Tribuna Expresso

Perfil

Um Azar do Kralj

Bem-vindos a mais uma edição de “O que é que este tipo continua a fazer no Benfica?”, por Um Azar do Kralj

É verdade que o Benfica ganhou, portou-se bem e encurtou as diferenças para os rivais, mas Um Azar do Kralj, mais do que não descortinar mais adjetivos para dizem bem de Jonas e aconselhar que se levem algumas velas a Fátima, por Krovinovic, questionou a continuada presença de alguns jogadores no plantel

Vasco Mendonça, Um Azar do Kralj

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Partilhar

Bruno Varela

A saída aos 31’ para fazer a mancha a Davidson já depois de o árbitro ter apitado só lhe ficou bem. Esteve bem em outros capítulos particularmente relevantes neste desporto colectivo, tais como incentivar os colegas, celebrar golos e pedir a Douglas que tentasse defender melhor.

Douglas

O seu desempenho ofensivo faz-nos acreditar que há ali um bom suplente de André Almeida. Já a defender, fez o Chaves sentir-se em superioridade numérica. Os adversários que defrontam Douglas devem visualizar um pino em vez de um ser humano, tal é a confiança com que abordam cada duelo. Ainda assim, fez o suficiente para não ser violentamente insultado. Considerem isto um elogio.

Rúben Dias

Já ninguém duvida dele. O filme da vida de Rúben Dias aproxima-se de uma suas cenas mais marcantes: o dia em que o aprendiz irá superar o mestre. É um lugar comum do cinema, mas não da defesa benfiquista. Vai ser mais ou menos assim: um destes dias, Jardel vai levar cinquenta e sete pontos após uma disputa de bola impiedosa com um tipo qualquer emprestado pelo Sporting. No jogo seguinte, Rúben Dias fará dupla com Luisão. O mestre tem assistido atentamente à evolução do jovem Rúben. No seu íntimo, sente que Rúben está pronto para assumir a liderança da defesa, mas espera pelo momento ideal. Minuto 7. Luisão é batido em velocidade. Rúben olha para o eterno capitão e, a medo, corrige a posição. Luisão sorri por um instante, como que dizendo “estás pronto, miúdo” e aceita a instrução do novo capitão do Benfica, não sem antes ser batido novamente em velocidade. É assim que nascem os líderes.

Jardel

Não foi por acaso que o marketing do clube convocou Jardel para uma sessão de autógrafos na megastore há poucos dias. Os adeptos benfiquistas reconciliaram-se com o seu atleta mediano favorito (desculpa, André Almeida) e isso nota-se no futebol que Jardel exibe em campo. Parece até mais feliz. Imaginem uma Julie Andrews brasileira se "A Música no Coração" fosse realizado por Rui Vitória.

Grimaldo

Eficaz e prático a defender. Profundo e agressivo a atacar. Alguém precisa de fazer uma montagem em que o cartaz de "Reservoir Dogs" passa a exibir Grimaldo no lugar de Steve Buscemi, acompanhado por Krovinovic, Cervi e Jonas.

Fejsa

Não sei se já repararam, mas ele faz isto em todos os jogos. Há dois ou três lances por jogo em que Fejsa se diverte um pouco com o efeito que a sua presença em campo produz nos adversários. Sempre igual: o sérvio coloca-se a 5 metros de um qualquer adversário e grita “é meu!”. A partir daí, tudo é possível. Já vi adversários que tropeçaram em si mesmos, já vi gente que passou a bola diretamente a Fejsa, e há pessoas que simplesmente deixam a bola no mesmo local onde a viram e se afastam para deixar Fejsa passar.

Krovinovic

Decisivo. Não sei se o General Nhaga continua a receber ordenado, mas está na hora de contratar os seus serviços. A par disso, tendo em conta que vivemos num país maioritariamente católico e benfiquista, o clube deveria marcar uma ida a Fátima para acender velas. Isso ou um novo estandarte. Pode ser encarnado como aquele do Natal com o menino Jesus, mas trocamo-lo pelo Krovinovic.

Pizzi

Boa exibição. Aos poucos parece aceitar que o seu papel no onze é o de ser o Scottie Pippen de Krovinovic. A grande verdade é que têm os mesmos anéis, amigos.

Salvio

As melhores assistências na liga portuguesa são as do Estádio da Luz e as de Salvio. Hoje somou mais uma - brilhante -, apenas possível depois de anos a falhar passes fáceis para, enfim, desenvolver um entendimento telepático com Jonas. É um facto que não fez muito mais do que isso, nem precisava. Pensem assim: Salvio podia não fazer rigorosamente mais nada até ao final do campeonato e mesmo assim seria um dos melhores do Benfica esta época. Felizmente nada leva a crer que ele ficou por aqui. Lembrem-se disso quando o nosso Toto subir ao palco do Marquês.

Cervi

Juntamente com Grimaldo são, taticamente falando, o melhor acordeão que este país já viu desde Quim Barreiros. O argentino aproveitou mais uma vez as muitas facilidades concedidas pelo seu talento para voltar a fazer estragos no flanco esquerdo - e nem foi dos seus melhores jogos. Investigue-se.

Jonas

Não sei o que vos dizer. Desta vez tive que pedir ajuda: https://www.quora.com/unanswered/O-que-fazer-quando-nos-faltam-adjetivos. Permitam-me que aguarde pelas respostas. Prometo regressar a este tema na próxima jornada.

João Carvalho

Demonstrou aquela confiança muito particular de quem espera pacientemente por uma lesão de Krovinovic para regressar ao onze titular. Agora é evitar molhar os calções com a sua própria urina.

Seferovic

Foi bom vê-lo regressar aos relvados. Não foi nada. É só uma daquelas coisas que se diz. Vê lá se curas a depressão, amigo. Isto é o Benfica.

Jiménez

Bem-vindos a mais uma edição de “O que é que este tipo continua a fazer no Benfica?”. Esta semana, recomendamos o livro “Volta a Portugal”, de Álvaro Domingues. É um retrato extraordinário de um país em que vivemos mas nem sempre reconhecemos como nosso.