Tribuna Expresso

Perfil

Um Azar do Kralj

A cotação de Krovinovic vai subindo ao ritmo da bitcoin, coisa que, pode jurar Um Azar do Kralj, Luís Filipe Vieira não sabe o que é

E continuando na lógica da nova moeda preferida de toda a gente, sobre Rafa, Vasco Mendonça lembra que "um bom princípio de investimento é só investir aquilo que estivermos dispostos a perder"

Vasco Mendonça, Um Azar do Kralj

José Sena Goulão/Lusa

Partilhar

Bruno Varela

No início evitávamos ver as intervenções de Varela, de tão más que eram. Virávamos a cara como se nós tivéssemos cruzado com um acidente. Um dia, porém, demos por nós a observar atentamente, banzados perante o milagre que tornara Varela santo e salvador. Hoje, caros amigos, já nem olhamos, tal é a displicência do adepto a cada lance de perigo dos adversários, simplesmente por sabermos que antes terão de ultrapassar Bruno Varela. Boa sorte.

André Almeida

Nada como uma tarefa fácil mas estimulante para motivar aquele colaborador que não é exatamente brilhante mas está sempre pronto para fazer horas extraordinárias. André Almeida defrontou uns tipos pouco inspirados que raramente lhe conseguiram ganhar um duelo na terra ou pelo ar e ainda teve tempo para uma das melhores desmarcações do jogo num passe de calcanhar que todos nós, até mesmo o VAR, quisemos rever para ter a certeza que tinha mesmo sido o André Almeida.

Jardel

Neste Benfica, there’s no such things as “só perdeu um duelo no jogo aéreo”. Isso era dantes, quando éramos tetracampeões e respirávamos bazófia. Entretanto, saíram três jogadores que mais parecem seis e cada falha nossa é celebrada pelos adversários com uma eficácia inversamente proporcional aos nossos níveis de confiança. Portanto, perder um duelo no jogo aéreo é sinónimo de relançar o jogo, que por sua vez nos aproxima de estados de alma como “outra vez esta m****”, “já fomos” ou “epá, onde é que anda o Rúben Dias?”

Luisão

É amado e odiado pelos vídeo-árbitros por esse país fora. Sem querer, tornou-se protagonista do folclore diário protagonizado por diretores de comunicação. É natural que pessoas desse calibre não percam tempo a constatar o bom nível das exibições de Luisão nas últimas semanas e mais uma vez hoje. É que isso implicaria falar de futebol.

Grimaldo

O seu jogo alternou, como sempre, entre a brilhante acutilância ofensiva capaz de ressuscitar um morto e a ocasional displicência defensiva capaz de provocar um morto, alterna entre uma invejável aptidão para a alta competição e a proverbial paragem de 4 a 6 semanas. No fundo, a carreira de Grimaldo ao serviço do Benfica situa-se algures entre o céu e Eliseu. Hoje sobreviveu a mais 90 minutos. Aproveitemos como se fosse a última vez.

Fejsa

Para além da exibição sóbria perturbada apenas esporadicamente por Lucas Evangelista, Fejsa voltou a mostrar que é possível ser substituído por Samaris e não insultar Rui Vitória.

Krovinovic

Mais uma grande exibição a comandar o jogo, a chamar a bola até si, a lançar ataques venenosos que fazem lembrar um columbófilo a lançar os melhores pombos. A sua cotação continua a subir ao ritmo da bitcoin. Uma unha de Krovinovic vale agora 16 mil euros e Jorge Mendes deverá começar já amanhã a negociar futuros de Krovinovic. Luís Filipe Vieira não sabe o que é uma bitcoin, mas está por tudo.

Pizzi

Falhou uma oportunidade flagrante aos 5 minutos e a partir daí limitou-se a passar a bola competentemente a qualquer colega menos enguiçado do que ele. Até Bruno Varela recebeu um passe isolado perante o guarda-redes adversário.

Cervi

Passou grande parte do jogo a ultrapassar adversários pela esquerda como se fossem pinos. Não obstante os seus cruzamentos terem acertado nesses mesmos pinos algumas cinquenta vezes, a primeira tentativa resultou no golo inaugural e uma das últimas permitiu a Krovinovic espetar o terceiro e assim matar o jogo. Até um pino concordará que é um balanço positivo ou até o melhor jogador em campo.

Salvio

Um golo (o quinto na liga) e uma assistência (a terceira) do melhor segundo avançado a que poderemos aspirar a esta época. Habituem-se. A nossa relação com Salvio é a do marido que ao fim de vinte anos de casamento, com vinte quilos a mais e vinte frases de engate a menos, pondera por breves instantes como seria um regresso à vida de solteiro, para logo depois se encostar em conchinha à única pessoa no mundo capaz de o aturar. Nem sempre parece, mas isto é amor.

Jonas

Aquele regresso enfadonho aos golos do único indivíduo na primeira liga que tem mais golos do que jogos realizados, tantos golos como Bas Dost e Bruno Fernandes juntos e apenas menos um do que Aboubarega (uma combinação de Aboubakar com Marega). Só lhe falta ter mais pontos no campeonato para as suas estatísticas neste campeonato serem ainda mais ridículas.

Samaris

É aquele jogador que Rui Vitória coloca em campo quando sente necessidade de tornar um jogo entediante um pouco mais entediante. Continua a cumprir escrupulosamente.

Rafa

Voltando ao tema bitcoin, um bom princípio de investimento é só investir aquilo que estivermos dispostos a perder.

Jimenez

Faltam-me adjetivos. Literalmente. Não há nada que possa dizer sobre este rapaz. Passei mais tempo a pensar no que dizer do que ele passou em campo. Tem sido quase sempre assim. A culpa não é de Jimenez, mas vou passar a usar este espaço para recomendar um livro, um filme ou uma canção. Começamos já hoje, com “Deep Work”, um livro de Cal Newport sobre a importância de nos dedicarmos atentamente ao trabalho que temos em mãos, para assim não demorarmos mais do que seria normal a enviar um texto para o Expresso. Entre outras coisas.