Tribuna Expresso

Perfil

Sporting

"No dia da criança, o Patrício e o Podence decidiram dar-nos prendas. Não será pelas rescisões que haverá problemas de tesouraria"

O presidente do Sporting, falando na sessão de esclarecimento aos sócios que promoveu, esta sexta-feira, em Santa Maria da Feira, comentou as rescisões unilaterais de Rui Patrício e Daniel Podence, garantindo que o clube não terá problemas financeiros devido a esta situação

Expresso

PATRICIA DE MELO MOREIRA

Partilhar

Bruno de Carvalho deslocou-se a Santa Maria da Feira para estar presente na terceira sessão de esclarecimento aos sócios - a primeira realizou-se em Lisboa, a segunda em Lisboa. Quando lá chegou, já sabia da carta de rescisão de Daniel Podence, que se seguiu à de Rui Patrício e precedeu a que William Carvalho já terá, alegadamente, enviado ao clube. O presidente do Sporting afirmou que "é por demais evidente a não razão dos atletas" e que "não será por esta questão das rescisões que haverá problemas de tesouraria".

Falando durante a sessão, em resposta às perguntas que os sócios do Sporting, presentes no auditório, iam colocando, o presidente leonino até ironizou a situação: "Quando sair daqui, se calhar já foi o plantel todo".

Bruno de Carvalho afirmou, também, que os "sportinguistas até se devem abster de falar sobre isto, mas teimam em falar nisto", acrescentando: "Acho que é uma coisa que vocês devem ultrapassar e esquecer. Em teoria da comunicação, quando você tem um problema, o que deve fazer é criar outro que esconda o seu. De repente, no dia da criança, o Patrício e o Podence decidiram dar-nos estas prendas".

"Tiramos muitas e boas ilações de várias coisas que aconteceram. Achei engraçado o processo [de rescisão de Rui Patrício] ser sobre coisas que aconteceram em privado", opinou, ainda.

Sobre a Mesa da Assembleia Geral e o Conselho Fiscal

"Não vou, juridicamente, estar aqui a dar alguma argumentação. Sabemos o que vai acontecer perante as decisões que tomámos, sabemos ter a lei do nosso lado. A decisão que tomámos foi tirar o Conselho Fiscal demissionário e colocar uma mesa transitória, uma Comissão de Fiscalização. Isto tem a ver com atos de gerir o Sporting."

O empréstimo obrigacionista

"Claro que fica em causa se vem um jogador, se vai outro, se vem outro. O fator de vitimização continua a ser um excelente produto, bastante atrativo no mercado, e vamos ser tudo por tudo para que estes atropelos não ponham em causa o seu sucesso. Obrigações não são o mesmo que ações, as obrigações são um investimento financeiro que tem um excelente retorno."

O planeamento da próxima época e Jorge Mendes

"Estamos a fechar as equipas para o jogo de apresentação. O Sporting não é o Sporting de antigamente, o Sporting faz valer aquilo que são os seus direitos. Não podemos ser chantageados. Era bom para resolver problemas, eram 7 milhões para a Gestifute e estava bom. Não estamos apegados ao poder, estamos aqui porque amamos o Sporting.

A pessoa enganou-se e já está a enganar mais jogadores. Perguntam-me quem é mais do Jorge Mendes... Falar de Jorge Mendes, é melhor dizer ao contrário - quem não é de Jorge Mendes? Um homem que vende uma bata por 200 milhões, é natural que as cenouras e rabanetes também queiram ir. O Jorge Mendes é assim, faz vendas magníficas.

Há muito tempo que não havia qualquer questão entre o Sporting e Jorge Mendes. Parece tudo muito bonito, mas, se não se entra dentro do esquema, é-se afastado pelo esquema. Não se esqueçam que, para mim, é estranho que das 10 maiores vendas de sempre do Sporting, quatro são nossas. Porquê? Infelizmente, no nosso tempo, não tivemos jogadores como o Cristiano Ronaldo e o Figo."

Os jogadores

"Continuo a achar que estão a ser manipulados e que ainda têm tempo para pensar. Os sportinguistas têm que ter muita calma. Não vale a pena mandar logo uma pedra para cima das pessoas. Têm que parar um bocadinho, dar tempo ao tempo e, no fim, tirar as suas ilações. Vamos ver como os jogadores reagem à realidade. Depois vem a informação e a contra-informação."

A história de que, connosco cá, os jogadores rescidem, e sem nós, não rescindiam, não cola. A única forma de parar isto era virar alguém que, peço desculpa, abrisse as pernas do Sporting e dissesse 'venha a Nós o vosso Reino'. Não faz sentido que tivéssemos que sair, senão toda a gente rescindia. Há coisas que gostava mesmo que, de uma vez por todas, vocês entendessem. Estou a falar para todos os sportinguistas."

Podem rescindir por que motivos (ou Pedro Martins e o Vitória de Guimarães)?

"Para ser válido, tiveram que se agarrar ao acontecimento da Academia, porque o resto que apresentaram já tem mais de 30 dias - e, importância nenhuma. O Pedro Martins deu agora uma entrevista a dizer que o ataque à academia em Guimarães foi pior. Aí sim, ele diz que sofreu bastante, no Jamor, por altura do very-light [morte do adepto, em 1996]. Perguntaram-lhe o porquê de, em Guimarães, isso não ter tido repercussões. E ele respondeu: porque eu fui um líder. Portanto, das duas uma - ou os jogadores do Guimarães são psicologicamente fortíssimos, ou... Se bem me lembro, os jogadores do Guimarães estavam a treinar no dia seguinte."