Tribuna Expresso

Perfil

A casa às costas

Varela: “Uma vez fechei o Maicon na varanda do quarto do hotel. Ele não via ninguém, começou a ficar aflito, até que resolveu saltar”

Em pequeno preferia brincar nas obras ou ir roubar fruta ao quintal dos vizinhos com o irmão gémeo, a jogar futebol. Ainda assim foi parar à formação do Sporting, onde criou forte amizade com João Moutinho, que viria a encontrar mais tarde no FC Porto. Confessa que começou por ser sportinguista mas que o coração acabou conquistado pelo FCP, clube onde mais gostou de jogar em Portugal. Depois de passagens por Espanha, Inglaterra e Itália, iniciou nova aventura pelo Kayserispor da Turquia, cujo contrato termina esta época. Sobre o futuro não tem certezas. Já as saudades das filhas, são mais que muitas

Alexandra Simões de Abreu

Partilhar

Nasceu em Lisboa mas tem origem cabo-verdiana não tem?
Sim, a minha mãe é cabo-verdiana e o meu pai é senegalês.

Tem irmãos?
Tenho um irmão gémeo falso, o Sílvio, o Carlos e a Sandra, que são mais velhos. O Carlos tem 34 anos e a minha irmã 38.

Nasceram todos em Portugal?
Sim.

O que faziam os seu pais quando nasceu?
A minha mãe trabalhava num lar de idosos e o meu pai na construção civil.

E viviam onde?
Na Vila Nova da Caparica.

Varela e o irmão gémeo, Silvio

Varela e o irmão gémeo, Silvio

D.R.

Quais são as suas primeiras lembranças da infância?
As brincadeiras na rua, mas não ligava muito à bola. Andava na coboiada pelo bairro. Ia com os meus amigos brincar nas obras, fazia muitas asneiras, até tenho vergonha de dizer (risos).

Que asneiras?
Às vezes apanhávamos fruta do quintal dos vizinhos (risos).

E da escola gostava ou nem por isso?
Gostava de ir à escola. Era um rapaz tímido, mas gostava de estar com os meus colegas de brincar. Ia, fazia o que tinha que fazer, o que a professora mandava. Sempre respeitei os professores. Mais tarde, quando comecei a jogar futebol, a escola começou a ficar para trás aos poucos.

Se não gostava de jogar à bola quando era pequeno, como surge o futebol na sua vida?
Lembro-me que o meu irmão mais velho, o Carlos, estava a jogar à bola na rua e passou um senhor, o senhor Zé, que estava à procura de miúdos para irem jogar nos Pescadores da Caparica. Ele falou com o meu irmão, depois foi até casa e falou com os meus pais. Quando viu que o Carlos tinha mais irmãos perguntou se não queríamos começar a jogar futebol. No primeiro treino eu estava a brincar com os meus amigos na rua e nem queria ir; o meu pai teve que ir chamar-me e dizer para ir para o treino, e lá fui. No início jogávamos em campos de areia, e eu e o meu irmão gémeo ficámos a fazer montes de areia em vez de treinar e jogar (risos).

Não ligava ao futebol…
Não ligava. Mas o tempo foi passando e eu fui vendo que tinha algum jeito, fui gostando e depois virou uma paixão.

Os pais de Silvestre Varela

Os pais de Silvestre Varela

D.R.

Quando era pequenino torcia por algum clube?
Nessa altura quando comecei a ligar mais ao futebol, comecei a gostar do Sporting. A minha família era toda sportinguista, só a minha irmã é que era do Benfica. Depois o meu irmão também acabou por ir jogar no Sporting.

O mais velho?
Sim, o Carlos. Acabou por jogar no Sporting primeiro do que eu. Fizemos dois jogos treino contra o Sporting, um em casa e outro fora. Perdemos os dois, mas eu e o meu irmão por acaso jogámos muito bem e na altura o Sporting queria levar-nos, só que só foi ele.

Porquê?
Porque eu era muito pequeno para ir para Lisboa. Tinhas uns 10, 11 anos.

Nessa altura já gostava de ter ido para o Sporting ou ainda não ligava muito ao futebol?
Na altura gostava de ter ido, mas sabia que era difícil. Não havia grandes condições dos meus pais me poderem acompanhar e levar ao treino e continuei nos Pescadores da Costa com o meu irmão gémeo. O meu irmão mais velho foi para o Sporting porque tinha boleia de um colega e os meus pais acabaram por deixá-lo ir.

Quando é que houve aquele click na sua cabeça para o futebol?
Nessa altura comecei a aperceber-me que tinha jeito e que podia ir longe no futebol. As pessoas falavam comigo, os treinadores, os senhores do clube e muitas vezes o Sporting e o Benfica queriam que eu fosse às captações. Mas só fui nos juvenis.

Varela com o irmão gémeo Silvio,

Varela com o irmão gémeo Silvio,

D.R.

Com que idade é que foi para o Sporting?
Com 16.

Nessa altura ainda estava na escola?
Estava, só larguei a escola nos juniores de 2.º ano, fiz o 10.º ano.

Quem eram os seus ídolos do futebol?
Gostava muito do Ronaldinho Gaúcho.

Sempre jogou na frente?
Não, nas escolinhas comecei a jogar a médio. Mas houve um jogo, jogávamos futebol de 7, em que o nosso avançado não pôde jogar porque estava doente e o treinador pôs-me a avançado. Era um jogo difícil e fiz uns três ou quatro golos. A partir daí pôs-me sempre para a frente.

