Tribuna Expresso

Perfil

Ténis

Wimbledon: Número elevado de desistências levanta dúvidas sobre prémios

Oito atletas desistiram na primeira ronda. Um deles frente a Federer. O suíço sugeriu à organização dos Grand Slams que mude as regras. Em nome do público que paga bilhete para ver ténis.

GLYN KIRK

Partilhar

Entrar no quadro principal de um Grand Slam dá dinheiro. No caso de Wimbledon, rende aos que participam na primeira ronda cerca de 40 mil euros. Não é preciso vencer, apenas começar o jogo.

O dado veio para cima da mesa a propósito do número anormalmente elevado de desistências - oito no total - ocorridos nos primeiros jogos do torneio de Londres.

Duas delas afetaram favoritos à vitória final. O primeiro jogo de Roger Federer durou 43 minutos. O de Novak Djokovic apenas 40. Ambos viram os jogos interrompidos no início do segundo set, por lesão dos adversários.

No caso do adversário do sérvio, a lesão era a mesma que já tinha afastado Martin Klizan no torneio que antecedeu Wimbledon, na Turquia.

Federer falou sobre o assunto no final do seu jogo: “Tenho pena pelo público. Eles estão aqui para assistir a bom ténis”, disse o jogador que ainda terá tentado descobrir Djokovic para um mini jogo improvisado no court central. Sem sucesso.

O suíço recomendou que os torneios do Grand Slam revejam as regras e sugeriu que seguissem o caminho adotado pela Associação de Tenistas Profissionais [ATP, na sigla inglesa], a qual gere os torneios masculinos que não os quatro maiores: Austrália, Rolland Garros, Wimbledon e US Open.

A regra, adoptada este ano, passa por atribuir na mesma o prize money ao jogador que desista do encontro numa altura próxima do início do jogo. O atleta, que esteja inseguro da sua condição física, ganha o prémio e não joga, mas permite desta forma que a vaga seja ocupada. Entra em cena, no seu lugar, o chamado “lucky looser”, alguém que tenha sido eliminado às portas do quadro principal.

Um atleta só pode receber o prémio nestas condições duas vezes na época e nunca em torneios consecutivos.

“Um jogador não deve entrar num jogo se souber que não está em condições de o terminar. A questão é saber se eles sabiam. Se não, acho que é aceitável que joguem, de outro modo devem ceder o lugar”, disse Federer.

De acordo com a imprensa inglesa, o consenso estará distante sobretudo por questões éticas: é correto pagar um prémio a um jogador que nem entrou na quadra?

As razões que afastaram os atletas dos jogos - um durou apenas 15 minutos - são variadas e não mereceram contestação particular. Mas o debate foi lançado. Em Wimbledon, a participação na primeira ronda vale 40 mil euros, o valor mais alto dos quatro grandes torneios. Roland Garros é o que paga menos: cerca de 33 mil euros. Para o vencedor do torneio inglês vai um pouco mais: 2,5 milhões de euros.