Tribuna Expresso

Perfil

Sporting

Bruno de Carvalho fala “da cebolada”: “UEFA jogou a favor do árbitro e do Benfica”

Presidente do Sporting ironiza dizendo que vê “mal ao perto” mas viu o que “toda gente” viu, criticando apreciação da UEFA à arbitragem do Benfica-Sporting. Bruno de Carvalho mantém que o Sporting continua a ser a equipa mais prejudicada pelas arbitragens. E ainda admite ser campeão. Mas “se o Benfica ganhar o tetra, ganhou."

Expresso

Partilhar

O presidente do Sporting foi recebido esta manhã nos estúdios da Rádio Renascença com U2, a sua banda preferida, e disse que essa era a melhor forma de começar o dia. “Começar, não: continuar”. Ainda não eram 9 da manhã mas Bruno de Carvalho tinha estado nas horas anteriores “as negociar jogadores”. O chamado “mercado de inverno” tinha fechado às 23:59 da véspera, 31 de janeiro.

O líder dos leões diria mais à frente aos microfones da Renascença: “Estamos todos bastante satisfeitos com o que foi feito”, nomeadamente nas entradas de jogadores – “as entradas foram regressos a casa”, sublinhou. Mas deixou em aberto possíveis negócios futuros: “Não se esqueça que há muitos mercados que ainda estão abertos…”

“Vejo mal ao perto…”
A entrevista em direto começou no entanto a falar de arbitragens. Nomeadamente de uma, a do jogo Benfica-Sporting, que gerou fortes críticas dos leões, nomeadamente em dois lances com Pizzi e Nélson Semedo, que os verdes-e-brancos dizem terem sido penáltis não assinalados. A pedido do Sporting, o Conselho de Arbitragem questionou a UEFA sobre os lances. Esta terça-feira, a UEFA deu razão ao Conselho de Arbitragem, que considerou que o lance de Pizzi foi “uma ação involuntária e acidental, pelo que a mesma não constitui infração”, sendo o lance com Semedo “difícil e de dúvida”.

Bruno de Carvalho começou por ironizar: “Vejo mal ao perto… mas ainda continua a ver”. E prosseguiu, afirmando que a UEFA se “põe um bocadinho de parte”, pois disse que “há um lance que não consegue descortinar”. Mas o presidente do Sporting concluiu que a “UEFA jogou a favor do árbitro e da equipa com que jogámos”, o Benfica.

Optando por um discurso construtivo sobre arbitragem, Bruno de Carvalho afirmou que, todavia, “não noto diferença nenhuma no discurso” do Conselho de Arbitragem. “Não me posso esquecer da cebolada. É uma coisa que às vezes bem servida até sabe bem. [Mas] o discurso desde o início da época mantém-se”. E concluiu: “O Sporting tem-se pautado por uma intervenção com propostas, com ideias, apontando soluções, [mas] não houve nenhuma inflexão no discurso” do Conselho de Arbitragem.

Comentando as recentes queixas do Benfica, o presidente e candidato às próximas eleições disse que, nos relvados, “noto a mesma coisa que toda a gente que estatisticamente vá fazer essa análise [nota]: o Sporting continua a ser o clube que esta época tem sido mais prejudicado.” E prosseguiu: “Os árbitros continuam a fazer o seu caminho, o Benfica continua a dizer exactamente as mesmas coisas que sempre disse e o Sporting continua a dizer que foi o mais prejudicado”.

“Espero que os árbitros vão acolhendo as propostas do Sporting, agora é preciso implementá-las, é preciso dar mais algum tempo, mas factualmente é uma realidade que continuamos a ser os mais prejudicados. Mas é preciso olhar para a frente: olhamos para dentro e seguimos em frente”.

Campeões?
Recusando-se a aceitar que esta época da equipa de futebol está a ser “frustrante”, o presidente do Sporting assumiu de novo que “as coisas continuam difíceis. Eu sempre disse que maio vinha longe [mas] mas as coisas depois pioraram bastante. O Sporting tem um conjunto de jogos muito difícil pela frente. Quando não dependemos de nós as coisas são sempre piores. Temos de continuar a perseguir o nosso único objetivo, que ainda podemos cumprir. Temos de ser muito, muito bons para conseguirmos vencer.”

O presidente do Sporting disse ainda, confrontado com um comentário anterior, que nunca prometeu ser campeão de futebol, o que fez foi outra coisa: “Disse-o numa das minhas primeiras entrevistas: eu mediria o meu sucesso, sobretudo no que diz respeito ao futebol, por se campeão ou não. Mas nunca prometi propriamente ser campeão. Quem vem para o Sporting tem de querer ser campeão e não tem de ter complexo em dizer que esse é o seu objectivo.”

E se o Benfica ganhar o tetra? “Se o Benfica ganhar o tetra, ganhou. É um problema que não me assiste. Fico com pena porque e um objetivo que não cumprimos, que é o de ser campeão. Ser campeão ou ter um projeto é algo completamente distinto. Um projecto é algo a longo prazo e isso os sportinguistas já perceberam. Não confundo as duas coisas. Mas os sportinguistas é que decidirão a 4 de Março.”

Às portas de um ato eleitoral, Bruno de Carvalho recordou “o estado lastimável em que estava o Sporting, não só desportivo como financeiro, mas também [o estado] anímico em que estavam os sportinguistas” quando ele foi eleito presidente. “O Sporting mudou totalmente, fez uma inflexão de 180 graus.” Nas eleições, “os sportinguistas têm de tomar a decisão mas pelo menos hoje estamos a falar de Sporting.”

Reagindo a uma pergunta de um ouvinte da Renascença sobre se tinha dado demasiado poder ao treinador, Bruno de Carvalho afirmou que “Jorge Jesus é um excelente treinador, um grande treinador. Continuaremos a fazer um trabalho conjunto, eu como presidente, ele como treinador. Não me escondo atrás de ninguém para afirmar o que já afirmei, que esta época tem sido bastante abaixo daquilo que era a nossa expectatiuva, mas isso é da minha responsabilidades como presidente.”

Estas declarações foram proferidas em direto na Rádio Renascença na manhã de quarta-feira. De seguida, Bruno de Carvalho manteve-se em estúdio para gravar uma entrevista mais longa, que será emitida durante a tarde.

Partilhar