Estava encontrado o seu lugar.
É.

Ainda se recorda do primeiro impacto quando chegou a Alvalade?
Perfeitamente. Quando cheguei aos juvenis do Sporting encontrei jogadores de grande qualidade, eu não estava habituado a jogar com jogadores daquela dimensão, era muito diferente. Nos primeiros treinos pensei que iria ser muito difícil e que se calhar nunca iria jogar (risos). A sério. No princípio da época, no primeiro jogo, eu não podia jogar porque ainda não tinham tratado dos papéis da minha transferência. Mas ninguém me tinha dito nada e na minha cabeça já só pensava voltar para os Pescadores, porque achava que ali nunca iria jogar. Depois lá fiz o meu primeiro jogo como titular, contra o Benfica, correu muito bem, ganhámos e a partir daí fui crescendo.

Começou a ganhar mais confiança em si?
Sim e comecei a evoluir porque não estava habituado aos métodos de trabalho que eles faziam, era completamente diferente.

Como é que ia e vinha todos os dias da Costa da Caparica para Alvalade?
Era difícil, tinha que apanhar primeiro um autocarro, depois apanhava o comboio, depois o metro e chegava a Alvalade. Ainda houve uma altura, quando era júnior, que tentei estudar de noite, mas era complicado. Havia treinos bidiários duas vezes por semana.

Varela com a camisola do Grupo Desportivo dos Pescadores da Costa da Caparica

Varela com a camisola do Grupo Desportivo dos Pescadores da Costa da Caparica

D.R.

Os seus pais ficaram chateados por ter deixado de estudar?
Não. A minha mãe e o meu pai viam que eu chegava a casa cansado e que ainda tinha que ir para a escola. Às vezes quando ia, ficava na conversa com um amigo meu (risos). Era difícil, tanto que os meus pais já não me diziam nada.

Que jogadores o acompanharam na altura da formação no Sporting?
Há muitos, o João Moutinho, o Miguel Veloso, o Nani, o Cristiano Ronaldo, apanhei vários, Mário Felgueiras, o Yannick Djaló… .

Houve algum com quem tenha criado maior empatia?
Com o João Moutinho. Temos uma boa relação. Até porque mais tarde encontramo-nos no FCP.

Havia muita rivalidade e picardias entre os jogadores?
Nunca senti que houvesse picardias.

Lembra-se quando recebeu o seu primeiro ordenado?
Quando fui para o Sporting não assinei contrato de formação, passados seis meses o Sporting fez-me um contrato de formação e acho que o meu primeiro salário foi de 250 euros.

O que fez a esse primeiro dinheiro?
Dei aos meus pais para ajudar em casa.

Não comprou nada para si?
Não, foi para ajudar em casa. Só mais tarde é que comecei a comprar alguma coisinha para mim.

Varela no Casa Pia Atlético Clube

Varela no Casa Pia Atlético Clube

D.R.

Como é que foi emprestado para o Casa Pia? Reagiu bem ou nem por isso?
Não foi fácil. Era júnior, ia subir a sénior e tinha feito uma grande época nos juniores; tinha feito muitos golos e pensei que poderia ter a oportunidade de fazer a pré época na equipa principal. Tinham acabado com a equipa B e dispensaram todos os jogadores dos juniores, menos eu e o José Semedo. Fizeram-nos um contrato de um ano mais opção e emprestaram-nos ao Casa Pia, com quem tinham um protocolo. Na altura não havia muita alternativa, foi a solução que o clube me apresentou. Não fiquei muito feliz. Fiquei a pensar no que se iria passar. Tinha 19 anos. Era uma realidade completamente diferente mas quando comecei no Casa Pia encontrei uma família. Fui muito bem recebido, adorei o tempo que lá passei, correu muito bem individualmente e coletivamente.

Nessa altura ainda vivia na casa dos seus pais?
Sim, vivia. Nessa altura ia com um colega que vivia perto de mim e que já tinha jogado comigo nos Pescadores. Ele dava-me boleia.

Na época seguinte vai para a equipa principal do Sporting. Quem era o treinador, recorda-se?
Era o Peseiro.

Ficou nervoso com a estreia no plantel sénior do Sporting?
Na altura estava a passar uma fase muito boa, no Sporting queriam apostar em mim mas eu sabia que poderia ser difícil porque o Sporting tinha um plantel muito forte, tinham feito uma grande época, tinham ido à final da Liga Europa, que não venceram por azar. Mas acabou por ser um ano difícil, meio ano, porque acabei por não jogar muito.

Porquê?
Porque havia bons jogadores, o Liedson, o Nani, o Sá Pinto, o Douala…

E não teve muitas oportunidades.
Sim, o momento que a equipa estava a passar não era bom e não dava para apostar com tranquilidade. O Peseiro foi despedido e veio o Paulo Bento.

Varela, Nani e João Moutinho, no Sporting

Varela, Nani e João Moutinho, no Sporting

D.R.

Ainda jogou com o Paulo Bento?
Pouco, depois chegou a janela de transferência em janeiro e fui para o V. Setúbal.

Quem é que lá estava?
O treinador era o Hélio Sousa e jogadores tinha o Auri, o Nandinho, o Bruno Ribeiro, o Sandro...

Foi viver para Setúbal ou continuava na Costa da Caparica?
Continuei na Costa, em meia hora estava em Setúbal. Para mim estava bom.

