Tribuna Expresso

Perfil

Surf

Carissa Moore, a campeã está aqui

É a três vezes campeã mundial de surf (2011, 2013 e 2015) que era suposto, mas não aparece para responder às nossas perguntas. É Carissa Moore, a havaiana que nos responde mais tarde, por e-mail. Aos 24 anos está uma vez mais na luta pelo títulos em Cascais, onde já venceu por duas vezes

Diogo Pombo

Comentários

Cameron Spencer

Partilhar

Há uns anos, Carissa Moore fartou-se de ler e ouvir o mesmo. Estava a caminha de ser campeã do mundo, melhor do que toda a gente, a mais nova de sempre a sê-lo. Já remava para apanhar a onda que, dali a tempos, apenas ela conseguia apanhar. Não se preocupava com o que comia, vivia como queria, feliz da vida, contente por ganhar como era e não como os outros queria que ela fosse. Até ao dia em que o pai lhe perguntou há quanto tempo não se colocava em cima de uma balança. Enfiava na cabeça de uma campeã a preocupação que nunca tivera.

Parecia que todos, menos Carissa, lhe inventavam peso a mais e o esculpiam como o problema num corpo capaz de um surf poderoso, de manobras fortes, que desenhava leques de água como obras de arte. A havaiana, então com 20 e poucos anos, tornou-se insegura, temerosa da maneira como os outros a viam, preocupada com a comida. Chegou a querer vomitar o que ingeria. A ser alvo de trolls de internet que centraram as miras na surfista. Não percebia porque não aparecia nas capas de revistas, destapada por biquínis curtos e com muita pele à mostra. “O meu pai foi o primeiro a reparar. Claro que ele diz as coisas para o meu bem, mas ganhei uma tendência de ouvir apenas a parte negativa, e pensar que ele não estava satisfeito”, escreveu, na altura, no seu blog.

O tempo curou-a. Focou-se “nas coisas incríveis” que o corpo fazia, portanto, pensou na magia que acontecia na relação a três entre Carissa Moore, uma prancha e uma onda. Ignorou os comentários que recebia nas redes sociais, exorcizou os pensamentos de todos os que acham que o surf feminino implicar olhar só para mulheres com pouca roupa e curvas no sítio. E foi surfando, muito e bem, ao ponto de ser a atual campeã mundial e já ter três títulos guardados lá em casa (2011, 2013, e 2015), no Havai. Aparecer, ou não, nas listas das surfistas mais sexys deixou de ser algo que lhe morava na cabeça. Passou a ser contra o que já classificou como “sexualização do surf” feminino.

Ou não. A única pergunta que não nos responde, por e-mail, é a que toca nesse tema. Combinamos falar com Carissa Moore na conferência que apresenta o Cascais Women’s Pro, mas a havaiana, que é terceira do ranking, não aparece. Não quis deixar de passar tempo dentro de água, no mar, onde se tem dado bem e já garantiu a presença nos quartos-de-final da etapa portuguesa do circuito mundial de surf. Deveria estar com o pai, a presença que lhe faz sombra em todas as provas.

Cameron Spencer

Li há tempos que achas que a perna europeia do circuito (etapas de França e Portugal) são uma armadilha para a vossa forma física. Tens uma relação de amor-ódio com a nossa comida? A comida europeia não me estraga a dieta ou a minha preparação. A comida é diferente, mas gosto muito. Especialmente os gelados e os croissants!! A comida portuguesa é deliciosa [yummy, é a expressão que Carissa escolhe]! Adoro a comida do mar, é deliciosa!

E das ondas, gostas? Já venceste a etapa portuguesa por duas vezes. Aqui, as ondas são desafiantes e, por vezes, imprevisíveis. Mas estou a tentar ao máximo percebê-las e adaptar-me às condições.

Já foste três vezes campeã mundial. O que fazes para continuares motivada e na luta pelo título? Há sempre margem para melhorarmos, sempre. Estou a canalizar muita energia para melhorar a minha estratégia e prestação. E viajar à volta do mundo inspira-me sempre a tentar ser melhor do que sou agora.

Estás de novo lá em cima, nas três primeiras, a lutar até ao fim. Vocês continuam a dar-se bem, mesmo estando constantemente a “brigar” por vitórias? Bom, atualmente estou em terceiro no ranking e praticamente fora da corrida. O ano passado fui até ao fim com a Courtney [Conlogue]. E adoro a Tyler [Wright]! Ela é uma pessoa incrível, tanto fora como dentro de água. Somos uma família no tour!

O teu pai acompanha-te em quase todas as etapas. Imaginas-te a competir sem o ter a apoiar-te, na praia? Sim, o meu pai está comigo em quase todas as provas. É fantástico tê-lo ao meu lado. É o meu treinador e um dos meus melhores amigos. A sua presença conforta-me quando estou muito longe de casa.

Achas que algum dia veremos as mulheres e competirem contra os homens? Hum, não sei. É ótimo ter este evento a acontecer ao mesmo tempo que o dos homens [o Cascais Women’s Pro coincide com Billabong Pro Cascais, prova masculina do circuito de qualificação]. Adoro estar perto da energia deles, é inspirador.

  • A melhor do circuito que Portugal pode tornar na melhor do mundo

    Surf

    Olhem para a vida de Tyler Wright: tem a hipótese de, aos 22 anos, ser campeã mundial de surf pela primeira vez, caso vença, em Cascais, a etapa portuguesa do circuito (que começa esta sábado). A australiano podia estar a acusar a pressão, mas não. Apanhámo-la descontraída, com a elogiar Teresa Bonvalot, a portuguesa contra quem vai surfar

  • Kelly Slater ganhou 11 títulos. “Então, eu tenho que fazer mais do que ele”

    Surf

    Aos 13 anos, Teresa Bonvalot já competia e, aos 15, foi campeã nacional. Hoje nem 17 tem e vai competir, pelo quarto ano seguido, na etapa do circuito mundial de surf feminino, em Cascais. Teresa Bonvalot ainda se lembra de dizer, na primeira entrevista que deu, que "queria ser o Kelly Slater em versão feminina". Falámos com ela e ambição é coisa que continua a não lhe faltar