Tribuna Expresso

Perfil

Um Azar do Kralj

Um Azar do Kralj e um texto improvável com Deus, Lili Caneças, Car Seat Headrest, Ribéry - e marijuana

Vasco Mendonça analisa os jogadores que alinharam contra o Uruguai, deixando um aviso: Ronaldo não dura para sempre

Vasco Mendonça

KIRILL KUDRYAVTSEV / Getty

Partilhar

Rui Patrício

É muito raro cometer erros ao serviço da seleção, mas talvez tenha subestimado a inteligência de Cavani no lance do segundo golo. Um passinho a mais para a sua direita fez a diferença entre a sensação amarga de que podíamos ter chegado mais longe e a constatação de que caímos frente a uma grande equipa. Rui Patrício bem quis, mas é difícil um guarda-redes vingar-se quando o adversário lhe dá tão poucas oportunidades como hoje. O Uruguai rematou muito pouco e muito bem. Perante a impossibilidade de se redimir com uma grande defesa, Rui Patrício terminou o jogo a tentar vingar-se marcando um golo, fosse de que forma fosse. Se lá estivéssemos teríamos feito o mesmo.

Ricardo Pereira

O povo, entidade conhecida por fazer demasiadas exigências, há muito que reivindica melhor futebol, lugares de estacionamento em Campo de Ourique e mudanças na equipa. Fernando Santos, que não faz milagres, conseguiu realizar dois desses desejos. Pôs a equipa a jogar melhor futebol e entendeu que Ricardo Pereira faria parte do plano. Problema: para termos Ricardo Pereira, perdemos Cédric Soares. Parece uma máxima inventada por Lili Caneças? Elogio aceite. Sempre que quisemos atacarmos melhor e com maior profundidade nas acções dos laterais, perdemos atributos defensivos pelos quais pagámos caro. Como se isso não bastasse, já dei três voltas ao Jardim da Parada e nada. Em suma, temos o país que merecemos.

Pepe

Deus dá, Deus tira. Quem diz Deus diz Pepe, que também se escreve com quatro letras e participou em dois lances que tão depressa nos devolveram a esperança como nos devolveram às nossas proverbiais inseguranças. Esta conhecida máxima bíblica diz-nos que devemos aceita com fé e humildade aquilo que a vida nos dá. Tudo isto faz parte de um plano maior para nós, dos cabeceamentos fulminantes às abordagens precipitadas. Tudo certo, mas, Deus, se me estiveres a ler: talvez amanhã à hora da missa consiga engolir essa. Neste momento ainda não estou capaz.

José Fonte

Não me parece que seja sua a responsabilidade nos dois golos, mas sim dos laterais. Posto isto, fez uma exibição competente, mas o melhor momento aconteceu já depois de confirmada a eliminação. A entrevista de José Fonte na zona mista merece ser vista por toda a gente, em especial nos escalões jovens das seleções nacionais. Perguntaram-lhe se era a última oportunidade de conquistar um mundial. Objectivamente, a resposta é sim. Mas José Fonte, um trintão que hoje joga na China porque começou a poupar tarde, um jovem de espírito que passou pela terceira divisão inglesa antes de se estrear, já trintão, pela seleção sénior do seu país, negou que o fim tivesse chegado e mostrou-se disponível para dar a vida pela seleção se assim que lhe for pedido. A cultura de seleção que às vezes nos falta também se faz disto. P.S. - Felizmente não passámos aos quartos, porque Mbappé poderia muito bem ter ceifado a vida do nosso José Fonte.

Raphaël Guerreiro

É oficial: Raphaël Guerreiro está finalmente recuperado da lesão sofrida no ano passado. Entrou mal no jogo de hoje, fazendo má figura no primeiro golo, mas teve tempo para confirmar o que já se suspeitava: está por semanas o regresso daquele lateral esquerdo que vimos no Euro 2016. Fernando Santos sabia o que estava fazer. Estava a prepará-lo para a final. Foi pena.

