Tribuna Expresso

Perfil

Sporting

Socos no peito, agressões com cintos, receio pela vida e chapadas: o que disseram à GNR os jogadores do Sporting que acabam de rescindir

William, Gelson, Bruno Fernandes e Bas Dost rescindiram esta segunda-feira com o Sporting. O Expresso recupera os depoimentos que os quatro prestaram às autoridades após as agressões em Alcochete, agressões essas que são um dos fundamentos para o pedido de rescisão contratual

Hugo Franco, Pedro Candeias e Rui Gustavo

Carlos Costa/NurPhoto/Getty

Partilhar

William

O médio, tal como todos os outros futebolistas, encontrava-se no balneário a trocar de equipamento para o treino no relvado quando os invasores irromperam nas instalações. "Foram lançadas várias tochas de fumo, ouviu gritos." William garante ter sido "agredido por três indivíduos com socos na zona do peito". No final do testemunho, William afirma que "teve conhecimento pelo seu colega de nome Rui Patrício que já existiram situações passadas de ameaças de adeptos aos jogadores da equipa".

Gelson

O extremo português estava a conversar com Acuña quando ouviu gritos vindos do exterior. Pouco depois, os invasores entraram e agrediram Acuña "com as palmas das mãos abertas". "Foi perceptível verificar um indivíduo com um cinto na mão direita, sendo que a parte da fivela se encontrava em efeito de pêndulo, para aquando de um movimento brusco a mesma efetuar um efeito de chicote". Gelson temeu pela vida e diz que os agressores estavam "direcionados para os atletas Acuña, Rui Patrício, William e Battaglia".

Bruno Fernandes

O médio ofensivo estava ao lado de William e foi empurrado pelos invasores, tendo sido "cercado por vários indivíduos" e depois "agredido com chapadas". "Seguidamente, viu Battaglia, Acuña e Rui Patrício a serem também cercados e agredidos por vários indivíduos."

Bas Dost

O holandês refere que primeiro passaram dois grupos de homens por ele (um composto por dois, outro por seis indivíduos) sem que nada acontecesse. Posteriormente, um homem encapuzado deu-lhe com um cinto na cabeça que "o fez cair no chão", onde continuou a ser agredido pelo mesmo agressor e por outro que lhe fez companhia. Bas Dost confessou ter "ficado em estado de choque".