Tribuna Expresso

Perfil

Sporting

Bruno de Carvalho: “Tenho a reputação de ser duro nas negociações e isso é verdade. Os saldos no Sporting acabaram”

Antes do Olympiacos-Sporting (19h45, RTP1), Bruno de Carvalho apresentou-se à imprensa grega, numa entrevista em que diz ser “duro” e querer ver o Sporting a fazer frente a qualquer equipa, mesmo a Juventus e o Barcelona, que também estão no grupo D da Liga dos Campeões

Expresso

Susana Vera

Partilhar

Bruno de Carvalho não viajou com a equipa do Sporting para Atenas, por estar doente, mas concedeu uma entrevista ao site grego SDNA. Aqui está o essencial do que disse o presidente do Sporting, em discurso direto:

Liga dos Campeões

"O início de uma competição como a Liga dos Campeões é sempre importante. Com todo o respeito pelo meu amigo Karembeu [Christian Karembeu, diretor desportivo do Olympiacos], vamos à Grécia para ganhar. O nosso grupo é muito forte. Temos a Juventus, finalista da Champions na época passada, e o Barcelona, um dos maiores clubes do planeta. Mas isto não nos assusta.

Na época passada fomos a Espanha e à Alemanha e olhámos o Real Madrid e o Borussia de Dortmund nos olhos, o que surpreendeu muita gente. Mas a verdade é que essa é a nossa cultura, o nosso nível e a nossa dedicação constante ao clube. Não estamos aqui para lutar pelo terceiro lugar, porque quem faz isso fica condenado a perder. Temos os pés assentes na terra mas queremos qualificar-nos para os oitavos de final".

O Olympiacos

"É o clube grego com mais prestígio internacional e ganhou dez títulos na última década. Os adeptos são incríveis no apoio à equipa e isto cria uma atmosfera nos jogos em casa que parece um inferno. Mas, com todo o respeito, os sócios e adeptos do Sporting são os melhores do mundo e vão poder vê-lo quando forem a Lisboa.

O Olympiacos tem uma equipa muito equilibrada, com jogadores como Kostas Fortounis e Marco Marin a fazer a diferença. Na equipa também há um jogador que, estranhamente, não estará no jogo contra nós e que é um grande talento da nossa Academia, o André Martins, um membro da nossa família. E também há outros jogadores talentosos, como Sebá, [Diogo] Figueiras e [El Fardou] Ben".

O Sporting de 2017/18

"A chave desta equipa é o talento, a coesão e a solidariedade entre todos. E, como disse, a cultura e a dedicação ao clube. Depois também temos, obviamente, um excelente treinador e futebolistas fantásticos. Mas, acima de tudo, somos uma família. O ambiente em que vivemos leva-nos ao sucesso que queremos. Os objetivos para esta época são claros: vitórias e só vitórias".

As transferências de jogadores

"Neste trabalho temos de ter a habilidade de valorizar os nossos ativos. Os clubes que não fazem parte da elite económica do futebol têm de fazer boas vendas para continuarem viáveis economicamente. Do ponto de vista da gestão desportiva, quanto melhor vendermos, mais respeito ganhamos nos outros clubes. E do ponto de vista económico é extremamente importante para nós conseguir um crescimento sustentado.

No Sporting, infelizmente, nem sempre foi assim. Desde que estou na presidência, há cinco anos, já fizemos as duas maiores vendas da história do clube e a maior de um jogador português para o estrangeiro. Tenho a reputação de ser duro nas negociações e isso é verdade. Ponho o bem do Sporting à frente de tudo o resto e defendo o clube. E, na Europa, todos os clubes sabem que quem quer os nossos jogadores tem de pagar o que nós achamos correto. Os saldos no Sporting acabaram."

Partilhar