Tribuna Expresso

Perfil

Sporting

Bruno vai mesmo para o banco no dérbi e arrisca suspensão de três meses a um ano

O presidente do Sporting planeia sentar-se no banco de suplentes durante o dérbi contra o Benfica, no sábado, apesar do castigo de seis dias aplicado pelo Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol - o líder leonino considera que o órgão homologou um acordo com o Sporting que já não tinha validade. Caso contrarie esse castigo, Bruno de Carvalho pode arriscar uma suspensão de três meses a um ano

Diogo Pombo

NurPhoto

Partilhar

O presidente do Sporting planeia, mesmo, sentar-se no banco de suplentes durante dérbi contra o Benfica, que se jogará no sábado (20h30), em Alvalade. Fonte oficial confirmou à Tribuna Expresso que Bruno de Carvalho vai contraria a suspensão de seis que o Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) emitiu, na quarta-feira.

Isto porque Bruno de Carvalho considera que o órgão aplicou o castigo homologando um acordo com o clube que já não era válido - esse documento previa que a suspensão começasse a ser aplicada no sábado passado, sendo cumprida até 4 de maio e, portanto, permitindo ao presidente leonino comparecer no dérbi (está tudo explicado AQUI).

Caso, de facto, decida sentar-se no banco de suplentes e ignorar o castigo da federação, o presidente do Sporting arrisca um outro castigo - de três meses a um ano, escrever o jornal "Record", com uma multa que pode chegar aos cinco mil euros.

Bruno de Carvalho, apurou a Tribuna Expresso, considera que a FPF não respeitou a validade temporal do acordo proposto, aplicando a suspensão de seis dias através da sua homologação. O órgão, como tal, não tomou uma decisão - apenas 'aprovou' um acordo - , o que retira possibilidade jurídica que o clube apresentar um recurso com efeito suspensivo, que teria efeitos imediatos.