo do Sporting, quando Adrien ou William Carvalho não puderem jogar ou não estiverem em forma.

Já agora saúde-se Augusto Inácio, treinador campeão pelo Sporting que, desde que pegou no Moreirense, não só o afastou dos lugares de despromoção, como potenciou os jogadores de Alvalade que estavam emprestados ao clube de Moreira de Cónegos. Se Podence e Francisco Geraldes voltam ao clube, Inácio deve ter também sempre a porta aberta para o regresso.

E chegamos ao treinador João de Deus, que lidera a equipa B do Sporting. Pois bem, quando Bruno de Carvalho ascendeu á presidência do clube, um dos seus primeiros atos foi afastar Abel Ferreira da liderança da equipa B e chamar para o seu lugar João de Deus, que tinha passado por algumas equipas, entre as quais Farense. Atlético, Oliveirense e Gil Vicente, sem ter conquistado algo de relevante em nenhuma delas. A escolha foi estranha e não augurava nada de bom. Confirmou-se. Com efeito, enquanto o Sporting B de Abel era uma equipa conquistadora, que lutava pelos lugares cimeiros da classificação, o Sporting B de João de Deus é uma equipa perdedora: em quatro jogos em Janeiro, o Sporting B perdeu em casa com o Sporting de Braga B por 1-2, perdeu fora com o Portimonense por 4-0 (!), empatou em casa com o Sporting da Covilhã (1-1) e voltou a perder fora com o Fafe, que também luta para não ser despromovido, por 2-0.

Convenhamos que é mau de mais para não ser tomada a decisão de afastar rapidamente João de Deus da direcção da equipa.

É que o problema não é perder uma ou outra vez, o que é natural e admissível. O problema, o grande problema, que está a acontecer com a equipa B do Sporting Clube de Portugal liderada por João de Deus, é que os seus jogadores se estão a habituar a perder, estão a assimilar uma cultura de derrotas e isso é inadmissível.

A equipa B serve precisamente para instilar nos jovens jogadores do clube uma cultura de vitória, de suplantação, de ultrapassagem dos obstáculos e não de acomodação, de derrotismo, de considerar que perder é natural e aceitável. Não, não é.

Num clube como o Sporting as derrotas têm de ser a exceção e não a regra. E todos os atletas de todas as modalidades têm de estar imbuídos dessa mística e desse valor.

A substituição de João de Deus é, pois, urgente. Não porque o Sporting B possa descer de divisão. Mas por algo muito mais grave, a corrosão dos valores de esforço, dedicação, devoção e glória que devem nortear esses jogadores.

Já agora, Abel Ferreira, que lidera o Sporting de Braga B, que vai bem à frente do Sporting B na classificação, conseguiu, no único jogo da actual Liga em que liderou a equipa principal do Braga, vir a Alvalade ganhar por 1-0, dar uma lição de futebol e afastar-nos praticamente do título, pois na semana anterior tínhamos perdido por 2-1 na Luz.

Chega para perceber que foi um erro monumental afastar Abel Ferreira e contratar João de Deus?