Entretanto foi para Espanha, para o Recreativo. Como é que isso acontece, quem é que lhe faz essa proposta?
O meu empresário o Paulo Barbosa. Também tive uma da Itália, para o Regina e da Grécia, do AEK.

Desde quando é que tem empresário?
Desde o Casa Pia.

Foi ele que o abordou?
Sim, ele veio falar comigo, tinha uma situação para mim, mas não fez pressão nenhuma.

Porque é que escolheu o Recreativo?
Porque estava mais perto, na altura já tinham contratado o Carlos Martins e o Beto, ia ter companhia. Foi por essa razão.

Varela com a mulher, Andreia

Varela com a mulher, Andreia

D.R.

Já namorava?
Já. Conheci a minha mulher, a Andreia, quando estava no Casa Pia. É engraçado porque nessa altura como não tinha carta de condução, tinha de ir ter com ela de autocarro e como queria muito estar com ela, ficava lá até à meia noite. Tinha treino no dia seguinte de manhã e a minha mãe ligava-me sempre para eu ir para casa (risos).

Quando foi para Espanha, foi sozinho ou a Andreia foi consigo?
Vou com ela e já tinha a minha filha Melissa, com seis meses, nasceu a 8 de dezembro de 2006, ainda eu estava no V. Setúbal.

Assistiu ao parto?
Não, na altura não houve essa possibilidade, mas da segunda filha assisti.

Quando a Melissa nasceu já vivia com a Andreia?
Ainda não, ela às vezes estava comigo na casa dos meus pais, eu ainda vivia com eles. Só quando fomos para Espanha é que passamos a viver juntos. Estivemos um ano a viver os três sozinhos.

Varela jogou no V. Setúbal, em 2006/07

Varela jogou no V. Setúbal, em 2006/07

Tony Marshall - EMPICS

Como é que foi a nova aventura de ir para um país diferente e viver pela primeira vez com a sua mulher e filha?
A cidade onde estávamos, Huelva, era pequena, depois das nove da noite já não se fazia nada na rua, não se fazia muita coisa. Mas comia-se bem.

Foi fácil a adaptação?
Foi. Ao início com o espanhol, não, porque eles quando estão a falar parece que vão de mota (risos), mas adaptámo-nos bem porque tinha colegas e minha mulher também se dava bem com a mulher do Carlos Martins. Estávamos muitas vezes juntos e ficou mais fácil.

Quando acaba a época no Recreativo vem para o Estrela da Amadora. Porquê?
Na altura tinha outras soluções, mas decidi vir para o Estrela da Amadora porque me davam mais anos e contrato. A época no Recreativo de Huelva não me tinha corrido bem.

Porquê?
Comecei bem, mas depois tive uma alergia nem sei bem ao que foi, mas tive que ficar parado algum tempo e tomar um medicamento que era proibido.

Que tipo de alergia, que sintomas provocava?
Fazia-me bolhas nos pés por causa do calor e eu não conseguia calçar as botas. Tive mesmo que parar e ficar à espera uns dois meses, para me darem autorização para tomar um medicamento. Depois passou.

Varela com as filhas, Melissa e Serena

Varela com as filhas, Melissa e Serena

D.R.

Estava a dizer que a época não lhe tinha corrido muito bem…
… Eu queria fazer um ano bom, a jogar, porque não tinha jogado muito, para poder dar o salto para uma equipa de média dimensão, porque acreditava nas minhas capacidades. Optei pelo Estrela que apesar da situação difícil em que estava, aceitou dar-me um contrato de um ano e eu fazendo uma boa época, podia facilmente ir para uma equipa de maior dimensão. E foi isso que aconteceu.

Quando soube do interesse do FCP, ficou eufórico ou nem por isso?
O meu empresário disse-me: “Tens o FCP e tens o Benfica”. Fiquei muito contente, era sinal de que me estavam a observar. Fiquei satisfeito e mais motivado para continuar a trabalhar ainda melhor.

Porque é que a escolha recai no FCP?
Porque algo me disse... também falei com a Andreia e decidimos: “Vamos para cima, vamos para norte”. Eu era sportinguista mas sempre gostei um bocadinho do FCP. Numa ocasião na escola meti um poster do FCP no meu caderno e os meus colegas meteram-se comigo por eu gostar do FCP. Eu era sportinguista, mas gostava da maneira como o FCP jogava, daquela raça, da forma como eles ganhavam. Os meus colegas começaram a chamar-me vira-casacas (risos). Na altura via o FCP como uma equipa mais estável, com uma organização fantástica e isso levou-me para cima. Depois, o presidente tinha uma boa relação com o meu empresário e disse-lhe que me queria… .

Silvestre Varela chegou ao FCP na época 2009/10

Silvestre Varela chegou ao FCP na época 2009/10

Carlos Rodrigues

Quando chega ao FCP o treinador era o Jesualdo Ferreira. Como é que correu?
O Jesualdo ensinou-me muito, muito mesmo. Dava-me muito na cabeça.

Porquê?
Primeiro ele disse-me: “Treina à vontade, faz o que quiseres, podes errar à vontade” e assim fiz, jogava como se estivesse por exemplo no Estrela da Amadora. Mas quando recebia uma bola mal, não fazia a recepção orientada e metia a bola para trás, ele parava o reino, virava-se para mim: “Oh Varela pensas que estás no Estrela da Amadora?!” (risos). Lembro-me de num treino ele me ter dado tanto na cabeça, por causa de um movimento que eu tinha que fazer para dentro... Como eu jogava a extremo ficava só colado na linha, e ele queria que eu viesse mais para dentro e nesse treino ele matou-me a cabeça, mas de tal maneira que até o João Pinto e o Rui Barros, que eram adjuntos, chegaram ao pé de mim: “Tem calma, tem calma, continua a trabalhar que estás a trabalhar bem”.

