Tribuna Expresso

Perfil

Ténis

Djokovic: sem resultados, sem confiança e, agora, sem treinadores

Que Novak Djokovic não está bem já sabíamos, e esta quarta-feira soubemos que o sérvio estará pior do que se pensava: o tenista anunciou que já não está a trabalhar com Radek Stepanek e Andre Agassi, os dois treinadores que o acompanhavam

Diogo Pombo

Clive Brunskill

Partilhar

Perdendo ele três dos seis jogos que teve em 2018 - e a última dessas derrotas acontecer, há quase duas semanas, na primeira ronda do Masters de Miami -, era fácil perceber que a relação entre Novak Djokovic e o ténis não está famosa.

O problema é que, pelos vistos, não é o único relacionamento nesse estado.

O sérvio anunciou esta quarta-feira que terminou a ligação com Radek Stepanek e confirmou que também acabou com a que tinha com Andre Agassi.

De uma assentada, Djokovic revelou o fim da relação profissional com o ex-tenista checo, que apenas começara em dezembro de 2017. E confirmou o corte da colaboração com o americano, que no seu tempo venceu oito Grand Slams e no último sábado dissera, sobre esta relação, o seguinte: "Demasiadas vezes acordamos que estamos em desacordo".

Essa falta de acordo ficou refletida no comunicado que o sérvio de 30 anos publicou no seu site oficial, no qual salienta que "a relação privada com Stepanek era e continuará a ser fantástica", deixando apenas uma linha para a informação relativa ao antigo tenista americano, com quem trabalhava desde maio do ano passado: "A cooperação entre Novak e Andre Agassi também terminou".

O sérvio, dono de 12 torneios do Grand Slam conquistados, é o atual 13º classificado do ranking ATP e voltará a competir a 15 de abril, no Masters de Monte Carlo (o primeiro torneio da temporada de terra batida). Nos últimos meses de 2017 esteve a recuperar de uma lesão no cotovelo direito, ao qual chegou a ser operado.

  • Novak Djokovic está a perder a luta contra ele próprio

    Ténis

    O sérvio que vendia por uma fortuna cada ponto que o tinha ao barulho está irreconhecível: dos seis jogos que tem em 2018, venceu três e perdeu outros tantos. Os últimos na primeira ronda de Indian Wells e, na sexta-feira, em Miami, onde Novak Djokovic, vencedor de 12 Grand Slams, soltou uma confissão: "Estou a tentar, mas isto não está a funcionar. Continuo a enfrentar-me a mim mesmo"