Tribuna Expresso

Perfil

Um Azar do Kralj

Custou, mas o Benfica lá fez amor. Moral da história: MITROGLOU C#$##$$ (Um Azar do Kralj explica o amor benfiquista)

"Mais uma exibição em modo cozinha de autor que ainda não sabe fazer arroz" e outras considerações de Um Azar do Kralj sobre a vitória do Benfica em Braga

VASCO MENDONÇA E NUNO DIAS, UM AZAR DO KRALJ

MIGUEL RIOPA

Partilhar

Júlio César

Em primeiro lugar boa noite. Em segundo o Porto. Permitam-nos escrever esta piada, especialmente depois deste jogo. Quanto a Júlio César, fez duas ou três defesas mais atentas e acompanhou bem a trajetória da bola no cabeceamento de Battaglia ao poste. Há anos que se fala da sua lesão crónica na coluna, mas curiosamente nunca vimos ninguém falar dos joanetes. Só assim se explicam os muitos pontapés desastrados para a frente.

Nélson Semedo

Demonstrou muito respeito pelo oponente directo, dando-lhe sempre uma nesga de espaço, o suficiente para o adversário acreditar que era possível passar por Semedo. Aconteceu uma vez e meia. Lemos nas notícias que perdeu o prémio de jogador jovem de janeiro para André Silva. Talvez devêssemos excluí-lo desta competição. É que o Nélson exibe demasiada maturidade para competir com jovens. Não é justo para os miúdos.

Luisão

Aos 28 minutos derrubou de forma agressiva Stojiljkovic, naquilo que parecia ser o início de uma horinha de batatada à antiga entre Braga e Benfica. Desta vez os colegas não ouviram o capitão e lá tentaram jogar à bola. Voltou a fazer uma boa exibição e já avisou o presidente que aquela piada sobre a renovação quando estavam todos no balneário não era bem uma piada.

Lindelof

Muito bem a tirar a bola da área após cabeceamento de Battaglia à trave. Foi o único adulto em campo com o penteado de uma criança de 8 anos, o que talvez explique a ansiedade exibida em alguns lances. Não percebemos ainda o que procura, se anular o adversário ou simplesmente afastar a bola de si.

Eliseu

O jogo ofensivo da equipa passou menos por si do que o adversário gostaria e reduziu Eliseu a personagem menor do jogo. Talvez por isso tenha feito por aparecer em tarefas mais defensivas, nomeadamente com duas ou três perdas de bola quase tão desastradas quanto os adversários que não as souberam aproveitar. Aos 22 minutos voltou a tentar um daqueles remates a 300 metros da baliza, mas a idade não perdoa. Desta vez a bola nem chegou à baliza.

Fejsa

Não esperava participar numa partida de matraquilhos ali a meio-campo, mas lá teve de ser. Fez um jogo bastante razoável defensivamente, especialmente dadas as circunstâncias da primeira parte, ao longo da qual foi incumbido de cobrir o meio-campo enquanto carregava o corpo inanimado de Pizzi. Levou duas cuecas, uma das quais do Alan, mas felizmente o Benfica tem excelentes psicólogos.

Pizzi

Diz-se que o ideal antes de uma boa power nap, vulgo sestinha, é tomar um café longo. Isso permite ao indíviduo descansar bem e acordar já sob o efeito da cafeína. Também há quem diga que a duração recomendada de uma power nap é vinte minutos, mas os estudos não são conclusivos. Por exemplo, ainda hoje vimos um jovem calceteiro táctico de Bragança, que após uma sesta de 45 minutos acordou cheio de genica e pronto para voltar a merecer o salário de Fevereiro.

Salvio

Lances individuais contra o mundo inteiro, túneis, mais túneis, incursões pela ala, inflexões pelo meio, pontapés na atmosfera, faltas escusadas, tabelinhas bem conseguidas, mais lances individuais contra o mundo, algum cansaço, mais cansaço, por favor parem o carrossel e deixem-nos sair. As exibições de Salvio têm o caos semi-cómico de um filme de Emir Kusturica, o peso emocional de um Bergman e um retorno inferior à bilheteira do último Ghostbusters.

Zivkovic

Aos 5 minutos, seguia lançado pelo flanco esquerdo quando o comentador da Sport TV o confundiu com Fejsa. Ao fim de 73 minutos, até nós ficámos confusos. Quem é aquele rapaz que jogou hoje? Ponham-no a rodar na equipa B e tragam o Zivkovic de volta.

Rafa

Mais uma exibição em modo cozinha de autor que ainda não sabe fazer arroz. O futebol de Rafa tem sempre qualquer coisinha a mais: por vezes adianta a bola como quem põe rúcula numa salada de pimentos. Outras vezes adorna como quem junta queijo da serra ao pastel de bacalhau. Se o jogo lhe pede um simples refogado, o rapaz lança-se numa redução de vinho do porto. Chegamos ao fim enfartados, a precisar urgentemente de um digestivo que Rafa nos tentará servir com cardamomo, canela e pimenta rosa.

Mitroglou

Uma vez fui a um bar e houve uma rapariga muito engraçada que me despertou a atenção. Estava acompanhada pelo namorado e pelos amigos deste. Entretanto, decido mamar copos até às 4 da manhã e não havia quem me pegasse. Às tantas, já cansado, fui ter com a tal miúda e perguntei-lhe se não queria ir comigo à casa de banho. Foi um fartote. O namorado e os amigos vieram de peito feito, mas levaram uma lambada cada um. Custou, mas lá fizemos amor. Moral da história: MITROGLOU C#$##$$.

Carrillo

Muito bem aos 90’ a levar uma pantufada de Battaglia que atrasou ainda mais o jogo e logo depois a mandar outra no Assis, um justo prémio pela excelente exibição do brasileiro.

Jiménez

Levava um papel nos calções que dizia apenas “Mitroglou, finta meia dúzia de gajos e chuta”, mas a nossa magnífica Liga de Clubes vai dizer que isto não foi uma assistência para golo. Depois admirem-se.

Filipe Augusto

Pouco antes de entrar, olhou para o adjunto Arnaldo Teixeira enquanto este lhe dava indicações precisas com um tablet. O Benfica marcou pouco depois e o tablet ficou sem bateria entretanto, o que dificulta a análise dos seus 3 minutos em campo.