Tribuna Expresso

Perfil

Um Azar do Kralj

Não tendo nós um harém, podemos aproveitar o conhecido fetiche de pés da cultura árabe e oferecer-lhes Bernardo Silva (por Um Azar do Kralj)

Pedimos aos Um Azar do Kralj que efabulassem o onze de Portugal contra a Arábia Saudita. E isto foi o que eles nos trouxeram

Vasco Mendonça, Um Azar do Kralj

FRANCK FIFE/Getty

Partilhar

José Sá

Tenho esperança que a titularidade de José Sá na seleção acentue a polémica em torno da situação do Casillas, se possível ao ponto de provocar mais uma reacção inflamada de Sérgio Conceição numa conferência de imprensa e, quem sabe, provocar danos suficientes ao grupo que levem o FC Porto a perder pontos na visita ao Desportivo das Aves. Que foi? Não deixa de ser uma honra para o jogador.

Ricardo Pereira

É um jogador com um ar invulgarmente sério, ou seja, não tem ar de futebolista. Antes de tocar na bola já nos parece ler bem o lance, ou pelo menos com a cordialidade que pauta a ação dos grandes homens. Passeia-se no relvado com a competência de quem por acaso é futebolista, mas podia ser um bolseiro da Fundação Champalimaud. Por exemplo, João Cancelo é um bom jogador mas comporta-se em campo como se o a sua única preocupação fosse esconder a bola num paraíso fiscal. Não sei se é do cabelo.

Kevin Rodrigues

Porque todos os jogos deviam ter um Kevin Rodrigues. É aquele jogador que ninguém sabe quem é, excepto um Luís Freitas Lobo de trazer por casa que ninguém sabe muito bem porque é que está a ver o jogo connosco, só sabemos - porque ele nos disse entretanto - que já viu umas coisas no YouTube e sabe que Kevin Rodrigues é bom no jogo interior. Quando assim for, resta-nos acompanhar essa pessoa à saída.

Edgar Ié

Porque se marcar dois golos os desportivos poderão fazer um trocadilho há muito aguardado pelos adeptos: Portugal volta a dançar o Ié-Ié.

Rúben Dias

O que foi? Nunca viram um defesa de nível mundial antes? Não foi convocado? Deixem-se de preciosismos. Eu também não sei escrever e isto foi publicado no Expresso.

Manuel Fernandes

Porque é o mais próximo que estaremos de um anti-jogador moderno nesta seleção. A sua página oficial no Facebook, com 233 mil fãs, foi actualizada duas vezes nos últimos dois anos. Estranhamente, as suas preocupações têm-se cingido à prática da modalidade. Esteve num exílio russo a aprimorar o seu futebol. Provavelmente divide casa com Edward Snowden. Talvez isso explique que Fernando Santos não se lembrasse sequer da existência deste craque. Raramente ouvimos falar dele, a não ser quando os desportivos precisam que alguém a residir na Rússia diga umas banalidades sobre um atentado em Moscovo ou a pré-eliminatória de uma equipa portuguesa. Esperemos que isso mude. Tem o futebol, a conduta pública e o cabelo certo para nos levar longe.

Bruno Fernandes

Porque é o melhor jogador português dos últimos tempos. Os sportinguistas ofendem-se sempre com as piadas, portanto resolvi falar a sério.

João Mário

É o único flop na presente época em condições de ajudar a equipa nacional, e o único flop que ninguém percebe como é que pode ser um flop, dada a importância do seu contributo na seleção. Devíamos fazer uma lista dos maiores flops na elaboração de onzes de flops. Talvez nos surpreendêssemos. Bom, acho que são caracteres suficientes. Não ser titular indiscutível do Inter é um nadinha criminoso. Faça-se justiça.

Bernardo Silva

Porque os adeptos da Arábia Saudita vieram de muito longe e merecem ser bem tratados. Não tendo nós um harém para lhes oferecer, podemos aproveitar o conhecido fetiche de pés da cultura árabe e oferecer-lhes Bernardo Silva.

Gonçalo Guedes

Simples. Na ausência de Cristiano Ronaldo precisamos de um jogador que esteja ao nível de Messi. Calma, não é o que estão a pensar. É mais do que isso. Gonçalo Guedes tem tantas faltas sofridas na Liga Espanhola como Messi, mas enquanto Messi sofre uma falta a cada 43 minutos, GG7 sofre uma falta, estão preparados?, a cada 29 minutos. INCHEM. E ainda não falámos da qualidade do futebol em si, porque aí então, meus senhores…

André Silva

Porque sem ele nos arriscamos - bastante - a marcar menos golos do que a Arábia Saudita. Desculpem a excessiva racionalidade deste argumento.