Tribuna Expresso

Perfil

Um Azar do Kralj

A exibição “estrondosa” de alguém a quem Um Azar do Kralj chama Pinedine Zizane

Um Azar do Kralj acha que Fejsa que desafia as probabilidades estatísticas do futebol, que Nélson Semedo ainda tem tempo para ir buscar um croquete enquanto corre e que Gonçalo Guedes merecia todas as recomendações possíveis no Linkedin

Vasco Mendonça e Nuno Dias, Um Azar do Kralj

Comentários

PATRICIA DE MELO MOREIRA

Partilhar

Ederson

Peixinho grelhado, chá de hipericão e um adversário inofensivo: a fórmula vencedora de mais um jogo em que baliza e aparelho digestivo permaneceram invictos. É NÓIS!

Nélson Semedo

Aos 31 minutos lançou-se num sprint após passe de Fejsa em que contornou o defesa, tendo primeiro passado pelo Califa para comer um croquete antes de tirar um cruzamento perfeito para a cabeça de Gonçalo Guedes. Fora isso, passou boa parte do jogo a desenhar triângulos escalenos com Salvio, Guedes e Pizzi, um carrossel que por diversas vezes fez o impossível, movimentar um autocarro apenas com o poder da mente e os pés. É o único Nélson contratualmente ligado ao Benfica que ainda reúne condições para uma carreira no atletismo.

Luisão

Exibiu-se ao nível habitual nos lances com bola, denotando quase sempre vontade de fazer mais do que é exigido a um futebolista com a sua antiguidade. Menos bem nos lances sem bola, tendo revelado melancolia no olhar perante a inapelável passagem do tempo. Há dois anos e 342 dias que não fintava um adversário no meio campo adversário, mas quebrou a malapata aos 62 minutos, num excelente cruzamento pela direita. A continuar assim parece-nos pouco preparado para ser director de relações internacionais ou coisa do género.

Lindelöf

Os suecos são um dos povos mais felizes do mundo. Se lhes perguntarem, eles dirão que isso se deve a uma combinação de heavy metal, políticas de apoio à família, uma sociedade bem organizada e liberdade para errar. Poderíamos procurar explicações em outros factores, como a estrutura benfiquista ou aquela namorada, mas é mais provável encontrarmos a origem da boa exibição de hoje num inverno chuvoso com café e bolos passado em Umea, no aconchego de uma mãe em licença de maternidade até 2045. Enquanto não nos tornamos uma sociedade melhor, agradeçamos o facto de este cidadão de primeiro mundo ter escolhido o futebol e o Benfica.

Eliseu

Já tínhamos saudades de uma lesão aos 15 minutos de jogo. Não se esqueçam, amanhã há treino de ginásio à porta aberta. Todos ao Seixal!

Fejsa

Vamos supor que alguém queria produzir uma estátua de um futebolista ou dar o seu nome a uma rua. De um ponto de vista financeiro-legal, como é que a coisa se processa? Onde nos devemos dirigir? Com quem é que falamos? Alguém aqui já fez um crowdfunding e pode explicar-nos? Enfim. Ljubomir Fejsa é uma das maiores improbabilidades estatísticas do futebol europeu. Há quase 10 anos que é consecutivamente campeão nacional em diferentes equipas e há cerca de 4 meses que não toma uma decisão errada. Segundo melhor em campo.

Pizzi

Exibição estrondosa do nosso Pinedine Zizane, de longe o melhor em campo. Esta época já soma sete golos, cinco assistências e quatro jogos pela selecção nacional, os mesmos, por exemplo, que Ariza Makukula. Tem no entanto menos cinco internacionalizações do que Jorge Ribeiro e menos sete do que Nelo. Pensem nisso.

Salvio

O velho Salvio que se metia numa alhada junto à bandeira de canto e prosseguia inexplicavelmente rumo à baliza deu lugar a um jogador igualmente impetuoso, ainda assim dado a impossibilidades técnico-tácticas, mas adepto de zonas do terreno mais propensas a que outros joguem à bola consigo, nomeadamente Semedo, que tem ganho melhor a linha, e qualquer outro ser humano vestido de encarnado nos últimos 25/30 metros do corredor central. Acerta uma em cada cinco tentativas, por isso não se queixem. Se acertasse todas não teríamos apenas o melhor ataque da liga portuguesa de futebol, mas mais golos marcados que os séniores do andebol. Deixem-nos brilhar.

Cervi

Completou hoje os seus primeiros 1000 minutos ao serviço do Benfica. A adaptação ao futebol europeu e em especial ao clube que o irá vender por 45 milhões continua a decorrer a bom ritmo e faz-nos perdoar-lhe qualquer erro que cometa. Aos 22 anos, e com aquele físico, é uma das crianças mais disciplinadas que conhecemos. Mais rápido que Salvio a apoiar defensivamente, capaz de partilhar o flanco esquerdo com André Almeida, apesar de nunca terem trocado mais do que duas mensagens no Instagram, sempre disponível para invadir outras zonas do terreno com profundidade e objectividade, Cervi é um valor inseguro deste plantel, porque não deve ficar muito tempo cá.

Gonçalo Guedes

Estão a ver aquelas pessoas no LinkedIn que trabalham num call-center - “diz-se Sales Assistant, OK?” - e ainda assim conseguem receber recomendações em marketing, social media, logística, agricultura vertical, voluntariado e gastronomia molecular? Agora imaginem uma pessoa que, de facto, justifica todas as recomendações. Anotem: Gonçalo Guedes, de quem muito duvidámos, é o agitador de serviço no ataque benfiquista (marketing cultural), foi um dos que melhor aproveitou as diagonais de Jimenez para criar desequilíbrios (geometria), é um dos mais agressivos a pressionar para recuperar a bola (fitness instruction), parece genuinamente aborrecido quando as coisas lhe correm mal (personal branding) e nunca, mas nunca se esconde do jogo (public speaking). É verdade que nem sempre os pés e o cérebro parecem comunicar, mas o trabalho aparece feito.

Raúl Jiménez

As suas movimentações em zonas menos avançadas do terreno demonstram que compreende os princípios da modalidade e aquilo que o mister solicitou. Pode dizer-se que a equipa perde poder de fogo sem Mitroglou na área, mas em contrapartida ganha dois pés e um cérebro em excelente estado, que por sinal valeram um golo. Por isso, enquanto Jonas não regressa, há gente suficiente naquelas deambulações meio campo adentro para que todos possamos continuar a ignorar alegremente quaisquer ideias previamente concebidas acerca de como deveríamos estar a rumar ao tetracampeonato. O importante é que rumemos.

André Almeida

Muito bem a estorvar ofensivamente no lance do primeiro golo, mais uma qualidade que lhe descobrimos. Teve o seu momento alto na partida, quiçá na carreira, aos 70 e poucos minutos, momento em que Hélder Conduto o definiu como o Mascherano do Benfica.

André Carrillo

O nosso Songoku continua a sua pré-época e vai somando minutos em campo, sinal de que o nosso Tartaruga Genial (Rui Vitória) continua a depositar esperança nele. Isso ou vamos despachá-lo em Janeiro, logo se vê. Desenhou um bom lance em conjunto com Pizzi e aparenta menos cagança em campo, excepto ao nível capilar.

Rafa

Devia ter passado a bola no lance do terceiro golo. Felizmente um defesa do Moreirense concordou e colocou a bola à mercê do Jimenez.