Tribuna Expresso

Perfil

  • Menos um campeão do mundo - e a culpa é de Frederico Morais

    Surf

    Em Bells Beach, na Austrália, onde se vai realizando a terceira etapa do circuito mundial de surf, o português está a ter a melhor prestação da temporada. Na madrugada deste domingo, Kikas eliminou Miguel Pupo antes de ser melhor que Gabriel Medina, campeão mundial de 2014. Frederico Morais está na quarta ronda da prova e entre os 12 melhores do evento

  • Há um quarentão a surfar entre os miúdos. E não, não é Kelly Slater

    Surf

    Houve um tempo em que Glyndyn Ringrose perdeu a confiança e não se conseguiu manter no circuito mundial de surf. A vida dele passou a ser mulher, os dois filhos, a religião e o fabrico de pranchas. No final de 2016, perdeu um testículo para um cancro e quis tentar voltar espreitar a vida que tivera. Aos 43 anos, e depois de 16 épocas fora do circuito, ele vai competir na terceira etapa do circuito, em Bells Beach, contra rapazes que eram crianças quando ele andava nesta vida

  • A segunda etapa para Frederico Morais

    Surf

    A segunda etapa do circuito mundial arranca na noite desta terça-feira, em Margaret River, na costa oeste australiana. Lá mora uma onda que pode favorecer o estilo de surf de Frederico Morais, que vai logo competir contra John John Florence, campeão mundial, na primeira ronda

  • Foi nas últimas, mas Kikas estreou-se a vencer

    Surf

    Na última onda, nos últimos minutos e ainda teve de esperar na areia para saber o resultado. No primeiro heat em que competiu no circuito mundial de surf, em Snapper Rocks, na Austrália, Frederico Morais bateu Felipe Toledo e Ace Buchan e passou à terceira ronda

  • As mãos na água, a cabeça no mar

    Surf

    O título do livro de Mário Cesariny podia ser um dos lemas da vida de Frederico Morais. Ele tem as mãos na água de cada vez que toca na prancha, no fato, num abraço ao pai ou no cabelo com sal e aloirado pelo sol. Que são muitas vezes, porque a cabeça de Kikas está sempre no mar e nas ondas desde que a mãe, à beira da água, o viu, pela primeira vez, a pôr-se de pé na prancha, aos 7 anos

  • Um dos melhores surfistas do mundo está retido no aeroporto de Lisboa há dois dias

    Surf

    Dane Reynolds veio dos EUA e as autoridades têm-no detido há dois dias, no aeroporto da Portela, por não ter um passaporte. O cameraman do americano diz até que lhe tiraram os atacadores dos sapatos. E este não é um surfista qualquer – é um dos mais talentosos de sempre e, talvez, o melhor free surfer da atualidade, que não se interessa pela competição. O SEF garante à Tribuna Expresso que a situação está “em vias de resolução”, mas há um problema: a embaixada dos EUA não emite passaportes para fora. Ou seja, ele terá que ir lá

  • Kelly Slater, uma história sem fim

    Surf

    O melhor surfista de sempre já tem 45 anos e este podia ser o balanço de uma carreira, mas é só mais um capítulo. A temporada arranca dentro de semanas e, sim, ele é outra vez candidato ao título mundial

  • A onda que mudou tudo

    Surf

    Frederico Morais está entre os melhores surfistas do mundo e é apenas o segundo português a entrar num restrito clube chamado WCT. Mas isso significa exatamente o quê?