Nunca lhe respondeu mal?
Não porque eu sabia que era para melhorar. E tinha também esse objetivo de conseguir impôr-me no FCP. Cheguei com uma mentalidade forte de querer fazer parte da história do FCP e felizmente consegui.

Ficou a viver onde?
Ficámos numa casa alugada no Mindelo e passado um ano, o FCP renovou-me o contrato e mudámos para uma moradia, também em Vila Nova de Gaia.

A adaptação às gentes e à cidade do Porto correu bem?
Foi extremamente fácil, não me preocupei com nada. Um jogador do FCP não tem que se preocupar com nada, nem com o médico para a família, o clube trata de tudo, nós só temos a preocupação de treinar e de jogar bem.

Varela com a mulher e filhas na Eurodisney

Varela com a mulher e filhas na Eurodisney

D.R.

A sua mulher adaptou-se bem à cidade ou foi difícil para ela?
A minha mulher adorou. Se hoje vivemos no Porto também é por causa dela. Fizemos amigos e quando no final do primeiro ano nos perguntavam se depois queríamos ir viver para Lisboa, ela respondia: “Não sei, eu gosto muito daqui”. Dizia sempre isso. Com o tempo, a minha filha mais velha foi fazendo os seus amigos, a nossa filha mais nova, a Serena, já nasceu no Porto.

Nasceu quando?
Em 2011, no dia 18 de dezembro.

Quando chega ao plantel do Porto nota uma grande diferença no método de trabalho, no clube, e na relação dos jogadores, em relação ao que tinha vivido antes?
Sim, senti uma forte organização, era tudo organizado ao pormenor.

E em termos de balneário era muito diferente?
Não. Os balneários por onde passei também eram muito bons.


Foi praxado quando lá chegou?
Não me lembro se me fizeram alguma coisa…Acho que não me fizeram nada.

Quase todos os jogadores foram praxados no FCP.
Eu sei, mas eu escapo-me sempre (risos). Até na seleção nacional acho que me escapei também, não tive de cantar (risos). Se calhar pensaram que já me tinham feito.

Não tem nenhuma história divertida para contar do FCP?
Uma vez eu e o Moutinho resolvemos pregar uma partida ao Mangala. Estávamos no quarto, eu escondi-me atrás das cortinas e quando o Mangala chega o Moutinho fica na conversa com ele até que, às tantas, pede-lhe para ir buscar uma mala que estava junto às cortinas. Quando ele vai para pegar na mala eu saio de trás da cortina (risos). Ele apanhou um susto. Pôs a mão no peito e gritou (risos). Uma vez também fechei o Maicon na varanda do quarto do hotel. Ele não via ninguém, começou a ficar aflito, até que resolveu saltar da varanda (risos). Quando vi que estava a preparar-se para saltar, abri as portas.

João Moutinho e Varela estiveram juntos na formação do Sporting e reencontraram-se no FCP

João Moutinho e Varela estiveram juntos na formação do Sporting e reencontraram-se no FCP

AFP

O Moutinho chega ao FCP na sua segunda época lá, não é?
Sim, é no ano do Villas-Boas.

Muito diferente do Jesualdo?
Sim. São os dois treinadores muito bons, mas têm qualidades diferentes. O Villas-Boas tinha uma capacidade enorme de incentivar os jogadores para além de ter um bom método de trabalho, conseguia manter o plantel todo a trabalhar na mesma direção, todos juntos. Quando não jogava um, jogava outro e esse outro ia corresponder. O Jesualdo foi o melhor treinador que tive na capacidade de tirar a maior capacidade individual de um jogador. Eu, e se calhar muitos outros o podem dizer: o Falcão, o Hulk, o Fernando, o Bosingwa, aprendemos e evoluímos muito com o Jesualdo. Ele consegue ver as qualidades de cada jogador e consegue tirar o máximo que cada jogador tem em função daquilo que quer para a equipa.

O Villas-Boas era melhor na motivação do grupo.
Sim, quando ele chegou nós estávamos um bocado revoltados com o que tinha acontecido na época anterior, com o castigo do Hulk, no Caso do Túnel.

O que é que acontece realmente?
Eu passei, olhei, vi que havia um bocado de confusão, mas fiquei sem perceber o que é que se estava a passar. Só vi mais nas imagens que foram divulgadas.

Porque é que diz que foi injusto?
Porque acho que fomos provocados a essa situação. Ninguém do FCP ia criar essa confusão, sem ser provocado. Acho que fomos provocados.

O Villas-Boas foi capaz de dar a volta a esse clima?
O Villas-Boas é uma pessoa inteligente e soube o que fazer com os jogadores. Estávamos revoltados com tudo o que tinha acontecido e ele em cada jogo que tínhamos contra o Benfica, ou quando eles vinham à imprensa falar coisas de nós ou dizer que eles estavam bem que eram os primeiros e nem sei o quê... O Villas-Boas fazia questão de pôr isso no balneário para toda a gente ver e isso dava-nos mais força para cada jogo.

Era uma forma de criar uma espécie de “raiva” que acabava por vos motivar e unir ainda mais.
Sim, sim.

