Tribuna Expresso

Perfil

Sporting

Equipa técnica do Sporting foi vigiada e ameaçada já depois das agressões em Alcochete

Dois carros vigiaram elementos da equipa técnica na noite de terça-feira, já depois da invasão da Academia de Alcochete. Scouter do Sporting viu Jorge Jesus ser agredido à traição. Expresso teve acesso aos autos da GNR

Hugo Franco, Pedro Candeias e Rui Gustavo

Mário Cruz / Lusa

Partilhar

nota: este artigo contém linguagem que pode ofender a sensibilidade dos leitores, mas é mantida no artigo tal como surge nos autos da GNR de forma a que se entenda na plenitude a violência a que foram sujeitos os elementos do Sporting Clube de Portugal alvo de ameaças e agressões

Pelo menos dois elementos da equipa técnica do Sporting foram alvo de ameaças por parte de desconhecidos, numa altura em que já tinham sido realizadas as detenções dos 23 adeptos que invadiram a Academia de Alcochete, há uma semana.

De acordo com o depoimento de José Laranjeira, scout do clube, nos autos da GNR a que o Expresso teve acesso, uma carrinha de mercadorias branca entrou no parque de estacionamento de uma grande superfície comercial, ponto de encontro de jogadores e técnicos antes de irem prestar declarações no posto da GNR do Montijo, na noite de terça-feira. O condutor estava “junto ao vidro do veículo” a filmar a zona com um telemóvel. E desapareceu. Tinha a inscrição “entregas ao domicílio” e a matrícula foi transmitida à GNR.

Minutos depois, um outro condutor de um Citroen C1 cinzento começou também a filmar os carros ali estacionados, quase todos de elementos do Sporting. José Laranjeira, que se encontrava dentro do seu carro, abriu o vidro e perguntou ao homem de cerca de 35 anos o que estava a fazer. Naquela zona estavam estacionados veículos de atletas e treinadores. A resposta foi agressiva: “O que é que queres, caralho? Põe-te mas é a andar”.

José Laranjeira conta que Rodrigo Araújo, do gabinete de análise leonino, também assistiu aos dois episódios misteriosos. Nenhum deles reagiu à provocação e seguiram para o posto da GNR. O condutor do Citroen acabou também por ir embora do local. Laranjeira relatou este facto à GNR no final do depoimento, mas não foi capaz de ver a matrícula.

Agressão a Jesus

O scouter do Sporting, de 35 anos, conta ainda que durante as agressões em Alcochete viu o treinador Jorge Jesus ser agredido à traição. “No meio da confusão, um indivíduo agride por trás Jorge Jesus com um murro na zona da face.” Laranjeira viu ainda Bas Dost a surgir nas zonas da casa de banho a sangrar da cabeça devido a um ferimento. Prestou ajuda ao avançado holandês, que estava “muito combalido”.

No meio da confusão, esta testemunha ainda assistiu a uma conversa entre elementos da claque (que não identificou) com o treinador e também com o jogador William Carvalho. Os membros da Juventude Leonina desculpavam-se, dizendo que não era aquilo que pretendiam. E que tinham ido a Alcochete apenas falar com os atletas.