Tribuna Expresso

Perfil

Sporting

Miguel Poiares Maduro vai colaborar com MAG para "repor a legalidade" e "devolver o poder aos sócios"

O sportinguista e antigo ministro Adjunto e do Desenvolvimento Regional do governo de Pedro Passos Coelho revelou que vai ajudar a mesa da Assembleia Geral do clube, com o objetivo de "repor a democracia e a legalidade" no Sporting. Poiares Maduro diz que "foram ultrapassadas fronteiras jurídicas" e "está em causa a sobrevivência" do clube

Expresso

PAULO NOVAIS / Lusa

Partilhar

"Já não se trata de apreciar a gestão de Bruno Carvalho mas sim se lhe queremos simplesmente entregar o clube".

Esta é uma das frases fortes e diretas do extenso post que Miguel Poiares Maduro publicou no Facebook, este domingo, para anunciar que vai colaborar com a Mesa da Assembleia Geral (MAG) do Sporting para "repor a democracia e a legalidade" - porque "foram ultrapassadas fronteiras jurídicas que existem para proteger o carácter democrático do clube".

O antigo ministro Adjunto e do Desenvolvimento Regional, durante o governo de Passos Coelho, explicou que o Conselho Directivo "decidiu, sem qualquer competência para tal, declarar que os substituía por outros não previstos nos Estatutos". Numa frase, prosseguiu, "em poucos dias acabou com a democracia e separação de poderes no clube", antes de recorrer a uma analogia: "Foi como se um governo, descontente com as decisões de um parlamento e dos tribunais, os decidisse extinguir e substituir por outros da sua escolha...".

O assumido sportinguista, portanto, refere que Bruno de Carvalho e a sua direção tomaram decisões com poderes que os estatutos do clube não lhes reconhecem - como desconvocar a Assembleia Geral extraordinária que Jaime Marta Soares, presidente da MAG, agendara para 23 de junho, com o intuito de votar a destituição do Conselho Diretivo.

"O que aconteceu nos últimos dias pretende, no entanto, subverter este principio fundamental de que o clube pertence aos sócios e não a quem o dirige. Já não estamos perante uma avaliação da gestão nem da personalidade do presidente. Foram ultrapassadas fronteiras jurídicas que existem para proteger o carácter democrático do clube", lê-se, na publicação de Poiares Maduro.

O ex-ministro sublinha que "está em causa a sobrevivência" do Sporting e considera que "o Presidente tem, pelo menos, uma responsabilidade objetiva na situação atual de profunda instabilidade e permanente conflito", um clima que entende como sendo bastante grave: "A crise no meu clube ganhou uma dimensão existencial. Já não está apenas em causa quem pode gerir melhor o clube, oferecer-nos mais sucessos ou melhor preservar e promover a sua imagem. Está em causa a sua sobrevivência."

O post de Miguel Poiares Maduro: