Tribuna Expresso

Perfil

Ténis

O lado direito (ou torto?) de Nadal

O tenista espanhol não tem partilhado um histórico muito feliz com o joelho direito, que o fez desistir várias vezes, mas garante que vai regressar no final do mês e já pensa em... Roland Garros

Sara Correia

Rafael Nadal a ser assistido pelo médico, antes de desistir, por lesão, do Open da Austrália

Chaz Niell/Icon Sportswire

Partilhar

27 de maio. Ainda falta algum tempo para o próximo Grand Slam da temporada, mas Rafael Nadal já está a pensar em Roland Garros - onde venceu em 2017. O tenista espanhol vai regressar aos treinos já na próxima semana, para se preparar para o ATP 500 de Acapulco, que vai ter início a 26 de fevereiro. E depois...

"Vou jogar em Acapulco, um torneio de que gosto muito e onde tenho grandes amigos. Vai-me ajudar a preparar para os Masters 1000 de Indian Wells e Miami. A verdade é que para mim é sempre muito especial ganhar em Roland Garros e isso faz com que seja a minha prioridade”, explicou.

Nadal esteve temporariamente afastado das competições, depois de uma distensão na perna direita, durante o Open da Austrália, que o obrigou a desistir do torneio. Mas, recorde-se, esta não é a primeira vez que o tenista espanhol é forçado a estar fora das grandes competições por lesão.

Tudo começou em Xangai

O lado direito de Nadal começa a dar que falar durante o Masters 1000 de Xangai, em outubro de 2017, onde o tenista foi aconselhado, por um médico, a ficar em repouso, depois de contrair uma lesão no joelho durante o torneio chinês. Mais tarde, o atleta espanhol acabou por falhar o ATP 500 de Basileia, na Suiça, por ter uma carga de esforço no mesmo joelho.

Em novembro, o número um do mundo e um dos principais cotados ao título dos Masters 1000 de Paris, desistiu do torneio francês por conta do joelho direito, mais uma vez. Um incómodo que voltou a aparecer mais tarde, em Londres.

A grande temporada de Rafael Nadal chegou ao fim a meio do mês de novembro, de forma antecipada. Mais uma desistência nas ATP Finals, em Londres, onde o espanhol voltou a queixar-se de desconforto no joelho direito.

O tenista espanhol Rafael Nadal e o joelho que lhe dá dores de cabeça

O tenista espanhol Rafael Nadal e o joelho que lhe dá dores de cabeça

Harold Cunningham/Getty

Já este ano, nos quartos-de-final, em Melbourne, no Open Austrália, o joelho de Nadal voltou a dar sinais... poucos minutos depois da desistência contra Marin Cilic, o tenista espanhol apareceu com dificuldades na sala de imprensa. O maiorquino teve de desistir de um torneio do Grand Slam em pleno encontro, pela segunda vez na carreira.

Agora, pairam as dúvidas face à prestação de Nadal em 2018, mas o número um mundial já mostrou vontade de voltar em grande - individualmente e na seleção, onde quer conquistar, pela quinta vez na sua carreira, a prova coletiva mais importante do ténis mundial: a Taça Davis.

Relembre-se que, em 2006, Rafael Nadal não pôde competir por ter uma lesão no pé; em 2010, quando estava a defender o título, abandonou nos quartos de final por estar lesionado no joelho direito; em 2011, fortes dores no adutor fizeram com que o atleta espanhol cedesse nas meias-finais; não competiu em 2013 devido a um vírus no estômago e, no ano seguinte, lesionou-se nas costas, durante uma final.