William Carvalho

Mais um belíssimo jogo em que, acossado por meia dúzia de uruguaios com fome de bola, conduziu a sua actividade com uma elegância saída de um concurso equestre. Uma nota de elogio à FIFA pela instalação de um guichet esta noite na zona mista. Os clubes interessados em William tiraram uma senha e aguardam ainda por uma oportunidade de seduzir o nosso imponente centrocampista.

Adrien Silva

Esteve mais apagado esta noite, mas nada que o antigo clube de Adrien Silva não se encarregue de fazer esquecer ao anunciar José Peseiro como seu novo treinador.

João Mário

Ainda vai calar muita gente. Vão ver no Euro2020.

Bernardo Silva

Eis o que é preciso compreender acerca deste fenomenal cuidador de objectos esféricos. Basta Bernardo Silva ter a bola mais tempo colada ao seu pé esquerdo durante um jogo para todos desatarem a elogiar a sua exibição. Só hoje isso aconteceu neste Mundial. Pode até dar-se o caso de algumas das suas iniciativas terem sido pouco consequentes, ou de mais de metade das suas posses de bola serem cruzamentos que nunca chegam a acontecer, mas isso nunca será verdadeiramente um problema, desde que a bola permaneça colada ao pé ou, por outra, se separe do seu pé como só o pé de Bernardo Silva é capaz de o fazer. O adepto ama Bernardo Silva pela identidade que empresta ao mais simples gesto técnico. Mais do que perceber de futebol, o adepto sabe que é Bernardo quem recebeu a bola, quem a passou, quem rodopiou elegantemente sobre si mesmo com a dimensão dos jogadores mais cerebrais e cuidadosos. O adepto reconhece tudo isto e revê-se enquanto esteta, como se ambos, nós e Bernardo, descobríssemos naquele momento que gostamos do mesmo Rothko, do novo disco do Pusha T, ou tivéssemos ambos ido a Paris ver os Car Seat Headrest. É a chamada afinidade eletiva. Ambos sabemos, nós e Bernardo, que foi por causa de divindades como o seu pé esquerdo que nos apaixonámos por este desporto. Que bom que é saber que ele só tem 23 anos. Temos todos uma vida inteira pela frente.

Gonçalo Guedes

É um miúdo com uma genica extraordinária que ainda nos vai dar muitas alegrias, assim que levantar a cabeça. Não precisa de pensar no próximo jogo. A ideia é levantar a cabeça no jogo em que está a participar.

Cristiano Ronaldo

Talvez a maior tristeza de todas seja, não a eliminação, mas o final cada vez mais próximo desta era futebolística. Ver Ronaldo e Messi irem para casa tão cedo, cada qual a passos largos para o lusco fusco da sua carreira, é uma pequena tragédia e - ainda - não há sprint de Mbappé que me tire desta depressão. Terá sido porventura o pior jogo de Ronaldo no Mundial, mas não nos esqueçamos que foi ele quem mais nos fez acreditar no lema desta seleção #ConquistaOSonho. Um dia, quando dermos por isso, já o sonho acabou e Ronaldo estará na bancada ou no banco a dar instruções a gente mais nova do que ele. Que tudo isto termine nos oitavos é secundário. É a finitude de jogadores como Ronaldo que devemos verdadeiramente lamentar.

Ricardo Quaresma

Ainda tentou, mas as pernas já não acompanhavam a crença. A sua melhor trivela de hoje foi uma que felizmente não aconteceu, mas que todos chegámos a imaginar, em cheio no árbitro. Antes disso, Quaresma tentou à sua maneira dotar o jogo português da sua rebeldia, mas os uruguaios mantiveram-se intransigentes, dignificando a provável despedida de Quaresma na seleção.

André Silva

É demasiado bem parecido e aprumado para jogar futebol. Fica sempre a sensação de que seria um monstro futebolístico se tivesse uma cicatriz tipo a do Ribéry.

Manuel Fernandes

Não sei se sabem, mas já é legal consumir marijuana para fins medicinais em Portugal.