Tanto assim é que ganham a Liga Europa, o Campeonato, Taça de Portugal, Supertaça…
...É verdade, ganhámos tudo menos a Taça da Liga.

Varela e a mulher, Andreia.

Varela e a mulher, Andreia.

D.R.

Essa época corre muito bem, mas o Villas-Boas sai para o Chelsea e fica o Vítor Pereira...
Que também faz a época toda e somos novamente campeões.

Exato. Entretanto vem o Paulo Fonseca e fecha a sua primeira passagem pelo FCP com quem?
Lopetegui. No primeiro ano do Lopetegui fui para o West Bromwich.

Porquê, o que é que aconteceu?
Na altura acho que foi o melhor, foi o que tinha que acontecer.

Desentendeu-se com a estrutura do FCP?
Não, não foi desentender mas às vezes as coisas não são possíveis de se resolver e a melhor solução foi mesmo ter saído naquele ano do Porto.

Era uma questão de números e de renovação do contrato?
Vou ser sincero, na altura queria estar num campeonato novo, queria novas coisas para mim. Ao fim de cinco anos no FCP tinha ganha tudo menos a Champions, tinha 25 anos e já tinha dado tudo pelo clube, sempre dei o máximo, achava que merecia algo diferente na minha carreira.

Sentiu alguma falta de reconhecimento?
Não, senti que também podia ter uma oportunidade boa no estrangeiro. Nos anos todos que estive no Porto, todos os jogadores que tinham jogado comigo, a ponta de lanças, a avançados, a extremos, todos saíram, todos acabaram por sair.

Disse ao presidente que também queria sair?
Não, na altura nem chegamos a falar. Esta conversa é um bocado difícil… (risos). Na altura eu queria uma nova oportunidade e o FCP não queria deixar-me sair, as coisas não foram totalmente bem resolvidas e acabei por ser emprestado. Eu próprio insisti que queria uma oportunidade nova.

As filhas de Varela, Serena e Melissa, de 6 e 11 anos

As filhas de Varela, Serena e Melissa, de 6 e 11 anos

D.R.

Quando lhe apresentaram a proposta do West Bromwich, era o tipo de clube e campeonato que estava a pensar?
Sim porque quando saí faltavam dez dias para fechar o mercado, já foi um bocado tarde, já não havia grandes soluções, já estavam muitos jogadores colocados, o West Bromwich foi a melhor opção.

Qual foi a sua reação?
Fiquei contente porque ia jogar na Premier League, também tinha esse sonho e acabei por cumpri-lo. Não correu tão bem quanto gostaria, mas pronto já lá estive, já sei o que é a Premier League.

Levou a sua mulher e as suas filhas?
Sim, fomos todos.

Como foi a adaptação?
Não foi fácil porque faz muito frio em Inglaterra, a comida é diferente, as pessoas são diferentes, os ingleses são pessoas mais frias e logo de início tive que ser operado a uma hérnia, por isso não foi fácil.

Não estava lá mais nenhum português?
Não.

Como era com o inglês?
Não falava nada de inglês, mas fui-me desenrascando, tinha o tradutor do telemóvel. Ainda me lembro que uma vez fui ter uma conversa com o treinador e ele entendeu. Não sei como, mas ele entendeu (risos). Ele era escocês, a pronúncia dele era mesmo difícil. Eu entendia alguma coisa de inglês, o básico mas ao início quando ele começava a falar, eu apanhava do ar, não entendia nada do que ele tinha dito. Com o tempo fui aprendendo, aprendi sozinho a falar com os meus colegas e com a ajuda do Google Tradutor no telemóvel. Às vezes dizia uma palavra, mas como o sotaque era diferente, eles não entendiam. Eles por vezes também não faziam um grande esforço para entender.

Nessa altura estava a viver em Birmingham. Gostou?
Gostámos. A Serena ainda não estava na escola ficava em casa com a minha mulher. A Melissa ainda entrou na escola.

Enquanto lá esteve o que é que faziam nos tempos livres?
Fomos ao Zoo, fomos a Londres, a Manchester, íamos aos shoppings, tinham um grande que era porreiro.

Esteve lá quanto tempo?
Pouco tempo. Em janeiro fui para Itália.

Silvestre Varela (com a bola) jogou uma época no Parma

Silvestre Varela (com a bola) jogou uma época no Parma

Paolo Bruno

O Parma na altura estava no último lugar do campeonato. Porque é que escolheu Itália e o Parma?
Em Inglaterra as coisas não estavam a correr bem. Eu estava a jogar e quando veio o treinador novo, sem me dizer nada, pôs-me no banco de suplentes. Quando me punha a jogar era só 10 minutos. Eu estava a jogar bem, já tinha conseguido o meu espaço na equipa, vi que o treinador não estava a contar muito comigo, mas também não me dizia nada. Falei com o meu empresário e disse-lhe: “Estou aqui emprestado, tenho é de jogar. Se ficar agora os seis meses que faltam sem jogar vai ser um problema para mim. Sou ambicioso, quero jogar e quero mais. Tenho mais um ano de contrato com o FCP, mas preciso de jogar”. O meu empresário encontrou uma solução, em Itália. O treinador era o Roberto Donadoni. Decidi que ia. Confesso que não ia muito confiante, fui um bocado na expectativa porque o campeonato italiano não era uma coisa que me chamasse a atenção.

Porquê?
Nunca tinha sido um campeonato de que gostasse por ser muito tático e porque as pessoas diziam que era lento. Mas quando lá estive só tenho a dizer que adorei. O Parma estava com muitas dificuldades, financeiramente houve situações como toda a gente sabe.

