Tribuna Expresso

Perfil

Surf

Foi por uma unha negra, mas Frederico Morais não será o melhor rookie de 2017

Escassos 50 pontos separaram o surfista português do prémio de melhor estreante do ano. Depois de cair na 2.ª ronda do Billabong Pipe Masters, na ilha de Oahu, no Havai, Kikas viu o australiano Connor O'Leary ultrapassá-lo no ranking

Expresso

FOTO Morgan Hancock/Action Plus / Getty Images

Partilhar

Cinquenta pontos foi o que separou Frederico Morais de se tornar no melhor rookie de 2017, depois de ser eliminado logo na 2.ª ronda do Billabong Pipe Masters 2017, na ilha de Oahu, no Havai e última etapa do circuito mundial.

Para ser o melhor estreante desta temporada, Kikas tinha de ficar à frente do australiano Connor O’Leary e esperar que o francês Joan Duru não chegasse à final. Morais caiu logo na 2.ª ronda, ao ser eliminado pelo finalista do último ano, Kanoa Igarashi, terminando a prova em 25.º lugar. Duru ficou igualmente na 2.ª ronda, enquanto O’Leary se qualificou diretamente para a 3.ª ronda, em que seria eliminado.

Ao ser 13.º em Pipeline, O’Leary melhorou um dos seus piores resultados do ano, pelo que nas contas finais fará 29.950 pontos. Kikas fica-se pelos 29.900.

Um ano para recordar

No primeiro ano como membro permanente do circuito mundial de surf, Frederico Morais, de 25 anos, tornou-se no primeiro surfista português a disputar a final de uma etapa, no J-Bay Open, na África do Sul - perderia para o brasileiro Filipe Toledo.

Ainda assim, Kikas ressalva o facto de ter assegurado cedo a permanência entre a elite mundial, no balanço que fez após a eliminação no Havai. “O que de melhor tiro deste ano é mesmo a requalificação e o facto de poder viver tudo isto novamente no próximo ano. Não estou feliz por o ano ter terminado como terminou, mas posso dizer que me diverti muito em 2017 e que senti o apoio de todos”, começou por dizer o português que agora vai regressar a casa, mas já com a cabeça na próxima temporada.

“Agora vou trabalhar no meu surf e procurar melhorá-lo em todos os aspetos. Felizmente tenho a sorte de viver em Portugal, onde temos muito boas ondas: espero que este seja um bom inverno, com boas ondulações”, sublinhou.