Tribuna Expresso

Perfil

Sporting

Jorge Jesus: “O presidente pensa no futuro e isso faz-nos acreditar num futuro risonho”

O Sporting visita o FC Porto amanhã e Jorge Jesus falou na conferência de imprensa que antevê o encontro. Apesar da necessidade de “fazer contas”, o técnico afirma que ganhar no Dragão deixaria a equipa mais confiante

Filipa Bulhão Pereira e Vanessa Portugal

JOSE MANUEL RIBEIRO

Partilhar

“Vamos para o Dragão com muita confiança”, afirma Jorge Jesus. Tranquilo para o clássico, o treinador admite que joga contra uma boa equipa, mas acredita nas capacidades dos seus jogadores. “Estou convencido que vai ser um jogo bem jogado pelas equipas, emocionante. Espero bem que os meus jogadores estejam melhores que os do FC Porto, para sairmos de lá com os três pontos”, diz.

Quanto à ausência de William Carvalho, elemento nuclear da equipa, o técnico dos leões não se mostra preocupado: “Acredito muito no Palhinha e é ele que vai jogar amanhã”.

“O Sporting neste momento tem de pensar jogo a jogo, sendo melhor que os adversários. Dependemos de terceiros e por isso temos de fazer as contas no final”, acrescenta.

A sete pontos do líder do campeonato, o Sporting “está a olhar de baixo para cima e queremos chegar mais perto, mas não estamos dependentes de nós”, afirma Jesus. Para ganhar essa independência, ganhar no Dragão será um bom primeiro passo.

O árbitro, Hugo Miguel, é merecedor da confiança do técnico do Sporting (pelo menos antes do jogo): “Como tenho dito, tenho a máxima confiança em todos os árbitros. Agora, isso é antes do jogo, depois do jogo estão sujeitos ao que acontecer no jogo e eu como treinador tenho direito de o fazer”.

Se é um jogo de vida ou de morte para o clube de Alvalade? Jesus diz que não. Apesar do mau momento que a equipa atravessa (com exceção da vitória no último fim de semana), o treinador acredita na recuperação: “As equipas têm momentos de oscilação ao longo da época e, por vezes, quem joga de baixo para cima em recuperação pode conseguir galvanizar-se”.

O treinador aproveitou para falar de Coates, que já não está só emprestado, e de Gelson, um “produto do Sporting”. “São dois jogadores que têm sido fundamentais desde que estou aqui”, diz. E ainda acrescenta: “Juntaram-se os interesses coletivos e individuais e foi muito importante esta renovação. É isso que o presidente tem feito, pensar no futuro, e isso faz-nos acreditar que o futuro será risonho”.