O presidente chegou a ser detido por branqueamento de capitais não foi?
(Risos) Os adeptos do Parma cantavam no estádio porque não gostavam dele. Cantavam para ele “Manenti senza denti” porque ele não tinha dentes. Era um bocado estranho o presidente não ter um dente. Ele entrava no balneário e prometia coisas. Dizia que tinha dinheiro não sei do quê, nem de onde. Nem percebia o que é que ele dizia, na altura tinha chegado a Itália ainda não percebia bem o italiano. Estava lá o Pedro Mendes que me ajudou muito na adaptação a Itália. A família desta vez já não foi comigo. De Inglaterra voltaram para Portugal por causa da escola, senão as meninas iam estar a perder a escola.

Foram para o Porto?
Foram. Eu e a minha esposa decidimos ficar a viver no Porto.

Como é que foi a experiência de estar pela primeira vez sozinho, sem elas num país estrangeiro?
Ao início foi difícil, as primeiras semanas passei um mau bocado. Foi extremamente difícil, tive a sorte de encontrar um treinador que foi um grande craque, Roberto Donadoni, a quem tenho de agradecer muito. Teve muita paciência comigo, acreditou em mim e eu atingi um momento de forma espetacular, o que me levou também a regressar ao Porto.

D.R.

Foi o FCP que o chamou?
Sim. Não fazia muita ideia do que se ia passar. O FCP quis uma reunião comigo e com o meu representante, que tinha outras propostas porque eu tinha acabado a época muito bem. Tinha outras propostas de Itália, de Espanha. O presidente chamou-nos para uma reunião, perguntou-me como é que eu estava, se tinha gostado da cidade de Parma e depois perguntou-me quantos anos queria de contrato. Eu fiquei assim, não foi surpreso porque antes de ir para a reunião o meu empresário já me tinha dito que eles queriam renovar comigo, mas claro que fiquei contente e acabei por revonar o contrato.

Quantos anos é que disse que queria?
Eu tinha mais um e ele perguntou se eu queria mais um ou mais dois, e eu disse mais dois (risos). Fiquei com três anos de contrato. E tinha uma proposta em cima da mesa mas o presidente nem sequer abriu e viu.

Uma proposta de quem?
De um clube do Dubai.

Essa época de 2015/2016 corre-lhe bem?
Comecei bem a época mas as coisas depois acabam por não correr bem à equipa. O Lopetegui acabou por ir embora e tivemos um ano difícil.

Quem é que o veio substituir? Foi o Peseiro, não foi?
Sim, encontrei o Peseiro novamente passados uns 10 anos.

Notou diferença, acha que estava melhor treinador?
Sim. Passados 10 anos as pessoas têm que evoluir (risos).

A equipa estava muito diferente daquela que tinha deixado?
Quando voltei encontrei um ambiente completamente diferente daquele que tinha deixado quando me fui embora.

Diferente como?
Notei que aquela mística, aquela garra que o FCP tem, tinha-se perdido. Também tinham chegado muitos jogadores novos e não conheciam bem o clube, como o clube trabalha. São fases pelas quais os clubes passam.

Silvestre Varela está há três épocas no Kayserispor, da Turquia

Silvestre Varela está há três épocas no Kayserispor, da Turquia

VI-Images

Não mudou nada com o Peseiro?
O Peseiro apanhou a equipa numa fase difícil, em janeiro, já estava complicado. Depois vem o Nuno Espírito Santo e saio em janeiro.

Porquê, não se entendeu com ele?
Não, eu entendia-me com o Nuno. Antes de ser treinador tínhamos sido colegas de equipa. Só que não estava a jogar, não estava a ter oportunidades e acabei por sair em janeiro.

Sai em janeiro de 2017 para a Turquia. Era o que queria? Porque é que foi para a Turquia?
Surgiu a proposta, eu refleti e passado uma ou duas semanas acabei por aceitar.

O que é que o levou a aceitar?
Queria jogar. Um jogador quando não joga, não é totalmente feliz. Como não estava a jogar acabei por aceitar a proposta deste clube da Turquia.

A família foi consigo?
Essa foi a parte mais difícil, que custou e que mais custa. Mas eu e a Andreia decidimos que o melhor para as nossas filhas é continuarem a estudar no Porto. A cidade onde estou, Kayseri, é muito diferente de Istambul. Elas vêm cá nas férias. No Natal, na Páscoa e mesmo nas férias de verão, quando vim para a pré época, ficaram comigo aqui até começar a escola delas. Temos feito assim. A a minha mulher de vez em quando vem cá e as meninas ficam com a minha sogra.

Melissa, Varela, Serena e Andreia

Melissa, Varela, Serena e Andreia

D.R.

Como é que foi a sua adaptação à Turquia?
Kayseri é uma cidade muito conservadora, as pessoas são muito fechadas. É uma cidade muito difícil de adaptar.

Explique melhor.
Não tem muita coisa para fazer. Mas pronto, estou aqui para treinar e jogar.

O que é que faz nos seus tempos livres?
Está aqui um português, o Tiago Lopes, às vezes estou com ele.

Mas isso foi só nesta época e nas duas anteriores?
Quando a minha mulher aqui está comigo, saímos, vamos à montanha quando há neve, já fomos à Capadócia. Já lá fui umas três ou quatro vezes, numa delas andámos de balão. A Andreia só se ria comigo, porque eu estava cheio de medo, mas olhava para o lado e ia um rapaz com mais medo do que eu (risos), tremia por todos os lados.

