Tribuna Expresso

Perfil

Um Azar do Kralj

Mensagem de apoio a Rui Vitória, provavelmente o melhor treinador do mundo

Vasco Mendonça, do Um Azar do Kralj, assumiu que andou na escola com o treinador do Benfica para o tratar por tu e, numa altura em qua faltam sete finais no campeonato, dedicar-lhe umas palavras simpáticas. Porque, independentemente do que acontecer, a vida continua e "saúdinha é que é preciso"

Vasco Mendonça, Um Azar do Kralj

MÁRIO CRUZ/LUSA

Partilhar

Faltam 7 finais para a conquista do penta e eu não sou o Guilherme Cabral.

Não sei editar vídeos, não tenho jeito para palestras motivacionais e, acima de tudo, já não consigo olhar para este campeonato com lirismo. Certo, toda a gente espera que vocês se superem, que extrapolem os limites da condição humana, que ultrapassem a adversidade quando já ninguém achar que é possível, que sejam metaforicamente propulsionados por milhões de adeptos para um título que só pode ser vosso e de mais ninguém, e que façam isso tudo ao som de uma música excessivamente dramática. Ufa. Juro que não sei como é que o Guilherme consegue.

Bem, este texto dirige-se ao nosso treinador.

Ele não me conhece e dificilmente irá ler isto, mas para efeitos de estilo eu vou dirigir-me a Rui Vitória como se ele ligasse peva ao que eu escrevo. Olá, Rui. Finalmente, não é? Parece que andamos desencontrados há anos. Eu a tentar dirigir-te a palavra e dar-te um abraço, tu a afastar o olhar porque não me conheces de lado nenhum.

Enfim. Não sei se podemos tratar-nos por tu e não vou descobrir nos próximos minutos, portanto vou assumir que andámos juntos na escola. Eu sou um dos ignorantes que ao longo das últimas quase três temporadas disse à boca cheia que o Benfica não tinha o melhor treinador do mundo. Não é lirismo, não senhor. E também não estou a exagerar.

Em primeiro lugar, sim, sou um bocado ignorante. Em segundo, tu és de facto um dos melhores treinadores do mundo. Quem disser o contrário que peça ao Guardiola para treinar o City na próxima época sem o David Silva, o De Bruyne ou o Sané e sem um tostão para os substituir. Peçam ao Zidane para levar o Real Madrid à conquista de mais uma Champions sem o Ronaldo, o Modric ou o Bale. Peçam ao Jorge Jesus para treinar o Sporting sem o Rui Patrício. Ou peçam ao Sérgio Conceição para ganhar ao Boavista sem o Wagner. Logo vemos o que acontece. Boa sorte.

Confesso que estou ansioso. Acordo todos os dias a pensar nisto. Não sei quanto aos outros benfiquistas, mas eu já cancelei todos os planos para os fins-de-semana de 5/6 e 12/13 de maio. Continuo indeciso. O meu coração balança entre a possibilidade de celebrar o título em Alvalade na penúltima jornada e a bonita imagem de mais um título conquistado em nossa casa. Sim, eu sei que estou a pôr a carroça à frente dos bois, mas fica só entre nós.

Sendo tu tão benfiquista como os benfiquistas, sei que também já sonhaste com isso algumas vezes.

Quanto aos críticos, não ligues. A malta diz mal porque quer sempre mais e também porque às tantas se torna cansativo passar quatro anos a elogiar toda a gente. O que é demais enjoa. Precisamos de algum drama. Eu, tu, até o próprio, de certa forma todos precisámos daquele frango do Varela. Fez-nos ver que o maior clube do mundo é afinal feito de humanos e que esses extraordinários membros da espécie também cometem erros. Faz parte. É formativo. A receita não é a mesma sem os condimentos. São o sal e a pimenta que fazem tudo saber melhor no fim.

Além disso, tu sabes como é a sina dos clubes maiores e de quem os comanda. No Benfica não chega ganhar por um a zero. Muda aos sete e meio, acaba aos quinze, e o Jiménez entra a 25 minutos do fim. Siga. Quem disser que tudo isto é lirismo não merece subir comigo à estátua do Marquês em maio.

Mas sabes que mais? Se não acontecer, não será o fim do mundo. Vou ser gozado por meia dúzia de amigos portistas ou sportinguistas que vão ler isto e esperar pacientemente pela oportunidade de me esfregar as palavras na cara - provavelmente mais portistas do que sportinguistas. A vida continua. Saúdinha é que é preciso.

Penso que falo por muitos mais benfiquistas quando te digo isto: aconteça o que acontecer, estamos muitíssimo gratos pelo teu tempo ao serviço do Benfica. Deste-nos dias incrivelmente felizes, tu e os jogadores. Isso, meu caro Rui, não é lirismo nenhum. É a beleza poética dos factos.

É prosa em verso, tal como esta época que tantas vezes me/nos pareceu inapelavelmente perdida e agora está mais perto do que nunca de ser uma memória linda. Se já aconteceu, pode muito bem voltar a acontecer. Tu que o digas.

P.S. - Eu sei que não é o fórum adequado, mas enviei um e-mail ontem e ninguém me respondeu. No próximo fim-de-semana vêm aí uns primos meus da Alemanha e eles queriam ver o jogo com o Vitória. Não tem que ser na tribuna. Pode ser para o piso 3. Se alguém te perguntar, diz que o retorno esperado é o meu benfiquismo até morrer. Sei lá, vê tu como achares melhor.