Tribuna Expresso

Perfil

O desporto como nunca o leu: a newsletter Tribuna 12.45.
Todas as segundas-feiras, à hora marcada

Ao subscrever, a informação partilhada será usada de acordo com a Política de Privacidade

  • Tendo em conta o futebol praticado pelo Benfica na final da Taça de Portugal frente ao FC Porto, Bruno Vieira Amaral entreteve-se a tentar descobrir a cor das novas camisolas benfiquistas: “papaia”, “salmão”, “coral claro”, “tomate” e “terracota”

  • David Simão fez toda a formação no Benfica mas nunca conseguiu impôr-se na equipa principal, onde sente ter sido mal-tratado por António Carraça, ainda jovem. Acabou por estabilizar três anos em Arouca, depois de passar pelo Fátima, Paços de Ferreira, Académica e Marítimo. Mas foi com o início da aventura lá fora, na Bulgária, Bélgica, Grécia e Israel, que conseguiu amealhar o suficiente para tentar dar um futuro desafogado à família. Com a vida em suspenso, apesar de ainda ter contrato com os gregos do AEK, diz que o seu futuro passará sempre pelo futebol, embora esteja a estudar a hipótese de abrir um sítio especializado em francesinhas, na capital

  • Quando a Liga Meo Surf arrancou, no fim de junho, deu a primeira prova de surf ao mundo pós-confinamento, na Figueira da Foz, onde Filipe Jervis chegou à primeira final nacional da carreira. Tem 29 anos, já deixou de fazer vida do surf de competição há muito e hoje tem-no como um hóbi, mas, quando soube que ia competir no heat decisivo, sentou-se no carro e começou a chorar. "Foi uma descompressão muito grande", confessa, em entrevista à Tribuna Expresso. Jervis olha para miúdos e faz-lhe "um bocado de confusão" que já pensem em competir: "não há nada pior do que teres 13 anos, não teres nível, mas seres 'obrigado' a entrar numa prova, porque os teus pais querem, e vais levar na pá constantemente". Começa, esta sexta-feira, a terceira etapa do circuito nacional, na Praia Grande