Gosta de jogar PlayStation ou outros jogos de computador?
Às vezes gosto de jogar com as minhas filhas, com a Wii. Quando elas querem também jogamos PlayStation. Aqui em casa tenho PlayStation mas raramente jogo, só quando estou com elas.

Quando a sua mulher e as suas filhas não estão aí e quando não está com o Tiago, o que é que faz para passar o tempo? Vai ao cinema, vai passear?
Fico em casa, sou muito caseiro, gosto de estar em casa. Vejo séries, vejo filmes. Às vezes gosto de dar uma caminhada ou ir até ao shopping, é só descer a rua e estou no shopping. Às vezes vou jantar com um amigo ou outro e é assim.

Como é que faz com as refeições, como sempre fora ou tem jeito para a cozinha?
Agora com a videochamada é mais fácil. Às vezes ligo para a minha mulher e ela ajuda-me a fazer aqui a comida (risos). A minha mulher gosta de cozinhar e cozinha bem, comemos muitas vezes em casa e eu prefiro comida caseira, mais do que ir aos restaurantes.

Varela festeja o golo que marcou à Dinamarca, no Euro 2012 e que considera o mais importante na sua carreira

Varela festeja o golo que marcou à Dinamarca, no Euro 2012 e que considera o mais importante na sua carreira

ANNE-CHRISTINE POUJOULAT

O seu irmão mais velho chegou a fazer carreira no futebol?
Não, depois largou. Jogou nos Pescadores, na Cova da Piedade mas já não joga.

E o seu irmão gémeo o que é que faz?
É segurança. Quando chegou a sénior deixou de jogar futebol. Ele não tinha muito jeito (risos).

Há realmente uma ligação especial entre irmãos gémeos?
Posso dizer que sim. Gosto dos meus irmãos todos, mas o meu irmão gémeo é sempre aquele carinho, aquela cumplicidade maior.

Os seus pais ainda estão vivos?
O meu pai faleceu no ano passado, a minha mãe ainda está viva.

Vamos à seleção. Quantos anos tinha quando foi chamado pela primeira vez a uma seleção.
Tinha 18 anos. Estava no Sporting.

E a primeira vez que foi chamado para a seleção A quando é que foi?
Tinha 24 anos, estava no FCP e fui convocado para fazer um jogo de treino, já não me recordo se foi contra a China. Acho que o primeiro jogo a sério foi com o Paulo Bento, para o Euro 2012 da Polónia/Ucrânia. Fomos à meia-final e perdemos nos penaltis com a Espanha.

Qual é a sensação de se vestir a camisola da seleção A? Sente-se o peso da responsabilidade?
Sim há um peso, é uma responsabilidade enorme.

Depois do Euro 2012 volta a ser chamado para o Mundial de 2014, para a fase de qualificação.
Sim. Deixe-me dizer só uma coisa, no Euro 2012 fiz um golo importante contra a Dinamarca que foi um golo que me marcou muito, marcou a minha carreira. Foi um golo festejado por todos os jogadores, os que estavam dentro e os que estavam no banco de suplentes. Foi um momento inesquecível.

Esse foi o golo mais importante para si?
Na seleção foi, foi o golo mais importante que marquei sem dúvida.

O Mundial 2014, no Brasil, não correu tão bem.
Não. No primeiro jogo perdemos contra a Alemanha por 4-0 e depois as coisas ficaram mais difíceis. No segundo jogo empatamos com os EUA 2-2 e ficamos com um pé fora, tínhamos que ganhar ao Gana por muitos golos e acabámos por ganhar só por 2-1 e viemos para casa.

Quais eram os jogadores com quem se dava mais na seleção?
Com o Moutinho, o Rolando, o Eder. Normalmente não faço muitos grupos, gosto de me dar com toda a gente.

Varela, com as filhas e colegas do Kayserispor da Turquia

Varela, com as filhas e colegas do Kayserispor da Turquia

D.R.

Acaba por não ser chamado para o Euro 2016. Porquê, tem ideia?
Foi no ano em que não joguei muito no FCP, foi um ano que correu mal ao FCP, acabei por jogar pouco e não fui chamado. Portugal tem muitas soluções, quem estiver a jogar tem mais oportunidade de ir.

Mas tinha esperanças de ir?
Tinha, se estivesse a jogar e estivesse bem, acredito que podia ir.

Quando percebeu que não estava convocado, o que sentiu?
Sei ver a realidade, como não estava a jogar as coisas ficavam mais difíceis, temos óptimos e grandes jogadores na minha posição.

Chegou a ser chamado por Fernando santos, ainda em 2015. Que tal é o selecionador nacional?
O Fernando Santos é uma pessoa que sabe estar, tem muita experiência no futebol como toda a gente vê. No pouco tempo que estive com ele vi que é uma pessoa educada, uma pessoa séria. Uma pessoa que gosta de se dar bem com os jogadores, gosta do bom ambiente, não cria conflito. É a pessoa certa para estar na seleção.

Ainda tem esperança de voltar à seleção?
É muito difícil agora. A partir do momento em que sai do FCP sabia que ia ser difícil, que ia ficar mais difícil ser chamado. E depois, com as soluções que existem… .

Mas mesmo assim quis sair do FCP.
Quis sair porque queria jogar e na altura a solução que tinha aparecido é esta.

