Tribuna Expresso

Perfil

Sporting

Num jogo destes dá jeito ter quem invente golos

O Sporting continua imparável no campeonato e no sempre complicado pós-Champions bateu o Tondela em casa por 2-0. Não foi o mais brilhante dos jogos dos leões, que frente a uma equipa que defende muito bem contaram com a inspiração vinda dos pés de Mathieu e Bruno Fernandes, que resolveram a questão com dois bonitos golos

Lídia Paralta Gomes

PATRICIA DE MELO MOREIRA/Getty

Partilhar

Os encontros pós-Champions na última época foram quase traumáticos para o Sporting, pelo que o jogo contra o Tondela tinha os seus perigos. Mas não só porque o saldo do ano anterior não foi famoso ou porque existe cansaço após um jogo intenso em Atenas: a verdade é que a equipa de Pepa tem os seus méritos. É, por exemplo, uma das melhores do campeonato no processo defensivo.

Nestas eventualidades, em que o ritmo menos forte de uma equipa e uma coesa e disciplinada defesa de outra coabitam no mesmo campo, dá sempre jeito ter quem invente golos. Ter um Mathieu que inventa um golo de livre com o seu querido pé esquerdo. Ou um Bruno Fernandes que inventa outro com o seu certeiro pé direito, um pé que não consegue não marcar golos bonitos, lá do meio da rua.

E assim sendo, mesmo num encontro em que o nível exibicional não foi exatamente de encher o olho, o Sporting venceu por 2-0, ganhou o sexto de seis jogos do campeonato e vai dormir isolado na frente do campeonato, à espera do que o FC Porto vai fazer no domingo frente ao complicado Rio Ave.

Muitas mudanças

Depois de uma viagem longa a Atenas, com todo o desgaste que lhe é inerente, Jorge Jesus optou por deixar Gelson Martins e Rodrigo Battaglia no banco, chamando a jogo Alan Ruiz e Iuri Medeiros e colocando Bruno Fernandes no centro do terreno.

E se Iuri até deu boa conta de si, Alan Ruiz foi igual a si próprio, não acrescentando nada de especial a um ataque que com o argentino não teve velocidade ou imaginação, absolutamente necessários face a um Tondela que começou com uma atitude positiva, a querer bola. E a secar tudo quando não a tinha.

De maneira que, logo no arranque, se percebeu que o Sporting iria sentir dificuldades em desbloquear o jogo. Até que apareceu o minuto 12 e, muito provavelmente, um longo suspiro de alívio de Jesus: falta sobre Iuri, livre frontal à baliza de Cláudio Ramos, Bruno Fernandes e Mathieu junto à bola, um olhar do português a denunciar que seria o francês a tentar e bola lá dentro.

Com um remate colocadíssimo com o pé esquerdo, Mathieu não só se estreava a marcar de leão ao peito como tirava muita da pressão a um Sporting que não estava a conseguir encontrar os caminhos para a baliza do Tondela. Ah, e também mostrava a Cristiano Ronaldo, presente nas bancadas de Alvalade, que há mais uns quantos que sabem tratar a bola num livre direto.

Ronaldo com a namorada em Alvalade: suspenso na liga espanhola, o avançado deu um saltinho a Portugal

Ronaldo com a namorada em Alvalade: suspenso na liga espanhola, o avançado deu um saltinho a Portugal

PATRICIA DE MELO MOREIRA/Getty

Os tais caminhos para a baliza só pareciam mais livres quando o Sporting tentava ataques rápidos, como aos 24 minutos, quando Bas Dost, que não é Doumbia mas também sabe conduzir um contra-ataque, avançou no terreno e encontrou Iuri Medeiros à direita. O miúdo rematou em arco, com a bola a rasar o poste.

Com o Sporting a não conseguir dar grande sequência a essas transições rápidas, que tão bem resultaram em Atenas, o jogo só animaria lá mais para meio da 2.ª parte. Jesus voltou ao Plano A e lançou Battaglia e depois Gelson Martins. Com as substituições, o Sporting tornou-se mais rápido, mais consequente, mas também expôs-se muito mais ao perigo.

O Tondela passou então algum tempo a rondar a área do Sporting e não há quem não tenha pensado nos golos que os leões têm sofrido quando estão em vantagem.

Bruno Fernandes fez então questão de afastar qualquer sensação mais pessimista. A jogar mais próximo da zona de decisão após a entrada de Battaglia, o jovem português encontrou uma nesga de espaço na defensiva do Tondela e aos 73 minutos resolveu o jogo com um remate de fora da área, forte e colocado, um golo que, acho que já podemos dizer, é à Bruno Fernandes.

Vendo-se já sem pressão, nos últimos 15 minutos o Sporting foi mais perigoso e foi criando algumas oportunidades. William Carvalho, em jogadas seguidas, podia ter feito o terceiro: no primeiro remate Cláudio Ramos defendeu e no segundo foi o poste a afastar a bola.

Não foi dos jogos mais conseguidos da época para o Sporting mas, ao contrário do que tantas vezes aconteceu na última época, os leões têm agora talento suficiente para resolver mesmo quando as coisas parecem mais mornas. E isso faz muita diferença quando se quer ganhar um campeonato.