Tribuna Expresso

Perfil

Um Azar do Kralj

Os elogios de Um Azar do Kralj ao que alguém fez enquanto Quaresma não regista a patente da trivela

Um Azar do Kralj ainda viu Nélson Semedo criar a Associação de Amigos da Costa Rica e Salvio a provar que não é só no râguebi que as pessoas se sabem comportar

Vasco Mendonça e Nuno Dias, Um Azar do Kralj

Comentários

JOSE MANUEL RIBEIRO

Partilhar

Ederson

Uma mão cheia de boas defesas evitaram in extremis que o Sporting celebrasse o 23º título nacional na Luz. Já agora, numa semana em que muito se falou de tatuagens, o que dizer das de Ederson? Ainda não percebemos se aquilo são ilustrações ou queimaduras de primeiro grau, mas já que falamos no rapaz, é razoavelmente justo referir que foi o melhor em campo.

Nélson Semedo

Começou tímido, mas lá foi ganhando metros a cada investida, o que não é fácil quando se ocupa a mesma zona do campo que Zeegelar, próximo adversário de Conor McGregor na UFC. Uma dessas visitas ao meio-campo do visitante resultou numa excelente assistência para o segundo golo, garantindo uma vantagem que permitiria a mais de 60 mil pessoas fazerem figuras tristes ao som de Enrique Iglesias. Antes de ir tomar banho aproveitou para fundar a AACR - Associação de Amigos da Costa Rica -, com o intuito de apoiar famílias favorecidas oriundas deste país. A família Campbell instalou-se lindamente.

Luisão

Mais uma jornada, mais uma oportunidade para os críticos de Luisão enfiarem a viola no saco. É mais provável Luisão manter a titularidade até ao final da época do que fazer 36 anos a 13 de Fevereiro. Fez um pouco de tudo: cortes providenciais, cortes que minha nossa senhora, cortes que ia correndo mal, cortes que TIRA A BOLA DAÍ, enfim; fez o trabalho que se lhe exige, e só não tentou tirar a bola ao Lindelöf porque podia parecer mal.

Lindelöf

1495 pessoas já assinaram a petição para que Lindelöf visite um barbeiro, curiosamente o mesmo número de recuperações de bola realizadas por Peyroteo ao longo da sua carreira. Mas dizíamos. Há um plano da emissão da BTV, segundos após o final do jogo, em que vemos Lindelöf com aquele penteado de uma criança de 5 anos nas fotografias de Natal do infantário, ainda perplexo com o facto da sua titularidade. A sua angústia existencial ajuda a explicar como, ao longo de 90 minutos, não ganhou um único duelo aéreo. O Jardel já está a pôr aquela ligadura à volta da cabeça.

André Almeida

Ufa. Os dois jogadores mais temidos pelos benquistas na partida de hoje eram Gelson Martins e André Almeida. Muitos tiveram pesadelos com a cara que o Almeidinhos faria quando fosse comido pelo Gelson, aquela cara de um tipo zangado consigo mesmo que procura interpretar o lance ou como é que se tornou futebolista profissional. Nada disso aconteceu. Gelson ainda fez das suas, mas André Almeida lá lhe foi cortando as vazas. Grimaldo que se cuide, o regresso à titularidade está em risco.

Fejsa

Estávamos a brincar em relação àquilo do Grimaldo. Era só para testar quem continuava a ler depois daquela observação. Relativamente a Ljubomir, de dizer que, aos 18 minutos, Adrien Silva lesionou-se numa falta realizada sobre o sérvio, que saiu intacto e penteado do lance, uma síntese perfeita da pujança deste menino. Ao centésimo jogo pelo Benfica está um pouco mais próximo de cumprir a profecia de ser campeão nacional uma carreira inteira, ou seja, o exacto oposto de Rui Patrício. É verdade que não foi imune à tremideira na segunda metade do jogo, mas se virem as estatísticas com atenção hão-de ver que teve 237 passes realizados com sucesso, 53 desarmes e 4 assistências para golo. Mais um bocadinho e ultrapassava o Peyroteo.

Pizzi

Não vivam nessa amargura, amigos. O lance a que meio mundo desportivo se atirará com a argúcia intelectual de um rottweiler é um brevíssimo contacto da bola com a mão aos 24 minutos de jogo que lança a equipa para o contra-ataque e resulta no primeiro golo do Benfica. Foi um lance apenas ao alcance dos predestinados. Duvidam? Adrian tentou imitá-lo pouco depois e o árbitro assinalou falta. Batam mas é continência e não chateiem.

Salvio

Levou um pontapé de William aos 9’ e provou que não é só no râguebi que as pessoas se sabem comportar num relvado. Virou costas ao lance como se não fosse nada e decidiu vingar-se da forma nobre que caracteriza os grandes homens, nomeadamente com uma batatinha lá para dentro e um passe crucial na jogada do segundo golo. Já estes cronistas não se sabem comportar, nem num relvado, nem num teclado, e só gostaram de râguebi quando fomos ao Mundial, portanto queríamos apenas pedir-vos que INCHEM.

Rafa

Enquanto Ricardo Quaresma não regista a patente da trivela, outros atletas vão aperfeiçoando a finíssima arte de aplicar a parte exterior de uma chuteira para passar ou rematar. Podíamos dizer-vos que foi solidário, que se fartou de correr, que as transições ofensivas dependeram muito da sua capacidade física - enquanto a houve -, mas ninguém quer saber disso. E aquele passe? JASUS. Foi uma linha perfeita desenhada no espaço entre o guarda-redes e os centrais.

Gonçalo Guedes

Exibição morna, com destaque para um lance genial aos 15 minutos. Gonçalo segue lançado no contra-ataque, ultrapassa cerca de 32 adversários ao longo da ala esquerda e, quando já só tinha Coates pela frente, é impedido pelo árbitro de celebrar o seu primeiro golo no jogo, devido à existência de umas cartolinas amarrotadas no terreno de jogo, as mesmas cartolinas que Bruno de Carvalho disse terem sido pensadas para incomodar os jogadores do Sporting.

Jiménez

Um desarme a Bryan Ruiz aos 3 minutos, bem longe da baliza que lhe paga o salário, mostrou a mesma garra com que o temos visto lutar pela titularidade. Foi o elemento da equipa que melhor reagiu ao remate de Bas Dost ao poste, nomeadamente marcando o segundo golo do jogo, uma aula de danças latinas realizada sobre o cadáver técnico-táctico de João Pereira. OLÉ!

Danilo

Viu-se que não contava ser utilizado.

Cervi

Ajudou André Almeida numa fase em que ele estava prestes a ser desmascarado e ainda ensaiou uns ataques que lhe permitiram guardar a bola e contar os segundos até ao final. Estamos-lhe gratos por isso.

Samaris

Já sabia grego e português, mas hoje terminou, tal como nós, em espanhol: BAILANDO, BAILANDOOOO.