Tribuna Expresso

Perfil

Um Azar do Kralj

O futebol de Bernardo é uma metáfora sobre imbecis (uma ode, por Um Azar do Kralj)

Aqui se elogia Bernardo Silva, o jogador anacrónico que nos tenta aproximar do jogo jogado e da beleza deste desporto

Vasco Mendonça

FRANCK FIFE

Partilhar

Bernardo. Por onde começar? Já sei. Pode ser pelo racismo social. A evolução do futebol na era da hiperconectividade aniquilou as poucas hipóteses que restavam à nossa espécie. Contra mim falo. Afastou-nos da arte pela arte. Afastou-nos do jogo jogado. Estamos condenados.

É por isto que a próxima tatuagem de Ricardo Quaresma terá uma moldura humana, para usar a gíria dos estádios quase sempre vazios, largamente superior a muitos jogos de futebol ou, noutro campeonato, é por isso que neste momento um país inteiro discute, em horário de expediente, a flatulência de Salvador Sobral. Mais 12 pontos para Portugal no Festival da Mediocridade. Não parámos para ouvir. Se o fizéssemos, em vez de um traque talvez mais alguns de nós tivessem atentado na brilhante versão que o vencedor da Eurovisão fez de “A Case of You”, clássico de Joni Mitchell

Infelizmente, Salvador já veio a público pedir desculpa, ou seja, estará agora a ser insultado em caixas de comentários por asnos incapazes de aceitar um pedido de desculpas e muito menos de prestar atenção. Salvador até explicou que fala duas vezes antes de pensar. Aprecio a adaptação do verso de Chico Buarque, mas olhem, eu pensei duas vezes antes de escrever isto e mantenho: são asnos.

O que tem tudo isto a ver com Bernardo Silva? Simples. É um jogador demasiado grande para este tempo. É um artesão, não apenas na medida em que aquilo que produz tem a qualidade das artes maiores, mas também na ética escrupulosa que dedica ao ofício. Dele não se ouve grande coisa, nem se lê nada que valha a pena dissecar. O seu futebol é barro preto de Bisalhães exposto numa casa especializada em plásticos. É uma espécie condenada, uma daquelas realidades distantes e amorosas à beira da estrada que namoramos em passagem. Bernardo Silva é, se não nos pusermos a pau, um último suspiro de ruralidade no litoral cibernético das tatuagens, dos penteados inefáveis, e fundamentalmente de um quociente de inteligência avesso a traques.

Bernardo Silva é única e exclusivamente futebol, e isso, numa altura em que o mundo escolhe discutir tudo menos futebol, e portanto observar tudo menos o jogo, faz de Bernardo Silva um espectáculo lateral. É um pouco como se um streaker metafórico tivesse invadido o estúdio onde decorre um daqueles programas de comentário desportivo conhecidos por atentados ao pudor bem maiores. A câmara mantém-se fixa no comentador, em estrita conformidade com o regulamento da nossa sociedade do espetáculo. O streaker é detido e pagará multa por ter tentado desviar-nos do essencial.

Bernardo Silva é uma metáfora sobre imbecis.

Bernardo Silva é jogador do Manchester City

Bernardo Silva é jogador do Manchester City

FRANCK FIFE/GETTY

É apreciado por alguns, certo, mas muitíssimo menos do que deveria. Não satisfeitos com o triste estado das coisas, em breve recorreremos furiosamente ao videoárbitro, esse novo julgado de guerra, para tecer considerações sobre se isto afinal foi aquilo, se a bola entrou, se o jogador agrediu, enfim, se houve justiça no resultado, essa formulação peregrina inventada por um perdedor.

Admitam. Somos um bocadinho asnos. E tudo porque não prestamos atenção.

Se o vídeoárbitro soubesse melhor, passaria o próximo jogo a observar atentamente Bernardo Silva, num compromisso inédito do cidadão moderno em comandar a sua atenção. A questão a debater seria outra: se Bernardo Silva é arte ou é arte, como diz o Slow J. O autor Matthew B. Crawford, autor do magnífico “The Case For Working With Your Hands”, explica. Diz-nos ele, neste ensaio publicado no New York Times em 2009 em defesa do trabalho manual, que as escolas criam ambientes artificiais, palcos de uma aprendizagem teórica e que as nossas crianças, no fundo, sabem que esse ambiente é uma encenação dificilmente merecedora da sua atenção. A solução, defende o autor, é só uma: trabalhar com as mãos, por forma a tornar um mundo abstrato e distante um pouco mais apaixonante. Celebre-se por isso quem, imune ao estrume de laboratório que aduba os nossos dias, continua a trabalhar essencialmente com os pés.

Mesmo que cada vez menos consigamos reagir a isso. Talvez a realidade nos devesse impor mais sinais de aviso como aquele que encontramos ao atravessar a estação de comboios. Parar, escutar e olhar.

E assim acabamos como começámos: no racismo social. Já é um pouco tarde para deixarmos de ser asnos, mas ainda há tempo para sermos salvos. Aproveite-se a mais que merecida presença de Bernardo Silva em onzes titulares nos próximos 10 a 15 anos. Os seus pés são uma réstia de civilização, a nossa, que teima em chegar ao fim dos jogos como justa perdedora.

Partilhar