Quais são os seus objetivos, gostava de voltar para Portugal?
Agora estou no meu último ano de contrato aqui na Turquia, vou ver como é que as coisas correm e depois logo decidirei. Não faço grandes planos do futuro, tenho que ver o que é melhor para mim e para a minha família.

Mas gostava de voltar a Portugal ou não?
Não tenho grandes perspectivas.

Já pensou no futuro depois do futebol?
Quero continuar ligado ao futebol.

O que se vê a fazer?
Não sei, se calhar para começar, gostava de trabalhar como adjunto, com os mais jovens. Mas para já não penso muito nisso. Primeiro temos de perceber o que é estar do outro lado, tenho de perceber se vou gostar ou não.

D.R.

Qual foi o treinador que mais o marcou até hoje?
O Jesualdo Ferreira pela forma como me fez evoluir e porque fez-me ver o futebol de outra maneira. O Villas-Boas, mostrou-nos que conseguimos ir além daquilo que pensamos e o Paulo Fonseca que é um treinador inteligente, percebe muito de futebol, percebe mesmo.

Qual foi a sensação de ser campeão nacional pelo FCP?
...E ainda por cima na Luz (risos). A primeira vez que fui campeão nacional foi na Luz. É um dos momentos inesquecíveis que passei no FCP. Lembro-me de estar a correr no estádio da Luz, apagaram a luz, ligaram o sistema de rega, aquilo ficou uma festa autêntica. Eu nem acreditava que tinha sido campeão. É um sentimento diferente e forte.

E pior treinador de todos os tempos para si?
(Risos) Essa preferia não responder.

Onde ganhou mais dinheiro?
Aqui, na Turquia.

O dinheiro que ganha vai investindo em alguma coisa, em imobiliário ou em algum negócio?
Só em imobiliário. Não faço grandes negócios para já.

Ao longo da vida ajudou muito os familiares?
Sim, muitas vezes, o que é normal. Os meus pais nunca tiveram uma vida fácil e sempre os ajudei. Comprei-lhes uma casa mais confortável para eles.

Alguma vez foi enganado?
Fui, uma vez.

Pode contar a situação?
Não foi nada de mais e agora também já sei lidar com essas coisas. Tinha um colega meu, que jogou comigo e passado uns anos ligou-me a dizer que estava numa situação má, que o clube onde estava não lhe pagava, que tinha a filha doente e que estava a precisar de dinheiro. Eu fiquei ali numa situação... Tinha uma boa relação com ele e a partir do momento em que lhe emprestei o dinheiro, nunca mais me devolveu.

A família Varela

A família Varela

D.R.

Que idade têm agora as suas filhas?
A Serena está com seis e a Melissa com onze.

Elas não reclamam muito a sua ausência?
Sim, principalmente a mais pequena. A Melissa já se habituou, já sabe como é que as coisas funcionam no futebol e entende bem. Falo com elas todos os dias por videochamada mas não é a mesma coisa. Mas estou sempre a falar com elas e quando tenho hipóteses vou a Portugal, quando tenho três dias de folga das paragens para as seleções vou a Portugal. Mas depois venho pior. Vou contente mas depois venho pior para cá porque a mais pequena fica a refilar comigo, fica a dizer para eu não ir. E depois quando chego aqui ela já não quer falar comigo (risos). Nos primeiros dias falo com ela e ela vira a cara.

Tem algum clube de sonho onde gostasse de ter jogado?
Sinceramente não. Acho que joguei no meu clube de sonho que é o FCP. Aquilo que passei no Porto, não só no futebol mas como pessoa, acho que neste momento não trocava, se voltasse atrás não trocava por nada o que passei no Porto.

Hoje sente-se mais portista do que sportinguista?
Sou claramente portista, não sou sportinguista.

Se houver um FCP vs Sporting torce pelo FCP?
Obviamente, isso nem é pergunta (risos).

Nunca teve problemas com os portistas mais ferrenhos que confrontam os jogadores quando os encontram na noite?
Não porque eu sempre tive uma vida tranquila, nunca fui de andar na noite, nunca fui dessas coisas. Gosto de estar com a família, de sair com a família para jantar, para passear, isso a mim não me preocupa.

Alguma vez foi castigado por algum clube ou por algum treinador?
Acho que não. Só uma vez em Espanha, no Huelva, o treinador castigou-me um pouco.

Porquê?
Num jogo contra um rival direto, acho que era o Murcia, houve um canto contra nós e eu estava a marcar na entrada da área, estava com um jogador adversário que me ganhou a bola e marcou golo. E o treinador castigou-me.

Como?
Ficou chateado comigo, ficou a dizer que a culpa era minha. Tínhamos perdido o jogo porque eu tinha tido uma falta de concentração. Até na imprensa disse que a culpa tinha sido minha. Deixei de jogar com ele.

É verdade que gosta muito de carros?
(Risos). Sim, muito. Eu sei que se perde muito dinheiro.

Já tem o seu carro de sonho?
Tenho. É um Porsche 911 cinzento. Lembro-me que tinha 19 anos, estava com a minha mulher e já lhe dizia que o meu carro de sonho era o Porsche 911. E comprei-o passados uns 12 anos. Mas não está na Turquia, está no Porto.

Que outros carros já teve?
Tive Porsche Panamera, BMW's, Mercedes (risos).

O que gosta mais de fazer nos seus tempos livres?
Estar com as minhas filhas elas fazerem de mim o que quiserem. Com elas não tenho hipótese nenhuma (risos).