Tribuna Expresso

Perfil

Ténis

Boris Becker alega imunidade diplomática da República Centro-Africana para evitar processo de insolvência

O tenista alemão Boris Becker alegou imunidade diplomática para impedir que os seus credores movam um processo contra as dívidas que alegadamente não pagou. Becker diz que é "obrigado a fazê-lo" para "reconstruir a sua vida"

Expresso

Hannes Magerstaedt/Getty

Partilhar

A ex-estrela do ténis, três vezes campeão em Wimbledon, Boris Becker, vai usar a sua posição diplomática como adido das áreas de Desporto, Cultura e Ajuda Humanitária na República Centro-Africana para evitar responder pelos processos de insolvência que estão a correr contra si nos tribunais do Reino Unido.

"Convoquei imunidade diplomática porque de facto tenho que o fazer para poder enfrentar esta farsa e acabar com ela e começar a reconstruir a minha vida. Depois de este esquema lucrativo para os homenzinhos de fato terminar, os meus advogados vão começar a tratar do processo de compensação. Irei perseguir as pessoas que forçaram este processo e serão publicamente trazidos à razão pelos seus atos", disse o tenista alemão, citado pelo diário birtânico "The Guardian".

Becker declarou falência em junho do ano passado por causa de uma dívida (de valor não discriminado) contraida no banco privado Arbuthnot Latham & Co. Um tribunal britânico disse que Becker não estaria em condições de a pagar e obrigou o ex-tenista a seguir com um processo de falência. Por isso mesmo, esta quinta-feira os advogados de Becker decidiram alegar imunidade diplomática. Esta manobra está prevista na Declaração de Viena sobre as Relações Diplomáticas e, de facto, isenta Becker de qualquer processo legal sem que, primeiro, tal seja permitido pela República Centro-Africana.

"Estou muito orgulhoso do meu papel como adido para as áreas do desporto e da cultura para a República Centro-Africana. O desporto é muito importante em África e está a tornar-se cada vez mais uma linguagem universal, uma espécie de diplomacia social e uma ligação entre pessoas de origens completamente diferentes", acrescentou o ex-triplo campeão de Wimbledon.