  • Kikas, visto pelo pai e pelo tio

    Surf

    Frederico Morais apurou-se para o circuito mundial de surf e tornou-se apenas no segundo português a consegui-lo. Falámos com Nuno Morais, o pai que entrava com ele no mar para o empurrar para as ondas. E com Tomaz Morais, o tio que já foi selecionador nacional de râguebi e sabe como o trabalho que o levou até aqui vem, e sempre veio, da família. É assim, na primeira pessoa, que veem Kikas

  • Frederico Morais, quando estava à porta do circuito mundial de surf: “Isto deixa uma pessoa em pulgas”

    Surf

    Quando se meteu no avião para o Havaí estava na 28.ª posição do ranking de qualificação. Na madrugada de sábado surfou tanto na praia de Haleiwa que apenas perdeu para John John Florence, o campeão mundial e nativo lá do sitio, por uma centésima. Com este resultado, Frederico Morais ficou no 10.º lugar e bem perto de se tornar no segundo português a entrar para o circuito mundial de surf

  • Se lhe apetecer, isto vai repetir-se mais vezes que o nome dele

    Surf

    John John Florence venceu em Peniche e, pela primeira vez, é campeão mundial de surf. A frase "era uma questão de tempo" nunca fez tanto sentido: aprendeu a nadar aos dois anos, começou a surfar com cinco, aos oito já se enfiava em Pipeline, onda havaiana e, com 13, foi convidado para o Triple Crown. Ele faz aéreos e sobrevive a tubos com a mesma facilidade com que encara o surf. "Já me disseram que tenho um estilo preguiçoso", admitiu, em tempos. Mas o talento é tanto que só não ganhará mais títulos se não quiser

  • Se lhe apetecer, isto vai repetir-se mais vezes que o nome dele

    Surf

    John John Florence venceu em Peniche e, pela primeira vez, é campeão mundial de surf. A frase "era uma questão de tempo" nunca fez tanto sentido: aprendeu a nadar aos dois anos, começou a surfar com cinco, aos oito já se enfiava em Pipeline, onda havaiana e, com 13, foi convidado para o Triple Crown. Ele faz aéreos e sobrevive a tubos com a mesma facilidade com que encara o surf. "Já me disseram que tenho um estilo preguiçoso", admitiu, em tempos. Mas o talento é tanto que só não ganhará mais títulos se não quiser

  • É a nostalgia, Saca: “Hoje tenho energia para dar e vender”

    Entrevistas Tribuna

    Ele estava animado, sorridente, boné na cabeça e óculos de sol. Descontraído como nunca. Pela primeira vez, Tiago Pires está a assistir à etapa portuguesa do circuito mundial de surf, em Peniche, como adepto. Admitiu-nos que "é estranho" ficar na praia a ver os amigos e outros, contra quem competiu, a surfarem nas ondas em que ainda se imagina "a fazer manobras"

  • Sim, os nossos campeões nacionais de surf são dois irmãos brasileiros

    Surf

    Eles são irmãos de pai diferente, nasceram no Brasil e, há uns anos, vieram para Portugal. Carol seguiu o exemplo de Pedro Henrique e calhou que ambos tivessem muito jeito para estarem de pé, em cima de uma prancha, nas ondas. Tanto que, no mesmo ano, conseguiram ambos ser campeões nacionais de surf. Mas disseram-nos que não tinham isto planeado: "A gente queria ser campeão, mas nunca falámos que tinha de ser ao mesmo tempo"

  • Carissa Moore, a campeã está aqui

    Surf

    É a três vezes campeã mundial de surf (2011, 2013 e 2015) que era suposto, mas não aparece para responder às nossas perguntas. É Carissa Moore, a havaiana que nos responde mais tarde, por e-mail. Aos 24 anos está uma vez mais na luta pelo títulos em Cascais, onde já venceu por duas vezes

  • A melhor do circuito que Portugal pode tornar na melhor do mundo

    Surf

    Olhem para a vida de Tyler Wright: tem a hipótese de, aos 22 anos, ser campeã mundial de surf pela primeira vez, caso vença, em Cascais, a etapa portuguesa do circuito (que começa esta sábado). A australiano podia estar a acusar a pressão, mas não. Apanhámo-la descontraída, com a elogiar Teresa Bonvalot, a portuguesa contra quem vai surfar